Pular para o conteúdo principal

Postagens

OLHEM A HIPOCRISIA ...

Desde quando o Brasil precisa de um Bolsonaro para alastrar a violência? As balas perdidas e os esfaqueamentos, violações de todos os níveis, assaltos e roubos, mortes e agressões de todas as ordens, começaram agora na campanha eleitoral ou vem nos últimos 15/20 anos devastando todo sentido de paz em qualquer rua, bar, esquina ou casa de alguém? A culpa não seria do aumento populacional, perda de parâmetros éticos e morais, famílias destruídas por um modernismo alucinado, onde tudo pode e é permitido, estímulo do se dar bem a qualquer preço, institucionalização de uma corrupção desumana que oferece farelo com uma mão e com a outra, toma sem dó e piedade todos os direitos de base e sustentabilidade de uma sociedade, enriquecendo uma casta de políticos e puxa-sacos sanguessugas insaciáveis? Faço um esforço imenso de não dar opinião, mas confesso que me é impossível ver os desmandos acontecendo debaixo de meu nariz e, ainda, tentar me convencer que nada realmente tenho com isso. Como não me…
Postagens recentes

RECOLHENDO CACOS

Os ventos estão tão fortes que mais parecem os de agosto, envergando coqueiros, balançando galhos, derrubando frutos, despetalando flores.
Os sons do farfalhar das folhas são agitados, nervosos, pouco amigáveis, fazendo o mar se encrespar e o meu corpo arrepiar.
Os pássaros ressabiados procuram, me parece, inutilmente um lugar seguro para se abrigarem, um recanto mais tranqüilo para, então, voltar a cantar.
A natureza me parece zangada, aborrecida certamente conosco que incansavelmente a ferimos com nossas ações destruidoras, numa ingratidão sem limites, numa indiferença que se ainda não a matou de todo, certamente já despertou nesta tão poderosa, mas também generosa senhora, momentos de impaciência que ela expressa desabafando, através de seus ventos fortes e de suas lágrimas de chuva em forma de tempestade.
De repente, tudo começa a se acalmar...
É a mãe natureza que enxuga as lágrimas, sufoca os gritos, faz calar o pranto.
E num ritual de recolher os cacos, assim como ela, lamento pela r…

OPÇÃO ...

Na medida em que vamos envelhecendo, vamos também neste processo nos tornando mais sensíveis às coisas do mundo, com certeza porque os sentidos já infinitamente abastecidos das mazelas assimiladas ao longo da caminhada, pedem socorro de formas diferenciadas.
E aí, dizemos:
-Nossa!!! Fulano depois de velho, está isto ou aquilo.
Na realidade, contabilizamos as nossas emoções, construídas uma a uma durante nossas vidas e, a depender de nossas naturezas, reforçadas ou remodeladas pelos nossos históricos existenciais, tornamo-nos mais ou menos isto ou aquilo, mas, indiscutivelmente, não se pode negar que os resultados são oriundos dos sentidos cansados pelo ofício ininterrupto de filtragem, a fim de amenizarem os efeitos processuais da mente e, então, se rebelam em aflitos apelos por compreensão e paciência.
No meu caso em particular, percebo que, como comunicadora e estudiosa das emoções humanas, já não estou aguentando tanto horror produzido por um sistema humano, que vem exacerbando em seu …

QUE COISA, VIU! ...

A violência há décadas vem crescendo assustadoramente, assim como os excessos também vieram se agregando nas forças policiais, num tsunami sem freios, e nós, até o início das eleições, apenas reclamávamos e nos conformávamos com os rumos de nossa sociedade, apenas rogando a Deus que não nos atingisse diretamente. 
Creio que devemos parar de falácias e encararmos o fato de que precisamos estancar a sangria e, concomitantemente, criar políticas sociais que sejam abrangentes e eficazes. Abrangentes, pois precisam abraçar a população de um modo geral, sem que haja qualquer separatismo envolvido e eficaz na sua qualidade. Educação diferenciada e abrangente não se faz construindo apenas unidades e distribuindo diplomas, mas agregando valores que possam verdadeiramente, estruturar crianças e adolescentes, assim como adultos mais adequados ao convívio social e profissional.
Passadas as eleições, como tantas outras, as mazelas permanecerão crescentes em relação a tudo se como povo em uma democra…

RECONHECIMENTO NÃO É MÉRITO E SIM OBRIGAÇÃO.

. Ontem foi um dia particularmente feliz, pois pude ler uma mensagem da prefeita Marlylda Barbuda anunciando que a linda e bucólica Misericórdia, será asfaltada.
Gostei sempre tanto desta localidade que a foto do meu perfil do Facebook sempre foi o seu lindo e acolhedor cais, onde já desfrutei de momentos muito especiais na companhia de pessoas simples, mas absolutamente autênticas e sinceras em seus sentimentos.
 Esquecida por longo tempo, se vê agora lembrada e isso é para ser comemorado por todo aquele que, morando ou não na Misericórdia, é capaz de reconhecer a necessidade de renovar as esperanças em relação às suas próprias demandas pessoais, quanto a sua rua e a sua comunidade. Pessoalmente, aguardo também que a alegria que ora sinto, se intensifique, quando o asfalto cobrir a orla de Ponta de Areia e o calçamento da minha bendita rua. 
Viva portanto, a certeza de que "tudo vale a pena se a alma não é pequena" (Fernando Pessoa).

BEIJO BOM COM SAL

Momentos especiais da vida são inesquecíveis e sempre que podemos, copiamos ardorosamente o já vivido e em cada ocasião uma sensação diferente, mas todas recheadas de emoção. Delícia é sentir o beijo bom com sal, possível de ser vivido e repetido, entre o sol ardente e as águas salgadas de nossas praias encantadas. E aí, você também já deu e recebeu aquele beijo bom com sal em um dia ensolarado, onde nada mais existia, além de você, seu amor e a vida pululando dentro de si, em sensações gigantescas? Hummm, bom demais da conta!!! Com certeza, só em lembrarmos, nos tornamos pessoas mais sensíveis e por um instante, revivemos momentos de pura felicidade.

TEMPOS ATUAIS

As emoções pululam como pererecas no brejo e isto não é nada mal, aliás é ainda muito bom pensar e constatar que as pessoas, mesmo tendo perdido muitos parâmetros e consequentes lógicas, ainda bravamente conservam resquícios de cidadania, mesmo que distorcidos em sua grossa maioria.