Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de 2018

Faz sol lá fora...

Faz sol lá fora, mas minha alma chora por sentir uma espécie de dor do mundo que vem se formando há algum tempo e que nem mesmo o escoar através de meus escritos tem sido suficiente para aplaca-la.
A cada escândalo, denúncia e prisão, assim como cada soltura convenientemente baseada nas leis, proferidas pelo Ministro Gilmar Mendes, reservando a mim toda a ignorância jurídica, confunde mais que explica, empobrece o sistema judiciário, uma vez que para os pobres mortais como eu, que é a maioria, ficam as perguntas sem respostas.
Se a prisão foi legal, como há soltura legal?
Se tudo tem sido feito amparado nos direitos e deveres constitucionais, como é possível esta mesma Constituição ser instrumento contrário a si mesma?
É possível que duas instâncias e inúmeros juízes tenham sido capazes de interpretar tão erroneamente a Constituição e o código penal e um só ministro tenha a sabedoria máxima de jogar por terra infinitas páginas argumentativas de condenação?
Tudo muito complexo e impossível …

“POBRE É UMA DESGRAÇA”...

Esse era o bordão que semanalmente repetia o personagem criado por Chico Anísio, o deputado Justo Veríssimo, nos anos 80/90. Todavia, sempre foi a garantia de sucesso dos políticos em ano eleitoral, depois, bem depois, virava desgraça na “pedição de favores”, jamais atendidos. A cada período eleitoral, o filme se repete e por mais roto que esteja, sempre faz sucesso em meio ao povão sempre ávido em achar um novo ídolo para venerar. Particularmente, amo todo o processo político, apesar de enxergar todas as suas mazelas, que não são poucas, mas que bem ou mal, é um processo necessário para que o diálogo democrático não seja sepultado em favor de qualquer tipo de homogenia partidária. Em relação a visita eleitoreira do governador Rui Costa à nossa Ilha (está em campanha de reeleição), confesso que como parte do povão gostei de seu jeito de se apresentar, mesmo me fazendo lembrar das duplas sertanejas que sempre colocam seus passados de meninos pobres para encantar os corações dos fãs. Em rela…

BOAS NOTÍCIAS

·  Se o governador Rui Costa está capitalizando votos para a próxima eleição, provavelmente está, todavia, o que nos interessa enquanto cidadãos itaparicanos é que ele traga para a cidade benfeitorias. Afinal, por anos a fio, reclamamos que estávamos esquecidos pelos governadores. Precisamos refletir sobre o que realmente queremos para nossa Ilha, cidade e nossas vidas.
Particularmente estou feliz, pois venho acompanhando há anos, a árdua luta de algumas pessoas de Vera Cruz pela instalação de um complexo policial.
Quanto a construção do CAPS, creio que devemos aplaudir a luta da Prefeita Marlylda Barbuda, justo por ser um centro de acolhimento que necessita de amparo especial e esta unidade, com os profissionais que lá se encontram, certamente se tornará uma referência na região.
Cidadão de bem é todo aquele que independentemente de partidarismos, sabe cobrar os seus direitos, mas que também sabe aplaudir tudo quanto, independentemente de quem o faça, seja para atendimento, conforto e d…

EU, LOUCA?

Talvez o seja, na medida em que quando encasqueto com algo vou sempre com tudo que disponho e, no caso, minhas escritas, como reveladoras de minha capacidade de observação, jamais aceitando apenas o aparente.
Hoje, estive presente na Casa de Cultura para o evento anual da LUTA ANTIMANICOMIAL e, como das outras vezes, saí com a sensação de que poderia ter ouvido mais, perguntado mais e constatado maior interesse das pessoas e dos dirigentes públicos.
Como pensar em conscientização em relação ao desequilíbrio humano, hoje tão expressivo a cada esquina, sem que haja uma ligação direta com o sistema educacional e de ação social?
Como melhorar o sistema de atendimento psicossocial sem que exista uma integração de propósitos que abra um leque de atendimento consciente e seguro.
Como acreditar que famílias carentes de quase tudo possam ter estrutura de acolhimento para, diurnamente, cuidar de seus filhos e netos se a máquina pública, com todo o seu corpo estrutural, se diz incapacitada de oferec…

