Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Outubro, 2012

O DEUS DA MINHA VIDA

Pois é... Mais uma semana de trabalho chegou ao fim em um sábado ensolarado e novamente toda a minha natureza se encontra absolutamente em paz.

Venho percebendo que ao invés de estar esgotada, física e mentalmente, o que seria natural, até mesmo porque já não sou nenhuma mocinha, cuja vitalidade se renova a cada instante, e, então, só posso creditar esse quase espantoso estado de bem estar e vitalidade ao fato concreto de que estou fazendo o que gosto e além disso estar recebendo deste trabalho vibrações espetaculares por serem estimuladoras e restauradoras ao longo de 12 horas diretas e infindáveis outras indiretas que dedico sem praticamente calar-me ou deixar de pensar e produzir, pois faço quase tudo sozinha ao longo da semana em um minúscula sala sem luz natural e tendo como ventilação um ar condicionado que por toda a minha vida me foi insuportável, inclusive, provocando-me atéa pouco tempo, tosses intermitentes. Causa-me, às vezes, espanto quando analiso a situação, pois tudo é …

OS Porquês que nos assolam...

É preciso que estejamos sempre preparados para o discernimento, que afinal, deveria fazer parte de nossa própria naturalidade de ser e de pensar a respeito de qualquer coisa. No entanto, agimos no nosso dia a dia baseados única e exclusivamente através dos reflexos condicionados de posturas adaptadas as nossas mais básicas necessidades, refazendo periodicamente a moldagem de acordo com as mudanças sistêmicas, o que vem ocorrendo muito amiúde nos últimos 50 anos, não nos dando espaço para qualquer reflexão e tornando-nos meros repetidores, inclusive nas posturas mentais que quando extrapolam em suas costumeiras formas doentias, são imediatamente enquadradas como patologias psicológicas, onde muitas são as possíveis causas apresentadas, mas que dificilmente são acompanhadas de meios eficazes de cura, deixando a todos nós, meros mortais, nas mãos dos laboratórios e de suas maravilhosas fórmulas que se não curam, e é certo que não, pelo menos nos condiciona a conviver com as nossas esquis…

SOSSEGO, NUNCA MAIS...

Você parece não se importar, eu pareço não me importar, e até parece que o mundo inteiro, também, não tem se importado com a crescente violência que vem assolando as realidades humanas e que já não pode ser considerada como apenas urbana, resultado dos bolsões de miséria ou do tráfico de drogas, pois, afinal, ela está em todos os lugares como uma epidemia, praticamente aos olhos de pessoas comuns, como você e eu, impossível de ser debelada.

Isso não é real, todos nós estamos mais que preocupados, como independentemente de nossa vontade consciente, estamos deixando aparecer nos nossos comportamentos cotidianos, e pior, na nossa saúde física e mental, toda esta pressão silenciosa que tem feito de nós criaturinhas reféns do medo e da incerteza em nosso ir e vir diário, inclusive, tirando-nos o direito de nos sentir seguros em nossa própria casa, único local onde após um dia de trabalho ou estudos deveríamos poder relaxar.
Aparentemente, estamos alheios, como se nada tivéssemos com tudo que…

ÍNFIMA PARTÍCULA

Dentre as razões mais sabidas que levam a raça humana a constantes enfrentamentos, a mais comum certamente é a sua incapacidade de sentir-se como um ser participante de um todo que é, por si só, bem mais poderoso em sua complexidade diversificada que tão somente uma ínfima partícula que se caracteriza em forma de ser humano.

Não há compreensão sequer da imensa necessidade em partilharem o mesmo espaço sem que haja uma noção de limites, ficando o homem por todo o tempo, duelando e crendo ser capaz de domar o universo, como se dele fosse ou representasse um poder maior.
Aparentemente, este poder existe e se constitui em obras e projetos monumentais, cujas consequências desastrosas aparecem em forma de movimentos que o humano chama de fenômenos naturais, mas que poderiam também ser chamados de movimentos sísmicos do globo terrestre em uma nova e constante adaptabilidade.
E se o universo, não é capaz de suportar sem reações os constantes e irresponsáveis ataques, por que então, crer-se em um…

ESQUISITA... TALVEZ.

Dentre todas as atribuições que as circunstâncias, ou a minha plena vontade, determinaram, certamente, o ficar sozinha, apenas com os meus pássaros, minhas plantas com suas preciosas energias e, é claro, meus benditos pensares, foram as minhas preferidas atividades.

