quinta-feira, 21 de setembro de 2017

AH! COMO É DIFÍCIL...


Quão solitária é a tarefa de quem se atreve a pensar e registrar a vida em suas infinitas nuances.
Para o escritor, não há trégua mental, já que qualquer movimento ao seu redor não lhe escapa e qualquer um deles, torna-se surpreendentemente, uma provocação.
Provocação que se transforma em inspiração profunda como uma necessidade visceral de mergulhar no emaranhado da grandeza, beleza ou no absurdo que se apresenta.
Não basta só relatar, descrevendo ou imaginando o existente, necessário se faz buscar o entendimento do não visto, mas que não foge da sensibilidade do observador contumaz.
AH! Como é difícil ..., pois nem mesmo aqueles que nos amam, são capazes de compreender os caminhos de uma visão mais realística, despidas das firulas sistêmicas que viciadas, insistem em colocar névoas envolventes nos olhos distraídos ou míopes das criaturas, fazendo-as acreditarem no medíocre óbvio.
Difícil, mas absolutamente, apaixonante, capaz inclusive de num só instante, me fazer visitar o céu estrelado e o inferno efervescente, moldando-me com a forja do querer enxergar sempre mais além, para que eu sinta a vida nas suas mais emaranhadas entranhas, sem que o brilho do belo e do magnífico, se ofusque.
Adoro escrever, realizo-me, até mesmo quando, não sou devidamente entendida.



terça-feira, 19 de setembro de 2017

LIBERDADE DE EXPRESSÃO

Segundo Aurélio, significa:
Liberdade
Substantivo feminino.
1.Faculdade de cada um se decidir ou agir segundo a própria determinação.
2.Estado ou condição de homem livre.
3.Confiança, intimidade (às vezes abusiva).
Expressão
Substantivo feminino.
1.Ato de exprimir(-se).
2.Enunciação do pensamento por gestos ou palavras escritas ou faladas; verbo.
3.Dito, frase.
4.Representação; manifestação.
O que as pessoas não entendem ou preferem desconsiderar é que, esta atribuição que o homem crê que conquistou para si mesmo, também se estende ao outro, ou seja:
- Quem fala o que quer, precisa ouvir às vezes o que não quer.
Afinal, toda ação tem uma reação, que também muitas vezes é contraditória aos interesses de quem praticou a ação.
Não se trata de dente por dente, olho por olho, apenas uma dinâmica bem típica das relações de todo e qualquer ser vivo.
O problema é que por sermos dotados de raciocínio, que nem sempre é legitimamente lógico, cremos arrogantemente, que somos os mandatários deste atributo, acreditando que o inventamos como tantos outros e, então, desconsideramos a natureza que nos cerca e que, por todo o tempo, nos mostra esse dar e receber com clareza impressionante.
Bem, como sou uma observadora inveterada desta sempre mestra natureza, desejo como ação imediata à você que me lê, um dia de absoluta paz, esperando que como reação, desejem o mesmo à mim.!!!!!

SENTIMENTAL, EU SOU...


Sem ser Altemar Dutra e sua inesquecível canção.
Todavia, preciso reconhecer que sempre fui assim, demais nas emoções, numa passionalidade que comove minha mente e meu corpo, levando-me inexoravelmente a um estado de êxtase que se expressa em lagrimas amorosas, até mesmo, quando me vejo agredida de alguma forma.
Minha passionalidade foi sendo aliciada pelas vivências cotidianas e minha tolerância ao contrário de sufocar-me, aliviam-me, abrindo a porta da serenidade que só adoça o meu todo de criatura humana, ferida repetidamente em batalhas, em sua maioria evitáveis.
Ah! Como eu gostaria de ter crescido com os conhecimentos que tenho agora.
Ah! Como eu certamente estaria mais leve, mais encantada, como a tal borboleta dourada, que certa feita declamei com meus versos de menina moça sonhadora.


CORUJINHA DA MADRUGADA


Enquanto todo mundo dorme eu, já dormi e já acordei, sou uma corujinha da madrugada, protegida do barulho sistêmico e inspirada pelo movimento da diversidade da grandeza do silêncio da vida que encontra toda a sua liberdade, enquanto, a maioria dorme, não podendo assim feri-la, impedindo a sua plena expressabilidade.
Lentamente fui sendo acolhida ainda garota pela generosidade das madrugadas e timidamente, fui esgueirando-me entre as oportunidades maravilhosas que foram se descortinando.
Tudo é sempre novidade, sem assombramentos, apenas estão lá me aguardando em sua originalidade e eu, já adaptada serpenteio, tal qual o cipó-imbé o faz no tronco da mangueira, abraçando e sorvendo a seiva bendita que me mantém viva e produtiva.
Penso então que, enquanto, existir uma só criança que chegue neste mundo que dizem ser de Deus e nele não encontrar, abrigo, alimento e amor, todo o restante não terá sentido.
Enquanto, um único ser for agredido por outro, tão somente por ser negro, gay ou possuir uma deficiência de qualquer natureza, nós humanos arrogantes e prepotentes não poderemos nos sentir evoluindo.
Enquanto precisarmos enterrar as vítimas da vergonha do nosso atavismo, seja pela ação direta de nossa crueldade, seja pela omissão, alienação ou comodismo, o tudo mais que possamos adquirir, conquistar e desfrutar, será sempre o lixo terrestre colorido e brilhante que fomos capazes de produzir.
Ouvi por toda a minha vida que:
- A vida é assim ...
E sempre que ouvia pensava:
-Mentira!!!!
A vida é bela, completa e perfeita.
A vida é o “Deus” que a maioria louva, mas que raros são os capazes de reconhece-lo, amá-lo e verdadeiramente, respeitá-lo.
O “Deus vida” a todos e a tudo que pulsa energia e vigor, estreita em meio ao seu acolhedor abraço.