CAÇA AOS PIOLHOS

Enquanto, parte do povo se empenha em caçar os piolhos das bruxas, os carrapatos das mesmas fazem a festa e, como sempre, nada acontece de relevante que mude o perfil comportamental, não só dos políticos como de cada cidadão que opta pelo sensacionalismo em detrimento da busca consciente de fatos, cujo valor possa agregar reais transformações.
CORRUPTO QUE SE PREZA, NÃO ASSINA RECIBO, pega-los, exige trabalho de pesquisa, dedicação e, acima de tudo, conhecimento em relação aos trâmites públicos e legais.
Mimi mi e blá blá blá têm dado relativo trabalho aos mesmos, mas no final, geralmente depois de dois mandatos, os ilustres saem de seus postos abastecidos em suas contas bancárias, enquanto o povo babaca de plantão fica com a garganta seca, seja por ter gritado em protestos ou em defesa dos ilustres.
Enquanto isso, o lixo se amontoa, os cavalos pastam livremente, a lama atola, a educação falha, a COELBA e a EMBASA testam as paciências e e equipamentos elétricos e eletrônicos, a merenda e…

AS MULETAS DO SÉCULO

A crueldade sempre esteve presente nos relacionamentos humanos, numa necessidade quase visceral de se estar torturando o outro, mesmo em pequenas escalas não tão explicitamente apresentadas, mas em doses homeopáticas, como é possível de se observar em qualquer instância do relacionamento humano. Precisamos evoluir...
Precisamos urgentemente dar uma parada existencial e refletir sobre tudo que vivemos, pensamos e sentimos e, principalmente, fazer um reflexão em tudo que achamos que deixamos de viver, pensar e sentir, não como um balanço de perdas e ganhos, mas como um gesto de carinho conosco, numa busca amiga de novos recursos que possam aliviar as dores do mundo que arrebanhamos e que nos flagelam, adoecendo e descaracterizando o que de melhor certamente ainda nos resta, que é a nossa genuinidade.
Afirmamos que não há tempo a se perder, e aí, por infinitos caminhos, o acaso de nossa insanidade nos faz parar, geralmente, tarde demais para qualquer retoque que se pensou em dar numa vida …

CHOVE LÁ FORA

O sol abriu bonito colorindo as copas das árvores com o seu dourado brilhante, mas durou pouco nesta sexta-feira, pois a chuva, insistente, voltou com tudo, jogando por terra meus planos de sair e dar uma voltinha de reconhecimento e marcação de terreno por minha Itaparica. Não canso de admirar o mesmo cenário que a cada dia se altera, graças as adições divinas e das pessoas que, com suas presenças, oferecem o diferencial diversificado que muito me encanta, nublando as velhas mazelas que infelizmente existem, mas que meus olhos amorosos não permitem obscurecer as grandezas.

INVASÃO DO ALHEIO

Depois do sensacionalismo jornalístico, não há nada que me incomode mais que deixar passar batido qualquer tipo de invasão, pois existe sempre alguém levando vantagem, nem que seja apenas o invasor que, geralmente, chega como mendigo sofredor e, logo mais adiante, começa a mostrar quem realmente é e o que já possui. Esse é um mercado negro que beneficia políticos de um modo geral em anos eleitorais, sem falar nos meliantes que fazem deste um negócio lucrativo. Itaparica começou a ter seus lotes e casas invadidas há alguns anos atrás, sendo esse processo intensificado com a especulação da construção da Ponte. Fui, e você provavelmente também, testemunha da apropriação indébita destes imóveis por toda a cidade sem que houvesse qualquer atitude mais contundente por parte do legislativo e muito menos do executivo, além da omissão permanente das polícias civil e militar. Em algumas ocasiões, como ocorreu no ano passado, aventurei-me em denunciar uma escandalosa invasão entre tantas outras já e…