Quando garota, e mesmo adolescente, fui alvo de gozações familiares e estranhamentos por parte de alguns vizinhos e mesmo coleguinhas que não compreendiam como eu, saudável, repleta de energias, em dado momento do dia, isolava-me, buscando no silêncio, minha preciosa distração e quando, finalmente, comecei a escrever e a colocar em palavras as delícias de meus momentos, bem... aí, verdadeiramente, arranquei enormes críticas, pois tias e primos e até mesmo minha mãe, viam em meu comportamento um enorme perigo eminente, pois, afinal, eu estava ficando, a cada dia, mais e mais parecida com tia Hilda, e parecer-se com ela, no início dos anos sessenta, era o mesmo que colocar-me no patamar das mulheres livres, que a sociedade, m…

UMA PELAS OUTRAS

Estou aqui relembrando que na eleição de 2008, tentei fazer minhas companheiras de lutas entenderem que deveríamos uma apoiar a outra para que pelo menos uma ou duas ficassem fortes. Não acreditaram nas minhas argumentações e, então, perdemos todas.

Na realidade, apesar de pouco conhecer das movimentações políticas, sabia que a lógica sempre tem o seu lugar garantido, portanto, se escolhêssemos uma ou duas e nelas concentrássemos nossos esforços, teríamos mais chances de adentrar na Casa da Cidadania para, finalmente, podermos romper este histórico comportamento cultural de não elegermos mulher.
Nesta eleição, acompanhando, mesmo à distância, o forte trabalho da coligação da prof. Marlylda, acreditei que tivessem, enfim, acordado para a necessidade de não pulverizar os votos e que concentrariam esforços em uma ou duas candidatas, tendo inclusive o apoio direto da candidata que teria seus propósitos acordados com o seu grupo que convenhamos era coeso e apaixonado e, portanto, certamente …

Deus tarda, mas não falta!

Esta frase consoladora, se bem observada, leva-nos a pensar no quanto Deus com seus costumeiros atrasos é capaz de deixar populações inteiras absolutamente abandonadas à própria sorte, enquanto uma reduzida parcela da raça humana esbalda-se.
Leva-nos também a refletir no quanto de refrãos imaginários somos capazes de repetir sem que haja qualquer correlação com a realidade presente, além de servirem única e exclusivamente como muletas vivenciais, onde verdadeiramente não reside qualquer conteúdo, seja regenerador ou educador que nos direcione a uma caminhada existencial mais lúcida e coerente com a grandiosidade da vida.
Penso então que é exatamente neste ponto que nós criaturinhas humanas nos atemos, pois quem, afinal, deseja qualquer relação mais íntima com a realidade?
Buscamos o lúdico, o que transcende com insistência em nosso cotidiano, exatamente porque somos, na maioria das vezes, incapazes de aceitar nossas realidades, fazendo então do etéreo, nosso amparo existencial.
Do ilógic…

E O DEPOIS DE AMANHÃ, TAMBÉM...

O amanhã está chegando e eu aqui, sozinha com os meus pensamentos, imagino, por exemplo, a maravilha que seria se eu pudesse estar ao mesmo tempo em todos os comícios, em todas as carreatas, em todas as caminhadas e junto comigo uma enorme galera, todos do bem, todos saudáveis, buscando e formando uma divina parceria entre o amor e a devoção, entre o trabalho e a honestidade, entre a amizade e o respeito.

O amanhã está chegando e o depois de amanhã também...
Pensem nisto, antes de denegrir os atos e a vida dos seus adversários.
Pensem nisto, antes de emporcalhar com sua inconsciência, o valor que deve existir entre as pessoas que vivem em um local tão pequeno, com ruas tão limitadas, com praças tão reduzidas.
Pensem nisto, sem se esquecerem do caos que existe lá fora e que você com sua ambição, inconsequência e falta de limites, insiste em trazer para dentro desta Itaparica ainda tão encantada, reconhecendo que mesmo tendo razão, certamente, este não é o caminho para se alterar esta ou q…

RETA FINAL

A caminhada democrática está chegando ao fim, e ainda bem, pois os ânimos já estão ficando exacerbados e o risco de se manchar tudo com atitudes no mínimo feias é enorme.
A febre de se chegar ao poder domina os candidatos e contagia seus correligionários, que por sua vez, passam a exercer posturas altamente condenáveis, como se o vale-tudo houvesse sido liberado, e nada pudesse detê-los.
Que coisa, heim!...
Pessoas tradicionalmente honestas e defensoras do “bem comum”, da noite para o dia se transvestem de uma aura divina e, quase que imediatamente, se sentem e conseguem que muitos outros assim os enxerguem.
Deixam de serem humanos e se tornam valentes guerreiros, empunhando espadas libertadoras em um populismo perigoso que cega e paralisa o raciocínio, transformando pessoas em soldados comandados, reescrevendo posturas que empanam a razão.
E aí, do cantinho solitário de minhas reflexões, percebo que nada mudou, que tudo permanece exatamente como sempre foi, sem surpresas e sem glamour, tã…