Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Dezembro, 2012

REALIDADE- A minha e a sua.

Precisamos dos símbolos para que nossas mentes possam processar imagens e através delas, somos, então, capazes de formar conceitos próprios ou, simplesmente, aderir aos conceitos já estabelecidos.

Penso na realidade de cada coisa e, em como ela é variante, já que cada um de nós é capaz de enxergá-la de forma exclusiva, se bem que de um modo geral, haja um consenso perceptivo e universal.
E aí, o que é real?
A realidade é a que eu conceituo em minha mente ou a que se apresenta na formatação de um senso comum?
Ao buscar na coisa a realidade, já levo na busca a contaminação dos conceitos comuns, desta forma descaracterizando-a de uma realidade pura e simples?
Será que somos absolutamente capazes de, em algum momento, verdadeiramente enxergar, sentir ou ouvir algo de uma coisa ou de alguém sem que haja a adição comprometedora deste senso universal no qual fomos inseridos na gestação embrionária de nossas vidas, através das emoções, alimentação e da genética?
Penso nisso em todas as ocasiões em …

RARAS VEZES, MAS ACONTECE.

Hoje, amanheci um pouco diferente do costumeiro. Não olhei para o céu, por incrível que pareça, sequer ouvi os meus pássaros, apesar de saber que estavam ali, bem próximos nas suas costumeiras algazarras matinais e, tão pouco, agradeci à vida, justo por me sentir viva.

Nem mesmo a Catarina, minha filhota de vira- lata, totalmente inquieta, está sendo capaz de distrair-me com suas molecagens ao pé da mesa, onde escrevo.
Como não gosto de me sentir assim, sem graça e sem vontade de sentir algo, enveredo em meu íntimo como uma pesquisadora acadêmica, inclusive, fazendo paralelos com outros momentos já vividos, como este, e até mesmo, tentando fazer conexão com as ocasiões onde como observadora das posturas alheiras, escrevi a respeito, ao mesmo tempo atrevendo-me a sugerir fontes regeneradoras.
Pois bem, casa de ferreiro o espeto é de pau e não é diferente em relação a mim, afinal, creio ser bem mais difícil encontrar um caminho pessoal que não esbarre nas minhas próprias camuflagens, sem t…

SIMPATIA

Apenas para recordar Simpatia - é o sentimento
Que nasce num só momento,
Sincero, no coração;
São dois olhares acesos
Bem juntos, unidos, presos
Numa mágica atração.

Simpatia - são dois galhos
Banhados de bons orvalhos
Nas mangueiras do jardim;
Bem longe às vezes nascidos,
Mas que se juntam crescidos
E que se abraçam por fim.

São duas almas bem gêmeas
Que riem no mesmo riso,
Que choram nos mesmos ais;
São vozes de dois amantes,
Duas liras semelhantes,
Ou dois poemas iguais.

Simpatia - meu anjinho,
É o canto de passarinho,
É o doce aroma da flor;
São nuvens dum céu d'agosto
É o que m'inspira teu rosto...
- Simpatia - é quase amor!

Autor -Casimiro de Abreu

OS SONS DO UNIVERSO

Novamente sozinha em mais uma madrugada encalorada desta minha adorável Itaparica e nem por isso, me sinto solitária, pois como uma tenaz escrevinhadora do universo, mantenho a pretensão permanente de não estar verdadeiramente sozinha, mas ao contrário, acompanhada de uma legião de amigos energéticos que carinhosamente me cercam, assoprando em meus ouvidos ou talvez, digitando em minha mente, cada palavra que astutamente, transporto para o papel, registrando desta forma, os sons do universo que em certo dia, identifiquei, gostei e jamais deixei de querer ouvir.

Eles não tem rostos, sexo e tão pouco podem ser tocados, mas como presenças marcantes, são profundamente sentidos, fazendo de mim a cada instante, um ser absolutamente agradecido, não só, por jamais me sentir sozinha, mas principalmente, pela proteção que me oferecem, dando-me a paz de simplesmente existir.
São como armaduras que me envolvem sem pesar, sem tolher qualquer movimento que minha mente, comande ao corpo ou que, minhas…

NOVAMENTE O NATAL

E o Natal, chegou para que pudéssemos dar uma pisada no freio da correria rotineira e descansar um pouco, já que está inserido em um feriadão e logo em seguida novo descanso, poistambém a passagem do ano, dar-se-ána segunda-feira.

