quarta-feira, 24 de junho de 2009

Coerência Existencial


É a busca do entendimento de nós mesmos em relação á nossa vida no exercício cotidiano de viver.
Este despertar é essencial na medida em que nos tornamos doutores em tudo, buscamos entendimento minuciosos e daí evolutivamente crescemos nos campos tecnológicos e científicos, artísticos e culturais de todos os tipos e fomos nos esquecendo de buscar um maior esclarecimento sobre nós, não apenas nos limitando como temos feito nos últimos 150 anos, donde nos aperfeiçoamos quanto ao entendimento de nossa matéria em detrimento de nossa mente.
Não há na história da humanidade, um volume tão expressivo de criaturas geniais e criativas como vem ocorrendo neste período.
Fomos proliferando na genialidade criativa e nos alienando quanto ao entendimento da razão de nossas existências. Daí a crescente violência interpessoal, onde não há a consciência da necessária parceria, que verdadeiramente nos mantém com vida.
Portanto, coerência existencial é o entendimento harmonioso entre o ser matéria e o ser mente, é o equilíbrio das emoções determinando posturas, saúde e qualidade de vida.

domingo, 21 de junho de 2009

Novas Perspectivas


Ao longo dos últimos quarenta anos, a família foi se transformando em suas apresentações e atribuições, deixando grande parte das responsabilidades da condução educacional postural e emocional à cargo da escola, que por sua vez, viu-se diante de um compromisso além de sua capacidade e competência, visto que não se preparou para tamanha tarefa, muito porque não havia possibilidade até mesmo pela falta de tempo de permanência do aluno no estabelecimento escolar. Estas transformações familiares não aconteceram da noite para o dia e tão pouco isoladamente, mas foi sendo recebida pela sociedade em geral irresponsavelmente, apesar de ter sido por todo o tempo, tema de variados estudos e discusões com apresentações verídicas dos efeitos desastrosos sobre a postura do corpo social.
Concomitantemente, os valores até então condutores posturais, foram sendo soterrados sem que fossem substituidos, deixando, portanto, tanto a criança quanto o adulto sem parâmetros norteadores.
Não é de se estranhar, então, o caos que se instalou nas sociedades, onde crianças e adultos trocavam de valores sem consciência, tão somente por imposição de grupos sistêmicos ou modismo, chegando ao tempo atual sem qualquer perspectiva de um caminho orientador.

EDUCAÇÃO, ALIMENTO BÁSICO HUMANO.