QUANDO OS SINOS DOBRAM

Não sei se é comum acontecer com as pessoas de um modo geral, mas comigo tem sido um constante duplicar de sentimentos que assustam, libertando conceitos antigos oriundos de uma formação sócio cultural que com o passar do tempo foi se esfacelando e dando lugar a uma conscientização do claro e translúcido sentido de quase tudo. Penso que seja bom este amadurecimento libertador, que rompe amarras que sempre incomodaram, pelo menos a mim, mas que por uma certa espécie de conveniência ou simplesmente hábito, faziam parte do que eu achava que era eu, e assim, segui camuflando, numa hipocrisia de palavras e atitudes não conscientes, mas real nas consequências. Venho descobrindo assustada que apesar de ter em minhas origens de avó paterna a tenebrosa senzala de uma fazenda no então distrito de Valença, circunvizinha do Rio de Janeiro, e de pregar discursos sobre os horrores do preconceito racial, eu vivi décadas como uma preconceituosa disfarçada, ostentando uma brancura de pele e renegando, s…

Noite de sexta

Os grilos cantam num coro harmônico, despertando os sapos e mariposas, fazendo calar os pássaros. O ventinho suave vem chegando devagar, tocando as folhas com delicadeza, sugando lentamente os aromas e como se soubesse exatamente onde me encontro, sopra, fazendo-me arrepiar e ao mesmo tempo, agradecer através de um sorriso espontâneo que brotou de mim. Adoro as chuvas rápidas do outono que abrem generosas, espaço para o já suave sol, numa troca gentil do espaço celestial, fazendo brotar da terra até então ressequida do longo verão, o verde das matas que me fazem viver. E a cigarra, meio perdida, certamente afoita, cantando alto, abafando o tudo mais, numa despedida sofrida de um tempo que não lhe pertence, num adeus, num talvez, até logo. Os grilos cantam, mas um em particular, copia a cigarra, abafando o tudo mais. Adoro o outono com seus sons e seus aromas, adoro viver mais que o tudo mais.

FIRULAS E NADA MAIS...

Creio que todo candidato a político, seja do legislativo ou executivo, para ter sucesso, precisa antes de tudo desenvolver a capacidade do uso das palavras, isto é, com a finalidade de atingir os seus objetivos pessoais. Quando faço críticas a esta gestão, em absoluto nego o fato de sua equipe estar instalando os projetos estaduais e federais no devido tempo e, muito menos, afirmando que nada fazem em relação a pedir mais obras e recursos para a cidade através de apelos junto ao Governador e deputados. Refiro-me à aplicação dos recursos de repasse do Fundo de Participação dos Municípios, arrecadação de impostos e royalties que, diga-se de passagem, jamais foram tão expressivos; e tão pouco, sou leviana ao ponto de desconsiderar os custos existentes e o sequestro de parte do FPM, durante alguns meses, por absoluta falta de competência gerencial do atual departamento financeiro que deveria priorizar o pagamento do parcelamento do INSS. Refiro-me como cidadã e profissional da Mídia, a não…

MAZELAS HISTÓRICAS

Leio, releio, algumas vezes comento, curto e até compartilho, mas sinceramente não acredito que este seja o caminho para a obtenção de qualquer real melhoria para a cidade. Esta postura nos dias atuais é largamente utilizada e muito útil para os oposicionistas que também, geralmente, conseguem envolver a população, numa espécie de histerismo negativo com a obtenção da simpatia do mesmo e consequente voto esperançoso, logo na eleição seguinte. No último pleito, ficou bem claro os efeitos sobre a opinião pública quanto a marcação serrada por parte de alguns vereadores e de parte da mídia em relação a gestão passada que estava longe de ser a ideal, mas que inegavelmente, estava atuando em determinados aspectos, altamente relevantes como saúde e educação para que em médio e longo prazo, o perfil do eleitor itaparicano se alterasse no sentido de ter mais consciência da importância de ambos no processo evolutivo de uma cidade. Todos nós de um modo geral, sabemos disso, mas a tentação em descer…

Ei, você aí! ...