Pensando nisso, fatalmente me reporto a tantos outros Natais que já vivenciei, curtindo um saudosismo de coisas e de pessoas que encantaram fosse à infância ou na idade adulta, meu imaginário fértil de eterna criança.
Fecho os olhos para facilitar esta viagem que retorna no tempo, e como um pássaro futurista, do tipo, do filme Avatar que finalmente, ontem, consegui assistir e assim mesmo, não todo, decolo do momento presente e, entre nuvens, noites estreladas e dias ensolarados, transporto-me ao ontem de minha vida, revivendo cenas, passagens, enfim todos os flashes de Natais passados, que a memória aguçada se recusa a esquecer.
E de repente, após cruzar as praias de minha Ipanema querida, preparo o pouso, tendo o coração pulsando descompassadamente, pois lá em…

ORAÇÃO DE SÃO FRANCISCO DE ASSIS

A Oração da Paz, também denominada de Oração de São Francisco, é uma oração de origem anônima que costuma ser atribuída popularmente a São Francisco de Assis. Foi escrita no início do século XX, tendo aparecido inicialmente em 1912 num boletim espiritual em Paris, França.
Em 1916 foi impressa em Roma numa folha, em que num verso estava a oração e no outro verso da folha foi impressa uma estampa de São Francisco. Por esta associação e pelo fato de que o texto reflete muito bem o franciscanismo, esta oração começou a ser divulgada como se fosse de autoria do próprio santo.
No Brasil mais antiga versão conhecida desta oração é publicada em Anais da Câmara dos Deputados do Brasil em 1957.[1]
O texto original desta oração é:Belle prière à faire pendant la Messe
Seigneur, faites de moi un instrument de votre paix.Là où il y a de la haine, que je mette l’amour.Là où il y a l’offense, que je mette le pardon.Là où il y a la discorde, que je mette l’union.Là où il y a l’erreur, que je mette la v…

SÓ ENTRETENIMENTO

Hoje li no facebook que quem acessa este tipo de rede social deseja apenas se divertir e não se conscientizar. As perguntas que me vieram imediatamente à mente foram:

-Não se pode absorver ao mesmo tempo, conhecimentos e distrações?
- Para se obter momentos de relaxamento é preciso que se atropele o bom gosto e se esconda o senso de qualidade?
- Talvez para se rir, seja preciso fechar o próprio entendimento quanto às diversidades assimilativas tão necessárias ao equilíbrio pessoal?
Creio que o besteirol seja necessário para que se proceda a certo nivelamento de propósitos descompromissados com o já massacrante e hipócrita sistema em que nós nos impingimos por todo o tempo, mas daí fecharem-se os olhos para outros aspectos que são partes também das necessidades humanas, como se houvesse uma necessidade urgente e constante de fuga em uma proposital cegueira existencial, também não me parece saudável.
Levando em consideração o tempo que cada pessoa no decorrer de um dia passa acessando as r…

CLAREOU

Clareou lá fora e cá de dentro a tudo acompanho fascinada, encontrando a cada dia novos encantosna observação amorosa dos amanheceres de minha vida.

Maravilha poder celebrar este instante bendito em que como que magnetizada, desvio os olhos para encontrar este novo dia que chega abusadamente iluminado, fazendo de mim, que nada mais sou que uma minúscula partícula universal, a criatura mais gratificada pela constatação de que estou viva, podendo contemplar o esplêndido, o magnífico, o irretocável.
Penso então, enquanto observo este espetáculo da vida, no quanto já fui inerte, ignorante e pouco grata a todas as benécias que me eram oferecidas pelo universo, pelo simples fato de me encontrar viva, perdendo assim em um turbilhão de emoções inúteis, os fragmentos regeneradores que a própria vida ao ser reconhecida, oferece.
Ao despertar deste longo sono que mutila, tirando o foco de tudo que realmente interessa, fui enxergando aos poucos entre nuvens do ainda apagão, figuras belas que tomavam…

NOTA DE ESCLARECIMENTO

Por três vezes em minha modesta, mas absolutamente séria vida, senti-me invadida e violada nos meus direitos profissionais.

A primeira, ocorreu no auge da ditadura militar, onde a truculência e a arrogância, imperavam, esmagandovalores pessoais e sociais da mais alta importância para o bem estar coletivo, impedindo-me, em dado momento, por uma censura descabida e violenta, de dar continuidade ao exercício de minha profissão de cronista, que perdurou até meados dos anos 80.
Desolada e também vivamente amedrontada, parti para outras atividades, ainda dando graças ao bom Deus por não ter tido o fim de tantos outros, inclusive, que vi sucumbirem na ponta das baionetas e dos fuzis de loucos assassinos que se valiam das costas quentes de um militarismo cego, para exercer seus animalescos propósitos de se sentirem fortes.
Trinta e tantos anos depois, quando pensava que jamais experimentaria vivenciar qualquer situação parecida, mesmo que em diminuta apresentação, sou novamente questionada em me…

O SILÊNCIO DOS NEM TANTO,INOCENTES...

