Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Maio, 2011

Luz que se faz presente...

Este texto me foi inspirado no último domingo, 29, pela amiga Marlylda Barbuda, em sua belíssima palestra, na qual ela abordou o tema "Afetividade" como forma primeira e última de qualquer tipo de relacionamento agregador, desde o material até o cidadão.
Tenho acompanhado, à certa distância, com imenso prazer o desabrochar de uma linda mulher que, diga-se de passagem, eu sempre enxerguei.
Inteligente, perspicaz, lutadora, determinada e, hoje, com o orgulho pessoal necessário para se firmar como uma grande criatura humana, esteja onde estiver, fazendo seja lá o que for, como líder.
Viver e estar permanentemente se reciclando, fazendo de sua permanência neste paraíso terreno uma glória de Deus.
Agradeço, portanto, o privilégio de ter estado presente no primeiro encontro da ACIMTI - Associação Cidadã , Moralidade e Transparênjcia de Itaparica -, fazendo questão de me tornar uma associada, não só pela qualidade de seu corpo fundador, mas, sobretudo, pelo respeito e amor que tenho po…

SOMOS, BEM MAIS ...

O fundamental é a conscientização de se estar existindo, porque, a partir daí, não será mais possível retroceder, camuflando-se esta realidade até então sequer pensada.
Perceber-se existindo é um despertar, onde se é então capaz de seguir um novo e, acreditem, surpreendente caminho, repleto de novidades, todas absolutamente pessoais, oferecendo subsídios, preenchendo os vazios, até então sentidos, para que se proceda a mais saudável das tarefas que é justo o de cuidar-se, amparar-se, lapidar-se a cada instante, para também, a cada instante, sorver a vida, não como uma interminável fonte de prazeres e satisfações lúdicas e fugazes, mas nas suas benditas alternâncias que fazem dos instantes presentes brindes à serem continuamente vivenciados.
Digo-te, então, que reconhecer a vida é o mesmo que encontrar-se com Deus, não apenas nos cultos e rezas pontuais, mas a cada ato respiratório, a cada olhar amoroso, a cada sabor degustado, a cada aroma absorvido , a cada toque bendito.

E neste exercí…

MAR

Sou rebelde, traiçoeiro


Tenho ondas, sou o mar


Me esburracho nos rochedos


Dia e noite sem parar.





Sou razinho, junto a praia


E profundo em alto mar


No entanto sou perigoso


Tanto cá como acolá.





Ao contrário do que dizem


Sou leve para carregar


Um baldinho de criança


Me leva a qualquer lugar.





Na praia, jogo o lixo


Que já despejaram em mim


É a maneira que encontrei


De pedir: Cuidem de mim!





As vezes, fico zangado


Me aborreço pra valer


Lanço alto minhas ondas


Faço, você correr





Afinal, que gente boba


Só me sujam e não me vêem


Pois matando minhas riquezas


Morrem um pouco também.


Do Livro FONTE DE VIDA - 1989 Editora arte Quintal
Minha autoria, escrito para as crianças do ensino fundamental
Noções basicas de ecologia e amor a vida.

Nada é banal

Quando se pensa que tudo já se viu, somos alertados através de novas experiências que nada, absolutamente nada, enxergamos.
Isso é viver, mantendo permanentemente os canais receptivos abertos ao novo, ao surpreendente, ao inusitado, pois tudo a cada instante se renova, mesmo às vezes, mantendo a aparência de um velho conhecido, trazendo algo extraordinário, porque, afinal, nada é banal e tudo se recicla.

Acostumados somos a descartar o corriqueiro e a somente nos empolgarmos com o excêntrico e a abraçar o sedutor, isto ocorrendo, independentemente do nosso jeito de ser e de querer, que nos deixamos fisgar, quase sempre pelo poderoso contrário, sempre pronto a nos enganar.
E na arrogância que nos é peculiar, fazemos calar os sentidos que, insistentes, mandam mensagens constantes a um consciente, já então solitário, dizendo:

- Não se deixe enganar!
Mas ele, sem seu parceiro maior, se engana, pois entre o prazer e a dúvida, prefere se acomodar, dando asas então às cobras, sempre prontas a ata…

BENDITO COTIDIANO

Quando se pensa que tudo já se viu e viveu, está-se apenas iniciando um infindável aprendizado.

Isso é fantástico, forma perfeita de se manter os canais receptores e estimuladores sempre abertos ao novo, ao inusitado, ao surpreendente, pois tudo, a cada instante, mesmo disfarçado com a aparência de velho conhecido, traz consigo, sempre, algo extraordinário, pois nada é banal e repetitivo em se tratando de vida.

Acostumamo-nos a descartar o cotidiano, deixando assim muitas vezes de enxergar o infinito no rotineiro que nos cerca, preferindo abraçar um novo, que disfarçado na aparência, pode causar muita dor.

Na arrogância que nos é peculiar, fazemos calar os sentidos, quanto às avaliações, liberando nossas almas ao abraço com o engano.

E quando isso acontece, dobramo-nos de dor e quase sempre é no cotidiano, abandonado e não sentido, que encontramos as benditas margens contentoras que nos amparam e nos fazem voltar a sorrir.