Estaria disposto a deixar de ganhar ou perder um pouco do que já tem, a fim de diminuir a tão proclamada desigualdade social? Pois é, da boca para fora, os compenetrados e crentes de que são boas pessoas, certamente concordarão, mas na prática, a coisa muda, começando dentro dos próprios lares, onde não se estimula a partilha generosa entre irmãos, até porque mamãe e papai dão exemplos através de discussões exatamente em relação ao ter isto ou aquilo, num é meu e é seu sem precedentes, principalmente, nos momentos de dificuldades, aonde nenhum dos dois quer perder nada em função do outro. Claro, como tudo na vida, existem as raras exceções, mas que passam longe dos letrados e bem-sucedidos, já que solidariedade é um sentimento mais próximo dos menos abastecidos, mas até para isto, existem explicações. Este é o princípio básico dos regimes ditos socialistas, comunistas. “Regimes do povo” Alguém aí conhece algum deles, pobre, sem estudos ou sem ter amigos da elite, por eles, tão combatida? …

O AMOR EXISTE?

E aí, antes das cinco da manhã, alguns amigos e eu, já estamos trocando risos e carinhos através do facebook e naturalmente, surge uma inspiração. Hoje, com certeza é o amor e a dúvida de sua existência. Bem, cada qual formula em sua mente o ideal amoroso e provavelmente por esta razão, a cada instante, uma lágrima rola, um sorriso brota, um crime acontece e infinitos poemas, sonetos e romances são inspirados. Infelizmente, nos tempos atuais ele anda em baixa, pois, tem sido sufocado pelo excesso de expectativas que geralmente magoam, fazem sofrer ou simplesmente, frustram. O que esperar de concreto do amor, além de uma profunda amizade que suporte o inimaginável quando, com ele se sonha? O amor resiste a dureza das diferenças de quase todas as naturezas, dia após dia e ainda assim, provoca emoção com um toque, um cheiro, um apenas sorriso. Amor, não nasce ao acaso, isto é o tesão que atrai, aproxima e abre espaço para a busca das benditas afinidades. Amor precisa de tempo, espaço e experiên…

A VÍRGULA

Onde estás que não te encontro e se te encontro, te coloco na gaveta errada. Minha pressa em escrever o que minha mente dita muito rapidamente, sempre foi um grande empecilho para que eu a colocasse no lugar certo. Quando eu era garota e estudava em colégio de freiras, isto, há duzentos anos atrás, já era criticada pela professora de português por não colocar as virgulas nos devidos lugares. Um certo dia, a saudosa Madre Angelina, minha adorável capuchinha, tentou ajudar e me disse que apesar de minha compulsão pela escrita, certamente eu precisava respirar e que neste exato momento, eu deveria colocar a vírgula. Ela era professora de desenho, imaginem! ... Pronto, dali em diante é que nunca mais aprendi as regrinhas básicas da confusa gramática, pois passei a respirar e pimba, colocar uma virgula aleatoriamente, o que me obrigou a possuir por todo o tempo, um revisor. Fui também aliciada a dar continuidade no erro, pois sempre ganhava boas notas, devido ao conteúdo, e aí, a vírgula era só…

NOVOS ATAQUES.

