Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Junho, 2017

SONO INDUZIDO

Quando a senhora morte chega próximo, acordamos de um sono induzido que nos faz encarar a simples e incontestável realidade de nossa finitude. Foram muitas as ocasiões em que escrevi e também discursei com palavras aparentemente sensatas de minha total aceitação, quanto, a chegada sem aviso prévio desta senhora, mas confesso que eram apenas falácias consoladoras que buscavam camuflar se não o medo, pelo menos a minha indignação. Morrer !!!! Que desperdício... Afinal, na calada de minha mente, sempre residiu a quase tristeza de saber que em algum momento, estaria dando adeus a esta maravilha que é viver. Tristeza ou talvez, apenas agonia, por não saber o que realmente me aguarda e terror só em pensar, que nada mais pode ocorrer, ficando as expectativas pregadas, apenas como um bálsamo consolador pelo sempre mistério de não saber, nem de onde vim e tão pouco para onde vou. O que me importa realmente saber? Fico neste instante a me perguntar, crendo, que até isto é tão somente, um consolo pel…

SIMPLES ASSIM

Uma coisa é uma coisa e outra coisa é outra coisa. Em se tratandode tudo que parece, mas não é. Pois é, foi assim na premiação das barracas na festa de São João de Itaparica. Até eu, acostumada que sou em aterme ao cerne das questões, deixei-me lograr pelo aparente óbvio e inadvertidamente, coloquei-me a defender a barraca que aparentemente deveria ganhar, já que inegavelmente, foi a mais equipada, estruturada e abastecida de uma variedade múltipla de guloseimas nordestinas e, por conseguinte juninas. Todavia, esqueci-me de observar o objetivo do concurso, avaliando tão somente, os aparatos completos de uma bem instalada lanchonete. Essa não era a questão. Dever-se-ia julgar a criatividade e a gastronomia. Daí a vencedora ter sido aquela que apresentou de forma despojada, toda a simplicidade das autênticas festas juninas nos interiores deste nordeste rico de gente bonita e feliz, mesmo frente as inúmeras diversidades. Outra característica foi o acolhimento que a mesma ofereceu através de s…

UM SEMPRE APRENDIZADO

Quando percebemos que somos capazes de uma auto avaliação, logo percebemo-nos também frágeis quanto a resistência que existe sobre a batuta dos velhos hábitos e, por mais que venhamos a acredita que já evoluímos de forma considerável, lá vem ela, astuta, e perigosamente sutil vaidade, mostrar-se de forma despudorada, jogando por terra de forma impiedosa, toda a nossa arrogância de nos crermos imunes. Como é difícil a constatação do imperfeito em nós. Como é dilacerante, o confronto com o inadequado que por mais que o vigiemos, lá está ele, espreitando sorrateiramente, sempre pronto à uma nova investida.
Basta um ínfimo descuido, apenas uma pequena brecha e toda a força de nossa visão pequena de nós mesmos se reflete em nossas posturas físicas e emocionais, como uma poderosa pororoca que incontrolável, arrasta consigo anos e anos de esforços regenerativos.
“Choraste?! – E a face mimosa, perdeu as cores da rosa e o seio todo tremeu?!” Casimiro de Abreu, "As Primaveras"
E de um í…
Hoje é domingo, e não preciso acordar pela madrugada para escrever, pois tenho não só a manhã, como todo o dia para fazer o que mais gosto. Também no domingo, nada me interrompe e o silêncio que me rodeia em minha rocinha encantada de Ponta de areia, com certeza, ajudam e muito para que minha mente se foque não só nas belezas que me envolvem, mas principalmente reforçam o meu desejo de entendimento sobre os comportamentos humanos, fazendo de mim, a cada vez, um alguém mais interessado, quanto ao entendimento da mente humana no processamento dos dados recebidos, nas convivências cotidianas. Hoje precisamente, elejo um incidente virtual que, colocou fim há muitos anos de admiração mútua, justo por causa deste difícil entendimento linguístico e falsos pressupostos, exemplificando o perigo sempre presente de se escrever algo que se está pensando, pedir a opinião alheia, sem ter o cuidado de explicar que se trata dela mesma ou, estar preparado para simplesmente ouvir a opinião solicitada dos…