UM DIA ESPECIAL

Quem me conhece bem de pertinho, sabe que eu não sou muito chegada nestas datas marcadas pelo calendário comercial e religioso, no entanto, reconheço a necessidade que o mundo sistêmico tem de cada uma delas, mas reconhecer, não significa concordar.
Se bem que, ganhar presentes é sempre muito bom, assim como presentear a quem se gosta ou ama é muito gratificante, todavia, particularmente, prefiro fazê-lo induzida pela espontaneidade do meu querer.

Assim, todos os dias, procuro dizer a alguém que o quero muito bem, que reconheço suas qualidades, que notei o quanto de beleza ele sabe transmitir ou simplesmente digo um olá, um sorriso franco, ou faço uma brincadeira marota, apenas para que ele saiba que ele existe para mim e que se brinco é porque gosto dele e que ele não me é indiferente.
E neste meu interagir amoroso, recebo de volta, bem mais que ofereço, reconhecendo que estou sempre em dívidas com a vida em sua generosidade para comigo, presenteando-me por todo o tempo.

É, mas hoje é o …

MARAVILHADA

Em muitas ocasiões, como agora, em que me encontro sozinha entre meus livros e pensamentos, recordo, deixando meus olhos se umedecerem de emoção, determinados momentos, em que simplesmente me vi maravilhada.Então, como sempre acontece, penso imediatamente no quanto a vida tem sido generosa comigo, privilegiando-me com a sensibilidade em conseguir enxergar a beleza incomensurável que reside na natureza e que me foi constantemente ofertada, pelas circunstâncias vivenciais.Aqui mesmo, nesta pequena cidade do recôncavo baiano, sem grandes atrações além do famoso São João, diariamente, desço a ladeira de acesso a faculdade, mirando e admirando o pasto que se estende adiante, transportando-me a um certo estado de enlevo espiritual, onde me sinto parceira de invisíveis fantásticos, repleto de sons e sensações cósmicas que me induzem, por fração de minutos, crer que estou além do comum cotidiano, sem transformar o real em desagradável em uma possível fuga emocional.Nesses ins…

APENAS SENTINDO

Ao pensar em Jesus, e nestes dias ele muito foi lembrado através dos estudos que empreendi, penso no universo, enxergando-o como um todo infinito, onde meus olhos repousam e minha mente se ilumina.
Sinto-o, então, muito presente, não como um Deus, muito menos como um homem, acima de tudo como uma força, mais que uma referência, jamais como muleta.

Imagíno-o vez por outra como um mar, uma contínua nascente, uma forte tempestade, até mesmo como uma estrela entre tantas no firmamento à chamar-me atenção.
Mas quando penso nele como uma brisa à arrepiar-me o corpo, tudo em mim se ilumina e então sou transformada em artista, fico quase uma poeta, me sinto uma artesã.

E neste desfilar de emoções, agrupo letrinhas, formulo palavras, me estendendo em situações diversas, registro meus sonhos, exponho meus ais, retrato minhas lutas, refletindo meus presentes para que se tornem lembranças.
Bom dia a todos!...

SÓ A MIM...

Sigo os caminhos que se apresentam, na certeza absoluta de que me pertencem, não por determinismo cruel e aprisionador, mas pela atração natural que existe entre eu energia e minhas afinidades energéticas que permanecem neste universo, no qual me sinto inserida.
Naturalmente, os detalhes que permeiam estes mesmos caminhos não podem ser atribuídos a qualquer tipo de terceirização, ficando em qualquer instância avaliativa, tão somente às influências das passadas de ordem sistêmicas, tendo como resultado final, minhas próprias opções.

Seria mais fácil, mais humano, mais compreensível, transferir a quem quer que fosse meus desmandos e sofrimentos, minhas glórias, minhas alegrias.
Simplesmente, não devo, não posso, não preciso mais deste artifício alegórico para amenizar possíveis culpas, até mesmo por estar me sentindo feliz.

Porque eu devo, eu posso e, afinal de contas, eu quero.
E se não culpo a DEUS ou a quem mais pensar, pelas minhas dores e solidão, menos ainda, devo posso ou quero atribu…

Metamorfose Consciente‏

Os superiores caminhos que determinam os estágios pelos quais devemos trilhar, estão absolutamente ligados aos nossos históricos de escolhas.
Estas escolhas, não surgem do nada como se fossem meteoros, na realidade, são pequenos fragmentos emocionais que criamos através de nossas experiências vivenciais, nem sempre determinadas por nós mesmos por vontade voluntária.
Permitir-se vivenciar estes estágios é um outro aspecto em que terá, necessariamente, que se coadunar com as expectativas momentâneas de cada criatura, assim como também tem haver com o grau de equilíbrio emocional de cada uma.
Portanto, não é assim tão simples determinar o por quê desta ou daquela postura comportamental exercida no cotidiano particular de cada criatura humana.
Agora, a pergunta que se apresenta é:

- Pode-se alterar este histórico postural emocional em qualquer estágio em que se encontre?

Digo-te que sim, desde que haja por parte do envolvido um firmamento de propósitos que nem sempre se apresenta real e transl…