Creio que querem que eu saia das redes sociais, provavelmente pelo número de seguidores que arrebanhei  com seriedade e respeito ao longo de todos esses anos.
Estão insistentemente, tentando criar uma nova imagem para alguém que apenas busca as redes sociais como meio de expressão e compartilhamento saudável e respeitoso.
Fazem comigo, agora o que sempre fizeram com o povo ou seja, mentiras e engodos por todo o tempo com raras exceções.
Mais uma vez, peço desculpas e comunico que apenas publicarei meus textos que podem ser lidos integralmente e deixarei de curtir, compartilhar e comentar para evitar mal entendidos e situações desagradáveis a todo o meu relacionamento online. O Facebook, bloqueou minhas possibilidades de compartilhamento, naturalmente a pedido de alguém que por me conhecer pouco, tenha achado que sou alguma moleca que não tem respeito pelos demais. Quanto as pessoas que dizem que vão tomar providências, deixo inteiramente à vontade, já que sou tão vítima quanto elas. 
No ma…

POLITICAGEM

Infelizmente é tudo que vem ocorrendo no Brasil de forma grosseira e abusiva que testemunhamos e, o que é pior, somos aliciados maciçamente, através das mídias, transformando continuamente, meias verdades e firulas especulativas em verdades indiscutíveis, incitando, principalmente aos desavisados que representam a maioria da população, especialmente nos locais pequenos, pouco evoluídos educacionalmente e onde a mesmice do coronelismo sempre foi a fonte mais convincente da realidade. Quando me refiro ao coronelismo, não estou sendo literal, mas refiro-me aos grupos dominantes que se revezam simultaneamente, mantendo o povo entre as cercas de seus interesses “políticos”, que na crua realidade, se resumem nos interesses de uma escalada de ascensão e manutenção de poder aliado aos progressos econômicos e financeiros, enquanto o povo continua perpetuando a pobreza em todos os níveis. Percebo a conveniência dos políticos em manterem viva a crença de que críticas e cobranças são perseguições d…

SEM MEDO DE VIVER

Olhando uma postagem da amiga Consuelo Velasco, imediatamente, lembrei-me de minha juventude e da constante motivação que me fazia suplantar qualquer dificuldade, que era justo o prazer de viver. Não havia consciência do não sentir medo, pois tudo era natural. Apenas, vivíamos o dia a dia com suas dificuldades fossem quais fossem, mas sem a pressão paralisante do medo de estar existindo, exposto ao acaso da liberdade do outro. Ao longo dos anos que se seguiram, ganhamos no progresso científico e tecnológico, ampliamos nossa capacidade em interagir com o restante do mundo, transformamos nossas telinhas de celulares em instantâneos de qualquer natureza, mas perdemos, definitivamente, a bendita liberdade que era real, pois não era pensada, apenas exercida, como o ar que respirávamos. Saudosista, claro que sou e pergunto como não ser depois de atravessar as últimas três décadas temendo por minha vida na esquina, no açougue, no cinema e, até mesmo, no aconchego de minha casa, por um maluco vi…

“VIRADA NA PORRA”

Esta é a expressão que mais tenho ouvido desde que vim morar na Bahia. Depois de 15 anos, esta e outras expressões, já não me causam estranheza, pois passaram a ser incorporadas pelos meus ouvidos e mente, tal qual, estou irritada, aborrecida, chateada e etc. Também fui entendendo que tal afirmação, na maioria das vezes sequer demonstra o estado real do espírito de quem fala, sendo apenas mais uma retórica de efeito com a finalidade de tão somente, demonstrar com ênfase uma opinião a respeito de algo. Se é educado, penso que não, mas também não creio que se pense muito a respeito do efeito educativo da mesma, já que sou testemunha de bocas ilustríssimas de onde saiu esta preciosidade popular. Na realidade até eu, sempre estive virada na porra com a política brasileira. Esta tem sido também a minha retórica, consciente de que de nada adiantou ou adiantará meus agravos em relação a ela, pois sou povo e este só serve mesmo é para votar. Enquanto, eu e você estamos “virados na porra”, eles, o…

