terça-feira, 30 de maio de 2017

APENAS PENSANDO




A busca da perfeição reside na capacidade de cada ser humano dotado de mente e sensibilidade, reconhecer suas falhas, agradecer pelas virtudes e com este manancial de bênçãos, servir aos demais com carinho e respeito, tentando compreender suas próprias lutas quanto ao seu aperfeiçoamento pessoal. Não há o certo e o errado como tônica definitiva e a perfeição consiste tão somente num exercício diário, como um ministério de reparações e gratidões cotidianas. E a verdade é tão relativa quanto a consciência de quem a julga.

sábado, 27 de maio de 2017

CHOVE LÁ FORA


A noite está chegando devagarinho, reforçando o frio gostoso que dominou por todo o dia deste sábado de outono e eu, particularmente adoro, pois me lembro dos muitos invernos que vivi nas Minas Gerais.
Dos muitos caldos verdes, dos chocolates quentes e das pipocas diante dos filmes que alugávamos nas locadoras. Parece que foi ontem, mas lá se vão quinze anos.
Também nos dias frios, aproveitei para estudar e pensar e acabei viciada nas análises dos comportamentos humanos, fontes contínuas de inspirações, fazendo de mim, uma contumaz observadora que se dinheiro não me rendeu, pelo menos me ofereceu parâmetros de profundos aprendizados.
E aí, para não perder o hábito, fico pensando na incoerência dos comportamentos humanos que sempre me surpreendem, pois, abusada, permeia as atitudes minhas e de todos que já conheci in loco ou através das literaturas, filmes e de uns anos para cá de forma diárias nas redes sociais.
São tão óbvias que chegam a assustar...
Tão visivelmente alimentadas pela vaidade...
Tão contagiosamente viciantes que se tornam difíceis de serem evitadas.
Todavia, o pior é que se torna embrutecedora, pois contamina a autocrítica com o véu sutil da negação da realidade, criando uma humanidade esquizofrênica que enxerga apenas o que lhe convém, numa fantasiosa encenação de realidade sob os aplausos de outros tantos no mesmo estágio de alienação existencial.
E entre um arrepio e outro, sinto até um pouquinho de medo, afinal, se enxergo a hipocrisia fantasiada de ostentação ou é porque estou louca ou com uma profunda inveja por não conseguir vivenciar os meus dias cercada do brilho da estupidez humana de se sentir uma merda coberta do ouro dos tolos.
Não tem sido fácil este mergulho nas aguas profundas de mim mesma, pois comigo como companheira inseparável, vai também o meu cotidiano, insistente em seus vícios e mazelas.
E quanto mais do fundo me aproximo, mais repugnância vou sentindo das falsas aguas claras com as quais convivi por todos esses longos anos, quando a verdadeira luz só seria possível de encontrar nas profundezas ricas e fartas de meu interior.
E quanto mais fundo, mais luz vou encontrando, numa apaixonante incoerência que tal como a outra, vicia, mas pelo menos, liberta.

Chove lá fora e faz frio também, mas mesmo sem chocolate, caldo verde ou cobertor, me sinto aquecida por dentro.

sexta-feira, 26 de maio de 2017

BOM DIA


Lindo, fantástico, espetáculo sem igual.

São poemas escritos no silêncio desta natureza bendita, versos que falam, através de movimentos que nos ensinam e que nos inspiram como mestres reais desta infinita escultura viva, que se atento estivermos, conseguimos lê-los, tornando-nos seres mais plenos, mais lúcidos e, com certeza, mais felizes.


quinta-feira, 25 de maio de 2017

OUTONO BENDITO


 A chuva deu um tempo nesta manhã e as amoras maduras, despontaram para o meu encantamento pessoal.
Neste instante, saboreio agradecendo à vida e a este bendito solo que tudo faz para me agradar.
E aí, reclamar de quê?
Querer mais o quê?
 Generosa a natureza abastece, minha alma, meu paladar, meus olhos e meu tato, fazendo com que eu me sinta completa e agradecida, pois sei que o tudo mais que o sistema pode me oferecer, virá naturalmente, sem que eu precise correr e me desesperar para tê-lo no meu tempo, contrariando o tempo certo às minhas reais necessidades.
Então, enquanto escrevo, lá fora, o tempo muda e a chuva volta a cair. É a natureza irrigando a seu tempo, meu adorável jardim e todas as benditas bênçãos que diariamente ele se esforça em me oferecer.
Hoje foram as amoras, dias passados, foram as flores e certamente, em breve, novas surpresas surgirão, mantendo-me fiel no aguardo destes brindes que a vida generosamente me oferece a cada amanhecer.