Às vezes, penso que não sabemos a extensão do significado das palavras que usamos. Falamos em educação e nos engessamos neste ou naquele aspecto sem a devida observância de que o têrmo educação é amplo e se apresenta disfarçado em todas as atividades em que estamos envolvidos.
A falta de reconhecimento de sua inserção ocasiona transtornos absurdos no andamento de toda e qualquer atividade,retardando, no mínimo, as iniciativas no andamento ou conclusão de toda e qualquer atividade, inclusive e principalmente a emocional, que determina as posturas das criaturas no cotidiano de suas existências.
A aplicação da educação se expressa de forma sutil, na maioria das vezes sem que haja por parte do agente provedor qualquer consciência de a estar oferecendo,inclusive dando à situação outras denominações. Até aí, tudo bem, mas fico imaginando o quanto seria proveitoso se houvesse o entendimento da imensa necessidade em sermos educados em nossas intenções nos menores atos e pensamentos de forma voluntária,afinal e absolutamente natural,sem que para isso precisássemos perder os nossos direitos sagrados em termos opiniões próprias,ambições,decepções e tudo o mais que envolve a nossa personalidade e as nossas necessidades sistêmicas e biológicas de seres sensitivos e racionais.
Podem neste instante acharem que estou falando "coisas filosóficas" sem aplicabilidade prática,no entanto,já tratamos desta necessidade por todo o tempo,oferecendo a ela outras denominações como vem ocorrendo, por exemplo, com a busca do resgate da ética,com resultados acanhados ou inexistentes pela total falta de entendimento do que é e o que representa, como aplicá-la para que seja identificada e, consequentemente,entendida,absorvida de modo que surta efeitos,no mínimo, a médio prazo.
O erro mais comum é a discussão estéril da falta de ética alheia, sem que haja por parte do criticador o conhecimento prévio de seu próprio entendimento quanto a extensão do significado do que acredita não existir no outro,fazendo suas avaliações baseado tão somente no óbvio ostensivo, que infelizmente é tão somente a consequência e tratar dela de forma superficial jamais trará benefícios de quaisquer natureza, ficando o ato apenas como uma crítica vazia com aparente conotação de seriedade, mas sem conteúdo instrutivo.
O projeto de reeducação visa, neste aspecto, resgatar a essência das necessidades individuais através do reconhecimento das afinidades sensoriais que concomitantemente à assimilação, dará à criatura em questão um esclarecimento mental intuitivo que reforçará suas atitudes mentais racionais, e estas, devidamente estruturadas, não sobrecarregarão as potencialidades emocionais,levando então a criatura a sentir-se naturalmente leve, física e emocionalmente, para as sua atividades vivênciais. Toda esta aparente parafernália de palavras, resume-se na aplicação de um reconhecimento da potencialidade individual,assim como a conscientização da criatura e do grupo no qual esta inserida através da naturalidade espontânea da valorização de sua própria vida, que se constitui de um corpo que abriga uma mente valiosíssima que precisa ser devidamente alicerçada para uma convivência interior consigo e com tudo o mais no mundo, que chamo de universo pessoal que pode ser em qualquer lugar e de várias dimensões.
Portanto,o que quero frisar é que a criatura deveria ter o direito de ser orientada quanto a sua importância como vida pulsante e participativa, e de sua responsabilidade em promover a qualidade da sua vida como meta principal, mostrando-a por todo o tempo a necessidade de que, apesar de ser completa, perfeita em sua constituição, assim dos demais à sua volta, inclusive da natureza da qual é originária e sem a qual não sobrevive, no que se exemplifica, permanentemente, com exercícios respiratórios.
Acreditamos que não existe educação completa se não houver entendimento racional e emocional da vida que reside em cada criatura, seja humana ou não. E a partir desta premissa, tudo o mais vai se adaptando a uma criatura no mínimo mais ponderada em suas avaliações, ambições e em todos os "ôes", que crê ter direito. Partimos deste ponto para formar-se uma legião de futuras criaturas bem mais éticas em suas posturas vivênciais em prazos médios de cerca de um período compreendido e correspondente ao ensino fundamental. E para tanto,ter-se-ia que preparar-se os atuais educadores que estivessem atuando junto as séries iniciais do ensino,além de reciclar-se os demais para já irem mudando suas próprias posturas, o que reconheço ser uma tarefa mais demorada e árdua. Ideal seria que os professores iniciantes em suas carreiras fossem os escolhidos para darem início a esta tarefa junto aos pequenos e que ao mesmo tempo fossem se transformando em uma espécie de monitores em suas unidades educacionais ,com o objetivo de promoverem por todo o tempo atividades reeducacionais, através de jogos, exercícios físicos, palestras, brincadeiras e tudo quanto possa vir a resgatar a auto-estima dos educadores, assim como uma maior interação entre alunos, professores e todos os profissionais envolvidos na unidade.
A conscientização da importância da unidade deve ser o ponto chave para que todos queiram estar lá em uma continuidade de seu próprio lar, que se estiver desorganizado ou falido em qualquer aspecto receberá a devida atenção por parte da direção da unidade educacional,daí a necessidade da inserção das demais secretarias em um trabalho conjunto e integrado sem tantas dispersões de objetivos.
A família e a comunidade de uma unidade educacional, precisam ser estimuladas a interagir de forma concreta e sistemática, o que despertará mesmo que lentamente o senso espontâneo participativo, porque haverá o exemplo dos envolvidos, a começar pela gestão como indução sublimada, o que reflete mais resultados positivos que qualquer explicidade impositiva.
Para exemplificar parte do que estou afirmando,citarei a ação promovida na manhã do dia 20/06/009, na comunidade de Baiacú, pela secretaria da saúde com a finalidade de atrair a população à vacinação de suas crianças.
Como observadora, pude constatar o esforço, dinamismo e competência do grupo profissional envolvido, assim como pude constatar também a imensa carência existente naquela localidade o que não é novidade para ninguém ,assim como também pude avaliar o quanto deixou-se de oferecer por pura falta de um todo integrativo com a participação das demais secretarias,justo por não haver um projeto agregador de intenções às práticas administrativas. A secretaria de planejamento (ou Comissão de Ações Comunitárias), deveria ser este pólo agregador que criaria fluxos de atuações integradas, que além de promoverem um atendimento à cidade e ao seu povo bem mais coerente, prático e otimizado, ainda promoveria entre os funcionários envolvidos um espírito de colaborismo participativo que estimularia cada funcionário em suas funções, fossem burocráticas ou criativas.
O que não se pode é perder-se a oportunidade em promover o alisamento emocional dos membros de uma comunidade ,através da constatação de que naquele dia, naquele momento, as atenções da gestão como um todo estavam voltadas à sua comunidade e a ela como unidade cidadã. Esta atitude é uma indução saudável a elevação da auto-estima, que por sua vez se refletirá nas posturas e conceitos avaliativos das criaturas individualmente e no, digamos, "astral" da comunidade como um todo.
Quatro anos de uma gestão pública é muito pouco tempo para a realização de mudanças radicais, mas é tempo suficiente para se começar e se alicerçar novos conceitos de educação emocional cívica que, automaticamente,interfere alterando posturas conceituais sistêmicas, que por sua vez oferece resultados surpreendentes em todas as áreas envolvidas, inclusive eleitorais, partindo do princípio básico que existe dentro de cada criatura humana o desejo, mesmo que não inconsciente, de viver com dignidade existencial.
Comissão de ações comunitárias composta de membros efetivos das secretarias que trabalhariam em conjunto sobre a liderança de um membro diretor.