Nota do autor -Escrevinhando

Desde o início do ano, a cada dia um pouquinho, lá vou escrevendo a minha biografia. Não que ela tenha nada de especial, afinal, sou apenas uma pessoa comum, no entanto, tenho uma história que se entrelaça à história de muitas outras pessoas, além, de ter sido sempre muito feliz, mesmo nos momentos difíceis. Creio que minhas narrativas serão como um carinho que deixarei para os meus filhos e amigos do coração, afinal, a tarefa de viver, nem sempre é fácil e suave e é importante que consigamos atravessar o caminho com positivismo e muito amor para dar e humildade para receber. Percebi ainda muito cedo que a felicidade é feita de instantes e da nossa capacidade em aceita-la sem previsão de término. Pensando assim, fui exercitando cotidianamente, e fui encontrando pérolas de enorme valor, nem sempre reconhecidas por outros, mas que ao me dar a elas a oportunidade de convivência, foram preciosas, cada qual, num ou em muitos instantes de minha trajetória, ensinando-me a ser grata e a jamais …

Afinal, a vida é bonita é bonita e é bonita.

Esta expressão não é só importante porque foi eternizada pelo compositor “Gonzaguinha”, mas principalmente, porque de forma singela, resume a explosão que ocorre em cada criatura humana, quando se conscientiza de toda a grandeza de estar existindo em meio ao espetáculo da vida, mesmo reconhecendo a pouca grandeza que é imposta a ela, através de sistemas brutais de convivência, onde o verniz da hipocrisia, magoa, fere e faz sofrer.

SOL E CHUVA, CASAMENTO DE VIÚVA...

Olho neste instante através da janela e lá está mais um espetáculo da natureza! Concomitantemente, o aroma de grama fresca chega e me invade e, sem que eu pense a respeito, começo a sorrir e a agradecer ao universo por estar viva e por ter a sensibilidade de sempre estar atenta, justo para não deixar de apreciar todas estas belezas. O sol já está fraquinho neste fim de tarde, mas ainda se reflete nas copas das árvores e nas potentes folhas do cipó-Imbé que, abraçado ao tronco da mangueira, é sempre um espetáculo a parte. Respiro algumas vezes bem fundo, absorvendo todo este potencial energético, porque afinal, esta é uma oportunidade imperdível, pois mesmo que se repita como já se repetiu infinitas vezes, jamais será igual no oferecimento de suas grandezas. E aí, volto à minha infância num instantâneo bendito e me vejo correndo pelo gramado da casa na Serra em Teresópolis, deliciando-me na chuva, em uma alegria inenarrável, tendo o esplendoroso sol da manhã como única e sagrada testemunha…
EU QUERIA TANTO Poder em meus momentos de aflição, tristeza ou solidão, ter um Deus Divino no qual eu pudesse me refugiar, buscando explicações para os meus desencantos de pessoa humana. Eu queria tanto acreditar, mas eu não consigo, minha mente alucinada por este universo imenso e misterioso, direciona meus entendimentos a outra dimensão, transformando a minha vida, no poder maior de minhas soluções. Eu queria tanto, justo para não me sentir deslocada, fora do lugar comum, como uma solitária árvore em meio a uma planície, dependendo, tão somente, de minhas decisões, amparando-me unicamente nas minhas forças, como se raízes profundas e resistentes eu tivesse para sustentar-me de pé. Eu queria tanto crer mais do que vejo e sinto, queria o lúdico, o plainar de minha liberdade deixando as causas e os efeitos sob a responsabilidade de outrem e não apenas de mim. Eu queria tanto uma pequena parcela desta muleta Divina, mas não consigo, restando-me apenas a dureza de minha própria realidade de …

ZERANDO TUDO

Hoje, após o almoço como de costume, liguei a TV na Globo News e lá estava um documentário sobre a trajetória política de Sergio Cabral, mas poderia ter sido da maioria dos políticos brasileiros, onde o idealismo jovem deu lugar a ganância sem limites, ao abuso da mentira expressada da forma mais cínica possível a uma banalidade da moral e da ética, jogando por terra, originais projetos e anseios, absolutamente reais e palpitantes na mente brilhante e vanguardista de um jovem bem-nascido. Senti profunda tristeza com o desperdício de tanto talento, de tantas oportunidades e de tantos sucessos. Fechei meus olhos e diante de minha mente, surgiram inúmeras outras imagens de ilustres personalidades, que mesmo ainda não punidas, merecedoras são de passarem pela mesma dramática situação de marginais de colete e gravata. E mais uma vez, penso no desperdício do erário público e na miséria de inúmeras faces, que a mesma sempre produziu e alimentou em nosso país, fazendo com que a minha dor se conv…
Fico querendo entender o porquê de ser tão difícil para algumas pessoas, simplesmente viver, amar e ser feliz.
Uma noite de paz para você que me lê.