O outono pode ser surpreendente, se atento estivermos.

segunda-feira, 22 de maio de 2017

BOM DIA

                     
Afinal, não podemos mudar o mundo com uma vara de condão, mas certamente em passes de mágica, contínuos e serenos, fazemos verdadeiros milagres com o despertar de nossos sentimentos amorosos em relação aos demais, sejam humanos ou não, nas vivências de nossas existências.
Portanto, creio que só nos tornamos o maior milagre da vida, quando somos capazes de enxergar a vida em outro alguém.
Simples, assim...


sábado, 20 de maio de 2017

FELIPE BRITO

             
Eu, Roberto e tenho certeza que todos os seus amigos, ficaram muito orgulhosos ao ver você com tanta dignidade explanar na tela da TV Bahia, as riquezas culturais de nossa amada Ilha de Itaparica.
Sua desenvoltura e conhecimento é resultado de pesquisas contínuas e apaixonadas pelas entranhas desta terra bendita, assim como sua humildade em aprender o que fez de você, um jovem observador que deixa fluir seu talento pelo belo e precioso.
Que Deus o acompanhe, abrindo os seus caminhos de vida e liberdade, oferecendo a nossa terra e a seu povo, sabedoria de quem busca aprender para em seguida ensinar.
Um beijo no seu coração inquieto e corajoso.      

.

REFLETINDO

Somos incapazes de mergulhar em nossas profundezas na busca do conhecimento de nós mesmos, onde certamente encontraríamos todas as respostas, todos os amparos, todas as margens que certamente guiam o caminho, sem que exista qualquer possibilidade de haver trilhas alternativas, cujos desvios são exatamente o distanciamento entre nós e a essência de nós mesmos.

quinta-feira, 18 de maio de 2017

BOM DIA

No instante em que a criatura humana percebe que o sol, a lua, os oceanos, os ventos, desertos e o tudo mais está para ela, tanto quanto ela está para a vida como um todo bendito, os porquês deixam de existir para dar lugar ao “TUDO BEM”

Que nesta quinta-feira chuvosa, exista calor nos nossos corações.

quarta-feira, 17 de maio de 2017

INEVITÁVEL


Tudo permanece como sempre foi, portanto, não cabe espanto já que a criatura humana continua a incorrer nos mesmos desvios de personalidade ou, tão somente, sua própria natureza de animal existencial.
O fato de ser dotado desta ou daquela atribuição física e mental só oferece a ele a condição de raciocínio e lógica quanto a conveniência de sua apresentação, o que em nada tem a haver com seu entendimento real de bem ou mal, moral e ética, criadas por ele mesmo, mas que se adequa aos sistemas e não necessariamente à originalidade de sua natureza.
A natureza é rude e bruta, nem sempre capaz de absorver o aliciamento pelos “bons costumes” vivenciais.
Exemplo é que no limiar de qualquer perigo eminente, aflora de forma instantânea a natureza em sua originalidade, e esta, toma posse das emoções.
Não te surpreendas e tão pouco tente compreender, afinal, por toda a história da humanidade, este fato se comprova através dos pensadores das mais diferentes correntes filosóficas.
Apenas aceite e continue se esforçando quanto a convivência, pois esta é inevitável.
A selva está presente e a savana se apresenta variada.
Lobos e homens numa contínua selva que chamam de sistema onde se misturam e se tornam iguais.

sábado, 13 de maio de 2017

AS GRANDES CHANCES


Os anos passam e, se não nos atermos a eles, serão como brisas leves ou ventos fortes que o presente jamais será capaz de reproduzir.
E passam tão rapidamente que, em dado momento, ficamos a nos perguntar se fomos nós mesmos que os vivemos, pois mais nos parecem histórias, algo bem próximo à uma ficção.
Se forçarmos as lembranças, traremos à luz da razão pequenos breves instantâneos, sejam de gratas alegrias ou de dolorosos sofrimentos, ficando todos os entornos supridos pela mente selecionadora.
E aí, pensando nisto, lembro dos muitos tempos dedicados e energias empregadas nos insistentes “todavia e porém”, sempre presentes em meus tempos e escolhas, levando-me, “contudo”, a reconhecer que se não os tivesse utilizado, talvez hoje, precisamente neste instante, não estaria assim tão sagazmente abastecida para reconhecer que os “entretantos” levaram-me à benditas conclusões, fatos esquecidos, mas que esculpiram a pessoa em que me transformei.
Se foi certo ou se foi errado, sinceramente não sei, tudo, no “entanto”, que posso afirmar é que foram grandes chances que não deixei passar batido e que me ajudaram bastante em todo o meu aprendizado.


quinta-feira, 11 de maio de 2017

AGRADECIMENTO


Venho através deste reconhecimento público, agradecer ao vereador “Paulinho de Manguinhos”, as palavras proferidas a favor do meu direito, enquanto profissional da comunicação, de expressar meus comentários a respeito de minha visão profissional sobre qualquer assunto, estando à frente do SHOW DA MANHÃ da Rádio Tupinambá FM 87.9, nesta manhã de quinta-feira, por ocasião da Sessão da Câmara.
Atenciosamente,
                                    Regina Carvalho


É isso aí!


