Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Agosto, 2014

O VOTO NOSSO

Pela primeira vez em décadas, sinto-me desmotivada em relação à política e seus representantes. Não que seja incapaz de encontrar um ou outro que valha a pena eu depositar algum tipo de credibilidade, mas porque, sinceramente, estou convencida de que nós cidadãos é que precisamos reavaliar nossas posturas, porque, afinal, os políticos são nossos reflexos. Fico me perguntando que tipos de políticos estamos buscando para nos representar, se perdemos todas as nossas referências conceituais de limites em nossa convivência sistêmica. Foram-se os parâmetros e o que ficou foi tão somente arremedos disto ou daquilo que dantes se não eram os ideais, pelo menos eram contentores necessários a uma convivência no mínimo menos agressiva. Naturalmente, falo em termos de maioria, pois é certo que havia uma minoria também disto ou daquilo que não se sentia amparada, mas também é sabido não existir homogenia total em absolutamente nada, daí a grandeza das diferenças, assim como também é sabido que não se…

A caminho do pódio

E foi dada a largada por todo o Brasil do grande prêmio ELEIÇÕES 2014, que contemplará no dia 05 de outubro uma gama considerável de novos  e outros contumazes representantes do povo e, enquanto isto, ficamos apreciando as performances variadas, se bem que previsíveis, já que tem faltado criatividade em relação ao aliciamento do eleitor. Para ter seu bilhete premiado, o candidato faz de tudo, repare e pense se não tenho razão, quando você constatar algum deles, tirando fotos beijando criança remelenta, se deixando abraçar pelas velhotas assanhadas, entrando nos  casebres como se este fosse o palácio do Planalto e sempre sorrindo, abraça os donos da casa, como se fossem velhos amigos, sempre dispensando o cafezinho com uma boa desculpa, temendo pelo asseio e subindo nos palanques como se eleito estivesse e prometendo muitas vezes, sandices que, naturalmente, nunca cumprirá. O forte Guerreiro, não teme a luta e numa maratona absurda, cercado de devotos fervorosos  tremulando cada qual…

ESTADO INTERESSANTE

Hoje acordei um pouquinho mais tarde e consequentemente perdi o espetáculo a cada dia inédito de um novo amanhecer, mas ainda posso aproveitar o restinho de quietude junto a alguns pássaros que, como fiéis escudeiros, aguardaram o meu despertar.
Ao longe também posso ouvir muitos outros, assim como posso sentir certo penetrante aroma de mangas.
Mangas em agosto?
Pois é... Desde ontem, sinto esta delícia, apesar de minha mangueira estar absolutamente no rigor da temporada de inverno.
Que coisa, hein!!!!
Penso então que deva vir da mangueira de algum vizinho ou quem sabe de minha memória gustativa. E por falar em memória, volto a me questionar quanto ao desinteresse que percebo em mim quando o assunto é política e as próximas eleições.
Busco na memória o meu prazer e o entusiasmo sentido em outras épocas, onde não existia qualquer sentido de enfado ou cansaço e onde a alegria me dominava e, absolutamente apática, hoje me vejo quase que indiferente ao processo, e isto tem me incomodado muitíss…

REFLETINDO

Confesso que estou triste, afinal, este tem sido um ano de perdas humanas significativas, como se o tudo que é bom e valesse a pena, decidiu nos deixar quase ao mesmo tempo, assim como perdas em outras instâncias que nos abalaram e creio que devemos fazer uma reflexão sobre os rumos que queremos dar ao nosso país, focando acima de tudo na ética e no respeito ao coletivo, valores que se encontram fragilizados.  Que as perdas se transformem em luzes de alerta para que nossos valores de cidadãos democráticos, de criaturas humanas generosas, sejam despertados, guiando-nos à escolhas mais maduras no próximo pleito eleitoral, onde a preservação dos bens públicos possam estar acima dos interesses individuais e partidários, para que possamos colocar o nosso Brasil em um patamar de nação séria, por ter um povo e políticos comprometidos com um crescimento sustentável em todos os níveis.
Que DEUS nos permita a capacidade de encontrar o nosso bendito senso de pertencimento em relação ao sagrado s…

UM CAOS SOCIAL

Às vezes, ao ouvir algumas argumentações, olho ao redor de mim mesma, apenas para constatar se estou em Itaparica ou talvez em uma outra cidade, e não me apercebi. A última foi à afirmação de que “o caos social se instalou em Itaparica”. Se não me falha o entendimento, tráfico de drogas em nosso país é uma realidade que não encontra nos governos, seja Federal ou Estadual, qualquer interesse maior que não seja uma rotineira e pouco eficaz ação repressiva, deixando todos os municípios, independentemente de seu porte, em absoluto abandono. Nunca em tempo algum, a invasão da bandidagem esteve tão violenta quanto nos últimos 10 anos, assim como, nunca as polícias estiveram tão desaparelhadas e abandonadas, justo na gestão do PT. Saindo da Segurança Pública, adentro na Saúde propriamente dita, porque jamais estivemos pior,  nossos hospitais estão totalmente sucateados, administrações estaduais completamente sem rumo e sem qualquer intenção de melhorias que não sejam através de soluções imed…

MEDITANDO

São cinco e trinta da manhã e o dia ainda parece que está dormindo.  Apenas parece, pois na realidade um novo dia já despertou há algum tempo e sei disso através do galo, dos pássaros e, se não bastassem, dos meus cães que possuem despertadores biológicos infalíveis que insistem em me tirar da cama às quatro da manhã. Não estou reclamando, de jeito nenhum, apenas relatando esta minha rotina que, na realidade, pela sua naturalidade e também com a imensa suavidade que sempre se apresentou foi determinante, sem dúvidas, por  toda a qualidade dos meus restantes de dias, mesmo aqueles em que os problemas, as dúvidas, as perdas, as frustrações se fizeram presentes. Então, sozinha com o universo, neste demorado amanhecer de sexta-feira, ouvindo a chuva insistente caindo lá fora nas folhagens, e ainda sentindo o aroma gostoso, que sempre amei de terra molhada, penso no quanto a força energética de nossos pensamentos influenciam nossas relações interpessoais, criando inclusive blindagens invisív…