REVENDO OPINIÕES

Não há nada que mais me empolgue que apreciar alguém defendendo suas ideias e seus ideais, mesmo que a céu aberto eu seja contrária, por esta razão, geralmente, não entro em polêmicas e me reservo em respeito aos contrários. Mas além disso, sinto-me emocionada, quando tenho o prazer de constatar um alguém reconhecendo seus erros de avaliação e assumindo suas responsabilidades em relação aos demais, levando-me a um enorme sentimento de respeito e redobramento de meus créditos em relação à raça humana. Acredito que estas especiais criaturas, são tão somente, mensageiras da conscientização dos mais autênticos princípios de posturas adequadas ao bem comum e devemos dar a elas, a somatória de nossa credibilidade pessoal, extraindo aprendizado para futuras ações por nós desenvolvidas. Ouvindo as declarações do sr. Cledson Cruz no canal Itaparica Alerta, certamente as pessoas sérias e verdadeiramente desejosas em ver uma Itaparica melhor em sua estrutura física e social, irão parar para pensar …

PERDA DE TEMPO

Não há nada mais inútil do que ouvir os vereadores mostrando as falhas e inoperâncias da gestão de Itaparica, uma vez que jamais tomam uma postura para reverterem a situação. E se acham errado e nada fazem, são cumplices através da omissão. Enquanto isso, o tempo vai passando e tudo continua como dantes no quartel de Abrantes. Nas redes sociais, a mesma peleja de difamar, acusar e lamentar sem que haja, qualquer manifestação maior de agravo a todas as mazelas históricas que pelo andar da carruagem continuarão históricas. Enquanto isso, tudo parece estar encantado para os do andar de cima, pois não alteram sequer o ritmo de suas passadas, indo e vindo, fazendo e acontecendo como sempre ocorreu nos reinos da carochinha, enquanto a plebe sofrida, rasteja e chora sem qualquer maior esperança, a não ser, ter que esperar pela boa vontade e o devido tempo do Rei e sua corte, que jamais coincide com a do povo. Se falta de operacionalidade e aplicabilidade em obras públicas e políticas sociais, n…

O que fazer?

Olho pela janela e vejo o sol se esforçando em aparecer, rompendo as ainda fechadas nuvens, penso então, na esperança que nos move a cada instante, impulsionando-nos através de suas subsidiárias que chamamos de perspectivas e que por sua vez, alimenta o nosso ego e por aí vamos percorrendo os dias de nossas vidas, removendo os empecilhos, recriando oportunidades, sempre em busca da concretização de um objetivo, mesmo que seja o de tão somente, sobreviver nesta selva absolutamente selvagem, que o tempo e as evoluções decoram, mas não burilam a essência. Não há nada mais expressivo à comprovação desta premissa que ler, ouvir ou assistir aos noticiários diários de qualquer cidade, de qualquer país, com raríssimas exceções. Somos duros como rochas e esculpir em nós alterações de perfis, tem sido tarefa das mais árduas.

BEM LÁ ATRÁS...

O domingo, amanheceu sem chuva e eu, amanheci romanticamente saudosa dos velhos tempos, guardados lá atrás, nos benditos anos, verdadeiramente dourados, que os novos tempos não conseguiram me fazer esquecer. Saudades da infância bem curtida nas calçadas da Barão da Torre, dos amigos Paulinho e Antero, das amigas Marcia e Regina Helena, da vizinhança discreta e solidária, da elegância de Dona Norma Vidigal, do filé à lá cubana da Taberna do Barão, dos quindins da padaria Eldorado, dos assovios agudos de minha mãe, do quintal da casa da minha avó Maria, das estrelas que eu contava até dormir no terraço do prédio em que eu morava, do cheirinho de maresia do mar tão próximo, do primeiro baile no suntuoso hotel Glória, dos flertes com os alunos do Colégio militar no ônibus 416, que me levava para ao Maria Raythe, onde cursei o Normal, dos hamburguês com suco de laranja do recém inaugurado BOB’S na Visconde de Pirajá, dos sorvetes de milho verde da sorveteria do Morais e principalmente, da q…

OLÁ, BOM DIA...