Busquei e encontrei este lar acolhedor que posso ser para mim mesma. Senhora geradora das emoções que me convém, pelo menos na maior parte do meu existir, sem qualquer preocupação em parecer o que não sou, oferecer o que não tenho e muito menos receber o que não me é afim.

ELES BEM SABEM O QUE FALAM


No final dos anos 70, em plena ditadura militar, por conta da Semana Santa que se aproximava, escrevi numa edição do extinto Jornal de Minas, em Belo Horizonte, uma crônica com o título ”OS ABUTRES TAMBÉM CHORAM”.
Este meu escrito custou-me cinco longos anos de ostracismo, onde não pude exercer a minha profissão, o que me direcionou a outra atividade, pois precisava trabalhar para viver.
Foram anos de muita tristeza por estar afastada, pela arrogância, de minhas amadas atividades, mas nem por um segundo sequer arrependi-me, pois estava consciente das minhas convicções, fortalecendo com a dor da injustiça, meu sentido maior de ética e respeito ao meu direito de opinar e de registrar minha visão sobre o que, na época, já entendera ser uma política rasteira e pouco voltada aos interesses do povo.
Trinta e poucos anos se passaram e, novamente à mercê do autoritarismo, me vejo sendo chantageada publicamente, a fim de me constranger e me fazer capitular nas minhas visões de bem comum e no meu direito profissional de livre expressão e opinião, assegurados pela Constituição Nacional.
Em minha crônica de anos passados, conclui, escrevendo:
- “SENHOR PERDOAI-OS, PORQUE NÃO SABEM O QUE FAZEM”.
Hoje, depois de tantos anos e aprendizados sobre políticos, concluo, tão somente afirmando:
- “SENHOR, PORQUE TANTO HORROR PERANTE OS CÉUS? ”

Usar o plenário para legislar em causa própria é no mínimo uma falta de respeito e ética ao local direcionado aos interesses do povo, além do desperdício do erário público.

terça-feira, 9 de maio de 2017

PENSAMENTO DA TARDE


 Não há histórico de vida que se mantenha ativo, se houver uma mente desejosa e determinada a fazer mudanças.


INSISTENTE SOL


O sol insistente bate nas portas, janelas e vidas, querendo ficar desejando se estabelecer, muitas vezes, abrindo apertados espaços, onde nuvens expeças, insistem em permanecer.

O que mais falta para deixa-lo adentrar, secando os vales de lágrimas sombrias, fazendo germinar antigos sonhos, sufocados ideais?

domingo, 7 de maio de 2017

O UNIVERSO SOU EU...


Já faz um tempinho que assim como de repente, lá estava eu numa maca fria de uma sala cirúrgica sem qualquer perspectiva, crendo estar indo a caminho do fim.
Estranhamente, volto a recordar que já não mais sentia medo, apenas um enorme frio que fazia doer os ossos da coluna e que congelara os lábios.
Olhava fixo para o teto, talvez buscando o sol através do grosso concreto, talvez, buscando um céu inspirador de tantos escritos.
Naquele instante, nada mais importava, nem mesmo eu, pois nada me era possível pensar.
De lá para cá, não faço outra coisa, além de me reeducar.
Exercitando a gratidão por ter voltado a vida.
Gratidão no sentido literal de não me permitir perder mais um segundo sequer, levantando bandeiras nas constantes batalhas, mas ainda assim, com tantos aprendizados, me vejo vez por outra no pódio do sistema, ensaiando o hasteamento.
Que se danem os mentirosos, os safados e encrenqueiros.

Que se danem os chulos que alimentam a fome.
Que se danem os tolos que do expurgo se saciam.
Que se dane a Dona Regina com seus sonhos libertários.
Quero mais é viver o tempo que me resta, enxergando e dizendo:
-Olá, para cada amanhecer.
Não é tarefa fácil, reaprender a viver, pensando no   mundo quando, sinto que o universo sou eu.
Acordei egoísta, talvez mais sábia, mas com certeza feliz.