sexta-feira, 19 de junho de 2009

Participação


Hoje, amanheci super inspirada e dei continuidade a um projeto que venho desenvolvendo para enviar à Secretaria de Educação de Vera Cruz, Bahia, como colaboração espontânea, cujo gestor sinto engajado em um espírito de luta onde o objetivo prioritário é uma consistente melhoria, não só do ensino como das relações interpessoais entre alunos e professores.
É uma iniciativa arrojada e inédita que não está vinculada a projetos acadêmicos, muito por que não sou da área e a elaboro baseada nos resultados educacionais baixíssimos, que como um polvo gigantesco invade com seus poderosos tentáculos todos os demais setores de convivência do município.
Existe uma lógica postural que agrega família, escola, gestão e a sociedade como um todo, cujos objetivos de resultados positivos são previsíveis, em projetos de aplicação simples e objetivos, que, no entanto, se perdem frente a diversos interesses, no mínimo políticos, fazendo que não aconteçam e fortalecendo a distância entre os envolvidos.
Por esta razão, optei por começar reeducando os profissionais envolvidos, não quanto ao teor de suas disciplinas e competências, mas quanto a sua disposição enquanto ser humano já desgastado em seus núcleos de ensino, diante da aterradora impotência de não poder alterar um sistema arcaico e viciado.
Não estarei propondo nenhum mega-projeto em termos financeiros e tão pouco alguma ação que não possa ser efetuada pela já numerosa equipe de funcionários públicos. A idéia básica é a imediata integração participativa da secretaria de Educação com as secretarias da Saúde e de Desenvolvimento Social de forma mais consistente, e com a de Turismo e Cultura no foco da aplicação cultural.
Uma ação desta natureza necessita para a apresentação de resultados um período de médio e longo prazos e que certamente requererá uma disposição do gestor em implantá-la, sem, no entanto, poder prever colheita de frutos pessoais políticos. É um desafio, não resta a menor dúvida, em um país de ações e resultados imediatistas, onde o período de aplicabilidade, seja de qualquer projeto, permanece apenas pelo tempo daquela gestão, sendo jogada, normalmente, no lixo pelo gestor seguinte, em detrimento a todos os interesses de seu povo em contínuas demonstrações de desrespeito às pessoas e ao dinheiro público.
Gostaria de ressaltar que não sou partidária deste ou daquele grupo político, apenas e tão somente sou uma pesquisadora apaixonada que amo a vida e me coloco à disposição de todo aquele em que percebo e constato intenções voltadas ao bem comum.
Nas eleições passadas subi nos palanques, não porque acreditasse que poderia me eleger ou por crer estar me tornando uma política, o fiz e o farei sempre que houver uma boa causa a defender. A cidade de Itaparica, Bahia, perdeu em termos educacionais muitíssimo com a derrota da candidata Marlylda, pois se tratava de uma gestora séria, inteligente e que estava a olhos vistos resgatando a dignidade educacional e, por tabela, a dos demais setores. Como cidadã Itaparicana, lamento reconhecendo que a cegueira que a derrotou, certamente foi a motivação que me levou a adiar a conclusão de um livro que escrevo, para voltar-me a promover uma luta de amor e integração, já que os cidadãos de Vera Cruz ousaram fazer mudanças administrativas de relevante valor, assim como já afirmei anteriormente estar enxergando na figura ora empossada uma luz no túnel que brilha e me faz acreditar que vale a pena no mínimo tentar.
Nada, absolutamente nada, se desenvolve se não houver educação e respeito ao chão em que se pisa e ao povo que o habita.
Este espaço tem o objetivo de, juntos, construir e aprimorar ações que possam levar aos educadores uma maior consciência existencial, resgatando a importância de sua participação no preparo de seres humanos mais humanos e amorosos.
Colabore enviando suas idéias e sugestões.

quinta-feira, 18 de junho de 2009

REEDUCAÇÃO VIVENCIAL


"As infinitas expressabilidades de vida a que vivenciamos em um ciclo ininterrupto, são oportunidades evolutivas onde a interatividade de vida é a tônica principal."

Existem fontes inspiradoras e impulsionadoras a favorecer esta evolução e que é oferecida por cada fragmento representativo de vida, que acredito ser a memória emocional que levamos ao fenecer a matéria, e que trazemos junto a nós, somado à outras vivências a cada despertar vivencial.

Esta memória não é consciente, mas determinante quanto ao perfil que a partir daí vai sendo traçado junto ao desenvolvimento físico.

quarta-feira, 17 de junho de 2009

Vontade Voluntária


O nosso ofício maior é o ministério de nossa própria vida, resgatando através da reeducação do nosso vivenciar a nossa sensibilidade bioenergética, através do qual adentramos em nós mesmos e donde extrairemos as revelações que justificarão as nossas posturas, assim como daremos a elas consciência da vivência atual sem camuflagens, levando-as à harmonia do reconhecimento de cada instante, não como se ele fosse o último, mas certamente o único, precioso, insubstituível e irrecuperável momento de vida.