Com o olhar de quem muito já foi capaz de ver, mas que também ávida quer muito mais enxergar, fixo a rosa teimosa, mas absolutamente cheirosa que resiste à brava chuva, ao vento frio e a solidão, apenas e, tão somente, no seu direito de existir, lembrando-me silenciosa que viver é uma constante batalha, entre o agora e o porvir.
Bendito outono que chega, trazendo com ele a esperança dos cantos tímidos dos pássaros que também teimosos e resistentes, tal qual as rosas e alguns frutos, insistem na resistência, recebendo o novo como bem-vindo, ajustando-os aos velhos hábitos.

Lamento tardio...

Não deves lamentar o sistema, afinal, ele jamais foi justo. Por que o seria agora? Reconhecidamente, tudo indica uma loucura de inversão de direitos e lógica em todos os níveis, o que é determinante quanto ao entendimento e aplicabilidade das obrigações. A ignorância de todos níveis leva a grande maioria à toda uma alienação, não havendo espaço para o raciocínio de qualquer natureza. A incoerência pauta falas e posturas, transformando os absurdos em fatos corriqueiros e, portanto, com uma normalidade aceita e incorporada às mentes e no cotidiano de cada cidadão, já que o convencimento advém de cima para baixo como normativa e aplicável.

INDIGNAÇÃO SILENCIOSA...

Cala-te criatura insensata, quem pensas que és, postando-te como detentora da verdade? A quem pensas que enganas com o teu discurso antecipadamente decorado, roto e enferrujado, que busca nas falsas verdades, desculpas para a tua própria improbidade? És um engodo a mais no histórico das duras realidades, salpicando de pó de ouro falso os anseios de todos, famintos e abandonados em meio as lamas da vergonha que se tornou o sistema político de nosso país, que a tudo contaminou com o limo sujo e viscoso da ganância em relação ao erário público. Recuso-me a ser mais um a aplaudir-te desgraçada criatura que, enquanto se debruça sobre as glórias das conquistas, esmaga e soterra sem qualquer piedade o que de fome morre e o que a dor esmorece. Recuso-me a olhar-te, evitando assim o mal-estar de tua maligna presença que afronta e faz doer a alma de quem, como eu, ainda é capaz de identificar a escória travestida de dourado. E neste desabafo de que tanto necessito, vomito-te na lama que preservas co…

BOM DIA!!!!

Quando, logo bem cedinho abro a janela e enxergo o quintal matizado com as cores da vida e ouço os pássaros em suas costumeiras algazarras, imediatamente penso em Deus e no quanto, sou afortunada. E aí, respiro fundo, uma, duas, muitas vezes, sorvendo os aromas tão peculiares a esta minha amada Itaparica e então, volto a pensar que ser feliz, realmente não é privilégio e sim dever, frente a tantas maravilhas. Rogo ao universo divino inspirações para o dia de hoje, para que possamos ser os poetas e pintores dos nossos instantes, dando a eles, cores e brilho, afim de não esquecermos que a vida é sempre maior que o tudo mais.

Cortesia ou favoritismo?

Segundo Aurélio, cortesia significa; amabilidade, gentileza e civilidade, enquanto favoritismo é o mesmo que dar preferência a um favorito. Portanto, é adequado que tenhamos a sensibilidade em distingui-las, mesmo em meio a severas regras, utilizando a tão necessária cortesia no falar e no agir, evitando assim, a prática primária da descortesia, que geralmente, pode vir a criar inúmeros constrangimentos absolutamente, desnecessários. Fica a dica para a nova farmacêutica do CAF, até porquê, o princípio básico de quem chega a um novo emprego e ainda mais temporário é a do reconhecimento espacial e social. Portanto, há um velho ditado popular que diz: “Em rio que tem piranha, jacaré nada de costas. ” Afinal, nunca saberemos com precisão, quando vamos precisar da solidariedade do desconhecido, não é mesmo? Bendita cortesia, hoje tão confundida e menosprezada. Maldita arrogância, prima irmã de infinitas mazelas.

Muito além...