A desfaçatez, o favoritismo, a desconsideração pelos bens públicos e principalmente o desrespeito que estas posturas imprimem ao bem comum foram e são os responsáveis pela totalidade das mazelas que assolam o nosso país, estando a maioria delas, travestida de coisa normal, por já fazer parte do folclore de que, A VIDA É ASSIM ou o que é pior, pela submissão que a maioria do povo brasileiro, principalmente em regiões pobres como é o caso do nordeste, onde o coronelismo se apresenta em vários estágios sociais, inclusive no meio da contravenção e mesmo do crime, disfarçado de GENTE FINA, acima de qualquer suspeita.

Em meus estudos solitários, observo o quanto a educação é relegada em prol de uma manutenção dolorosa da ignorância dos direitos, da ética e do respeito cidadão, criando-se por todo o tempo a extensão da falta de conhecimentos para que as gerações permaneçam aquém de qualquer visão mais abrangente além da busca em alguns casos frenéticas, da solução imediata das própriase supos…

ATENÇÃO

Cristina Barreto AOS VEREADORES ELEITOS EM TODA BAHIA, E QUE POR VENTURA ESTEJAM DESAVISADOS, ABRAM OS OLHOS!

O Tribunal de Contas do Estado e o Ministério Público(BA) decidiram fechar o cerco ao "julgamento político" que as Câmaras municipais costumam fazer, aprovando contas de gestores que apresentaram má aplicação ou desvio do dinheiro público e, por isso mesmo, foram reprovadas pelo TCM. A partir de agora, os vereadores que insistirem no equívoco terão que explicar judicialmente a motivação do julgamento e ainda correm o risco de responder por improbidade, caso se comprove que negociaram o voto, seja por cargo, dinheiro ou outro tipo de recompensa. Pior: o resultado do julgamento das contas pelo Poder Legislativo pode ser anulado pela Justiça para que se faça um outro com critérios exclusivamente administrativos. O MP respeita a função das casas legislativas. Mas entende que existe diferença entre a aprovação de um projeto e o julgamento das contas de um prefeito. No pri…

E SE O MUNDO NÃO SE ACABAR...

Assusta-me pensar que o final de mais um ano está ali, bem próximo, faltando apenas dezessete dias.

Assusta-me também pensar que, mais uma vez, exista a previsão, sei lá de quem, de que o mundo se acabará no próximo dia 21 de dezembro e que ainda existam pessoas que possam acreditar em profecias desta ou de qualquer outra natureza, baseadas em relatos interpretativos de escritos dedutivos dos óbvios, oriundos do comportamento seja psicológico, geológico, cósmico, metafísico ou do escambal.
Assusta-me sobremaneira pensar relembrando o quanto senti medo quando ainda tinha apenas 10 aninhos por crer, apavorada, depois que ouvi que o mundo se acabaria, fazendo de meu imaginário infantil, uma cascata incessante de devaneios aterrorizantes que me roubou inúmeras noites de sono tranquilo e completo, transformando muitos de meus instantes infantis em verdadeiros contos de terror, onde o mar de ondas altas engoliria a praia, as ruas e as casas, matando a todos, inclusive a mim.
Cinquenta anos dep…

PROMESSA CUMPRIDA

Desde a madrugada, estou às voltas com a internet, buscando uma explicação junto aos grandes pensadores da humanidade como Freud, Jung, Aristóteles e tantos mais, na ânsia de poder encontrar entendimento racional para o fato inusitado de eu ter tido um sonho que me pareceu absolutamente real.

Nele, eu fazia um misto de declaração de amor e, ao mesmo tempo, buscava aninhar-me nos braços de uma pessoa querida que fez parte de um longo período da minha vida, e com a qual eu mantinha estreito e afetuoso relacionamento.
Até aí, tudo normal, pois nossa vivência, certamente ficou registrada em minhas lembranças que, naturalmente, poderiam a qualquer momento aflorarem. Entretanto, o que me fez questionar, foi o fato de eu nunca ter sonhado com esta pessoa, apesar de muito nela falar e quando o faço é sempre de forma viva, não permanecendo em minhas palavras a conotação de dor, referente à perda de sua convivência, pelo fato dela já haver morrido há mais de 20 anos.
Fecho então meus olhos e repro…