“Para você que me lê, um domingo onde a partir de seu próprio universo, o mundo fique um pouquinho mais humanizado”.

sábado, 6 de maio de 2017

PENSAMENTO DO DIA


São muitos os caminhos que podemos escolher através das oportunidades que se anunciam, mas também infinitos são os desvios que insinuantes nos desviam, se atentos não estivermos.
Não há escolha coerente sem foco e não há conquista sem determinação.


terça-feira, 2 de maio de 2017

A DOR DA IMPOTÊNCIA


A dor no peito sugeria algo físico, inesperado e sério.
A boca seca, a falta de ar e as lágrimas compulsivas, demonstravam um repentino ataque de pânico.
A mente, disparou um filme dos últimos anos de vivência em Itaparica, mesclado com as milhares de notícias nacionais, num comparativo de outras tantas imagens que surgiam teimosas de 40, 50, 60 anos passados, assustando-me de tal forma, que pensei estar morrendo ou enlouquecendo e na realidade, passada a comoção, tudo se resumiu na conscientização de minha impotência, frente ao imponderável.
Não sou dona da verdade e tão pouco guardo no cofre a solução dos problemas sistêmicos e posturais do povo, dos formadores de opinião, das mídias e dos políticos, mas com certeza, fui ao longo da vida, aprendendo a duras penas, a reconhecer os perdedores, os vaidosos, os abusivos, os cretinos e os idiotas, tão descaradamente comuns de umas décadas para cá.
A pouca vergonha, a desfaçatez, o abuso de todas as formas, a indiferença, o individualismo e a ignorância em relação ao sistema social e político, se tornaram tão usuais que, fica quase impossível separá-los do convívio, pois são como abelhas e vespas, formigas, baratas e ratos, que se encontram em qualquer lugar.
E num instante supremo, sou levada a enxergar sem véu de disfarce, o mundo em que me encontro e, então, o corpo se dobra e a mente se ilumina com a luz da razão e a alma se põe a chorar, pois nada, absolutamente nada que eu faça, fará mudar o caos existencial que sou capaz de vislumbrar.
Respiro fundo, olho para o céu buscando o Deus no qual acredito, acredito?
Não sei mais, talvez sim, talvez não, principalmente quando penso na inutilidade de minha devoção, que se imponderada dela, nada posso fazer, além do meu metro quadrado vivencial e, tendo de assistir calada, quase que inerte, toda a devastação que a criatura humana é capaz de produzir além dos seus limites.
Dois dias se passaram, o peito já não dói, respiro normalmente e já sem os efeitos danosos de um psicológico abalado, sou capaz de perceber o quão inútil é tentar reverter uma situação, onde todos os demais se sentem confortáveis e, só você e alguns poucos mais, insistem nas mudanças.

Sistema cruel que infelizmente é o reflexo de quem o define e o mantém, produz ainda em mim, lagrimas teimosas que insistem em rolar pela minha face enrugada e cansada da longa caminhada, sem poder ver mudanças que sejam para melhorar o bem comum.

LAMÚRIAS


Rogas misericórdia e ela te é dada a cada amanhecer, sempre com novas oportunidades, portanto, és atendido por todo o tempo, mesmo em meio as tuas lamúrias, fazendo-te de coitado e infeliz.
Desperte criatura para as tuas bênçãos diárias, respires fundo e te deixes vivenciar o teu próprio cotidiano que, se te pareces difícil e talvez o seja em alguns momentos, justo quando perdes o teu precioso tempo que é tua maior riqueza, empanando todo o teu potencial criativo com intermináveis lamúrias.
Deves olhar ao teu redor e perceberás através das dores e dificuldades alheias, o quanto és beneficiado pelas energias que movem este universo.
Rogas misericórdia, quando já estão todas ao teu dispor, mas tu, lamuriento e cego, nada percebes, jogando por terra, bênçãos divinas que faltam a tantos outros.
Penses, reflitas e adianta-te, pois o universo está de braços abertos para te estreitar.

NÃO ESCREVO SOZINHA...


Quando escrevo, não estou sozinha, pois sinto que energias mais letradas, mais criativas, corroboram para que eu diante de um caderno ou computador, vá agrupando letras, formando palavras e, finalmente, desenhando em expressões os meus sentimentos, emoções ou simples observações.
Entretanto, alguns escritos vão mais além, pois descrevem com fidelidade meus instantes presentes, carregados de muitas emoções que, nem sempre, são mansas e coloridas, perfis autênticos das mais variadas sensações.
Seja de que forma se apresentem, meus ímpetos de escrevinhadora são sempre carregados de uma vontade imensa de chegar a alguém, como se em cada leitor, eu pudesse com meus escritos abraçar, trocando calores e aromas, num colóquio regado de muita verdade, de muito estreitamento de almas.
E quando deixo escoar alguma dor, confesso que estou sendo egoísta, pois ao descrevê-la, reparto-a com todos que a leem, fragmentando-a e me aliviando.
Meus escritos, são minhas terapias, caminho seguro e eficaz de não permanecer fechada em mim mesma, sobrecarregando a minha mente, desgastando os meus sentimentos, além de sorrateiramente me conduzir pouco a pouco, nas almas do mundo.

Não escrevo sozinha...