PENSANDO E CONSTATANDO

Desde a última terça-feira, venho acompanhando a sessão do STE, muito mais pela minha paixão em aprender do que propriamente por torcer por este ou aquele resultado, até porquê, aprendi rapidamente, lá atrás, enquanto jovem, que nada absolutamente nada, acrescentaria ao resultado final qualquer alteração emocional ou racional em relação às decisões nas esferas superiores de nossas instituições. Todavia, deleito minha existência acompanhando a capacidade oratória e a bagagem de conhecimentos que os nossos ministros exibem para nós pobres mortais, transformando em palavras sábias e pensamentos eruditos que se eternizam na história, muitas delas, puras falácias ou engodos que, se atentos não estivermos, nos convencem e, assim de repente, nos vemos aplaudindo e acreditando como verdades absolutas. E aí, lembro que até o mensalão, a grande maioria do povo brasileiro sequer tinha conhecimento de que tais figuras eram verdadeiramente humanas, pois tratavam-se de figuras míticas, fora de alcanc…

SIMPLES ASSIM

Não há um estado ético em qualquer postura humana desassociada da honestidade e vice-versa. No cotidiano sistêmico há cada milionésimo de segundo à tentação do brilho do convencimento de que: ” Não posso perder esta oportunidade”, é sempre muito aliciadora ao pouco atento. Portanto, conseguir associar as perdas incomensuráveis advindas da fraqueza em se deixar convencer pelo mais que entendido como inadequado, é sempre uma enorme vitória pessoal, pois significa mais um degrau vencido na subida de objetivos à uma vida dedicada à evolução energética que garantirá a eternidade. O universo sempre devolve na mesma vibração, também, só percebida pela criatura atenta.

SIMPLES ASSIM

Enquanto, fecharmos os olhos para as distorções que ocorrem bem diante de nossos narizes, como forma de proteção aos nossos interesses, estaremos expostos à corrupção e tudo quanto, a ela está agregada.

LEMBRANÇAS

Neste instante, aparentemente sozinha, acabo de me lembrar com um sorriso de alegria dos anos que vivi em Brasília, dos poucos e preciosos amigos, do meu início profissional, despertando em mim uma paixão enorme pelo jornalismo, que alimento até os dias de hoje, das “loucuras” que dividi com Roberto e Consuelo Vellasco, na busca, muitas vezes irresponsável, de três jovens numa cidade de grandes espaços e quase nada para se fazer, naquela época, é claro, e do filho Luiz Cláudio, prêmio maior que ganhei nos cinco anos de minha vida vividos naquela cidade que, confesso, não choro de saudades, mas que sem dúvidas foi o precioso início de tudo. As loucuras se expressavam na minha paixão por automóveis e velocidade que me levavam a arrastar a amiga, parceira e irmã de alma, pelas avenidas enormes e desertas, na busca, e sempre encontrando, de algum outro, talvez na mesma paixão ou solidão, para juntos fazermos “pegas memoráveis”. Você se lembra Consuelo, das gargalhadas fáceis, da adrenalina …

TUDO MUITO LAMENTÁVEL!!!!!

Dona Benedita me faz lembrar do passado, nem tão distante...
Depois, as forças armadas entram em cena e passam a ser os "bandidos da história", pois não permitirão jamais que a loucura do fanatismo queira manter no poder, meia dúzia de pseudos "salvadores da pobreza".
Quando parte de um povo perde a noção de respeito e lógica, fazendo das falácias, discursos distorcidos de bem comum, confundindo, aliciando e corrompendo, nada mais resta que se empregar a força, como repressão a um caos ainda mais cruel que pode ser constatado em vários locais deste mundo de meu Deus.
Estamos caminhando na contra-mão e, portanto, a colisão em algum momento é inevitável.
Impossível compreender as mentes que se negam a reconhecer os absurdos que foram cometidos nos últimos anos em nome de uma Constituição e da defesa dos oprimidos.
Impossível compreender que mentes consideradas brilhantes se fechem ao reconhecimento da falência em que se encontram as instituições de nosso país, como jamai…