sábado, 30 de julho de 2016

UMA MENTE BUSCANDO ADAPTAÇÃO


Hoje, acordei com a sensação de querer me achar neste mundo, não por me sentir triste ou insegura, apenas porque de uns tempos para cá, tenho me surpreendido com a forma com que a maioria das pessoas tem me tratado e que muito vai além da educação ou consideração e que somente hoje, ao acordar, percebi que é porque envelheci mais um pouco e não havia até então percebido, além é claro da realidade sincera dos espelhos e das limitações progressivas do meu físico.
Todavia, pelo menos para mim, uma coisa nada tem com a outra coisa e aí, a porca tem torcido o rabo, e só agora, gritou de dor.
Dor de não me sentir velha, dor por ainda fazer planos tendo a consciência da total falta de horizontes no tempo.
Dor por não me admitir literalmente acabada, somente para atender aos apelos da crueldade de um sistema que induz a criatura humana a acreditar que ao perder o apogeu de sua vitalidade, não serve para mais nada e deve ser excluída como acontece com a maioria dos animais nas selvas, numa alienação brutal em relação a imensa diferença que é justo, a capacidade de pensar, criar e se repaginar em contraponto ao fato animalesco de apenas procriar.
Dor por constatar nos olhares e atitudes alheias a negação do óbvio do próprio envelhecimento, como se a juventude para eles fosse eterna.
 E o será, enquanto durar toda a sua imensa capacidade de sonhar e ser feliz.

Que neste fim de semana meio chuvoso, haja a oportunidade de cada um se olhar no espelho reconhecendo a beleza de tão somente, existir.

sexta-feira, 22 de julho de 2016

RECONHECER O BOM, NÃO FAZ MAL A NINGUÉM


Costumo afirmar, baseada em muitos estudos referentes aos grandes pensadores deste mundo de meu DEUS, que uma cidade só atinge um grau de crescimento real e respeitável, quando seu sistema educacional se faz presente de forma abrangente e isto, só ocorre, quando os diversos universos sociais são incluídos no projeto principal de restauração e instalação de objetivos progressistas, afinal, o sistema educacional não está restringido às salas de aulas e tão pouco às crianças e adolescentes.
Pensar na qualidade de vida dos cidadãos em seus diversos estágios cronológicos, de saúde, mobilidade e financeiros, proporcionando meios capazes de ampará-los em suas mais básicas necessidades é que ao longo de uma gestão, a justifica, tornando-a eficaz para os cidadãos.
Um pouco de reconhecimento, não faz mal a ninguém e estimula a continuidade das ações que envolvem os políticos de nossa cidade, na esperança de se mudar velhas e corroídas posturas do toma lá, dá cá e da usurpação dos privilégios públicos sem maiores contrapartidas que sejam benéficas à todos, já que um povo educado e saudável, evita o aumento constante da violência, dos preconceitos e da insatisfação social que são os detonadores básicos das mazelas sociais.
A negação às grandes iniciativas que geralmente são simples na sua apresentação e desprovidas de glamour, pode se expressar de inúmeras formas, impedindo assim, o crescimento e o aperfeiçoamento da grandeza já existente das pessoas, que compõem a célula viva e dinâmica da cidade.
Pense nisso, antes de negar o óbvio que beneficia à tantos, como as melhorias nos atendimentos diretos aos nossos doentes e idosos, assim como as inúmeras pessoas que de uma forma ou de outra foram enxergadas e beneficiadas, com praças, ladeiras e escadarias, colchões e cestas básicas, benefícios e até mesmo caixão, pensemos nisto, você e eu que não necessitamos, graças a Deus e sejamos justos, num primeiro passo real de crescimento pessoal e, então, votemos em quem quisermos, mas com absoluta consciência ética e estética de que não somos os mesmos de sempre, viciados a cegueira eleitoral.


sábado, 9 de julho de 2016

DE QUATRO EM QUATRO ANOS


Há quem esteja afirmando que certos políticos só apareçam de 4 em 4 anos o que é uma indiscutível verdade, principalmente em se tratando de candidatos ao executivo.
Todavia, a aparente verdade de tanto ser repetida de forma generalizada, assim como somado ao fato real de que estamos vivendo em nosso país uma sucessão de episódios depreciativos em relação aos políticos, leva-nos a acreditar que tudo e todos estejam dentro de um mesmo balaio, e isto, não é honesto, porque não é verdade, tornando-se injusta esta afirmação, mesmo que seja apresentada de forma humorística, mas absolutamente perigosa, pois trata-se de uma disfarçada indução.
Melhor seria entender suas posturas, levando-se em conta de que entre uma campanha e outra, todos precisam trabalhar para sobreviver, sejam empregados ou patrões.
Alguns aparecendo mais por trabalharem junto à atual gestão, outros no entanto, buscam seus ganhos em outros municípios, não tirando deles, qualquer mérito pessoal.
Também existe um ranço que vem se estruturando Brasil a fora de forma quase cruel e  sistêmica de que todo rico é FDP e que, explora os demais e no caso específico de um dos nossos candidatos, o fato de não se utilizar do populismo, por ser um homem que estruturou sua jornada de vida, apenas com trabalho individual, sem estar atrelado ou feito carreira política e por ter a natureza tímida, não usou entre uma campanha e outra, o sorriso fácil do politicamente correto que aí sim, pode nos enganar, pois na maioria das vezes , somos seduzidos por uma imagem não tão autêntica, que só se mostra real, caso venha a ser eleito.
Reafirmo através de meus comentários e postagens como esta, o meu apoio de cidadã itaparicana ao senhor, Zezinho da Politur e a Sra. Michele Marque, não porque, sou participante do grupo (não sou), não porque sejamos amigos íntimos, (não somos), não porque estou sendo paga ou receba algum benefício extraordinário,( não recebo), apenas porque ao longo de anos, com um mais do que com o outro, me dei ao trabalho de prestar atenção em suas condutas pessoais e profissionais, o que não desmerece os demais candidatos, somente a meu ver, representam o ideal para me representar.
Portanto, espero merecer das pessoas a devida compreensão pelas minhas avaliações e em expressar minha preferência política, num direito absolutamente constitucional, sem jogos, cobranças ou interesses de quaisquer outra natureza, além de retribuir com a mais sincera de minhas proposições, à cidade e ao povo que, generosamente, não só acolheu a mim e a minha família, como a cada amanhecer, nos oferece tudo de bom.

Um beijo no coração de todos sem qualquer rejeição partidária, desejando um final de semana de muitas alegrias.