Falar de amor não é nada fácil como a maioria pensa e afirma. Falar de amor requer subsídios íntimos desta realidade, não bastando ser letrado, já que o convencimento das palavras advém das vibrações individuais e são elas que serão capazes de surtirem algum efeito nos olhos que as lerem ou nos ouvidos que as ouvirem. Falar de amor com o convencimento ao ponto de produzir alterações nas mentes dos demais em suas friezas advindas dos sofrimentos existenciais, requer sensibilidade energética cósmica que ultrapassa os limites de letras e frases. Falar de amor é o mesmo que mostrar o perfil da libertação em todos os sentidos, mesmo que pernas e braços estejam amarrados e paredes e grades existam como aprisionamento do corpo. Uma mente amorosa é antes de tudo uma mente liberta da pequenez de qualquer natureza. Ela ama e ama e o universo lhe devolve em bênçãos fundamentais no transcorrer de sua existência de forma plena, já que todas as suas benditas vibrações lhe retornam, dando-lhe absoluta …

JOIA RARA

Sorrindo, foi assim o meu amanhecer de hoje, tão logo, as cinco e vinte da manhã, vi e ouvi no Hora Um da Globo a retrospectiva da vida de Dona IVONE LARA, sambista que falecera aos 97 anos, no Rio de Janeiro. De repente, percebi que estava sorrindo e entendi, de forma definitiva, que para alguém que fez de sua vida um produzir constante de alegrias, não cabem lamentos na despedida. Apenas, um vai com Deus, um sorriso e nada mais, afinal, são seres iluminados que transformaram suas falhas, dores e decepções em constantes exercícios de vida e liberdade, produzindo incessantemente alegria. Considerada a grande dama do samba, primeira a romper o preconceito das escolas em não ter em seus grupos de compositores uma mulher, Dona Ivone Lara produziu pérolas da MPB; ela também, até se aposentar em 1977, exerceu a função de Assistente Social e enfermeira especialista em terapia ocupacional.Seu acervo é composto de um belo e rico legado de músicas, que começou a produzir ainda muito jovem, sob i…

REVISANDO LEIS

Costumo evitar fazer comentários sobre certos assuntos que considero distantes dos meus entendimentos e sobre a aplicação da justiça, menos ainda, mas pelo amor de Deus!!! Quando o assunto são os shows oferecidos pelo Supremo Tribunal Federal, como deixar passar batido tanto horror, travestido de argumentações pautadas nas mais elaboradas fundamentações? Assisto a todas, sorvendo dentro de minhas limitações, tudo que me é possível, todavia, em minha ignorância de apenas cidadã, só queria entender algumas coisinhas que estão me incomodando: 1-Por que mudar-se as leis em pleno processo condenatório de um réu?Isso é eticamente aceitável? 2-Deve a mais alta Corte deste país transformar-se em balança medidora de danos ao mesmo, a condenação de um réu, seja ele quem for? Onde fica a lógica da elaboração de cada lei? 3-Questionar publicamente as condenações efetuadas por Juízes e Desembargadores, não fragiliza a segurança de cada cidadão em relação ao judiciário, cabendo então o questionamento e…

LER E INTERPRETAR

Não há possibilidade de um maior e mais profundo entendimento, seja lá no que for, se não houver um mínimo de entendimento interpretativo, além de ser este desconhecimento o maior e mais sério problema nas relações humanas. Tudo que sai do físico e necessita do verbal para que seja assimilado torna-se um abismo muitas vezes intransponível, isto sem esquecer que existe a interpretação sublimada, que é aquela produzida pela dedução automática de um consciente já comprometido com uma dedução prévia. Parece complicado e na realidade o é, na medida em que, reverter esta conduta mental, não é uma tarefa das mais simples, já que ter-se-á de trabalhar todos os conceitos já estabelecidos na pessoa em questão. Daí a importância do também aprendizado da língua portuguesa através da leitura de textos, levando em conta os muitos aspectos que as palavras e sentenças podem oferecer sozinhas ou na formação da ideia narrada como um todo. As redes sociais são um espelho cruel da incapacidade das pessoas em…