Pular para o conteúdo principal

Postagens

FITA – I FESTIVAL DE ITAPARICA MÚSICA E POESIA

Nos dias 27, 28 e 29 de outubro o município de Itaparica receberá a 1ª edição do Festival de Música e Poesia FITA – I FESTIVAL DE ITAPARICA, que contará com a participação de artistas locais, estaduais e nacionais. Serão três dias de programação musical e poética, com apresentações na praça Jardim dos Namorados. Dentre os nomes para compor a grade musical do projeto, destacamos: BaianaSystem, Zeca Baleiro, Mariene de Castro e Lazzo Matumbi. A poesia vem representada por Lirinha, Karina Rabinovitz, Jackson Costa, Bule Bule, e etc. Paralela à programação artística, uma feira gastronômica, que oferecerá ao público a oportunidade de experimentar a culinária local. O acesso a toda a programação será gratuito. O FITA é uma realização da Prefeitura Municipal de Itaparica.
Postagens recentes

CRIME E CASTIGO

Como de costume, assisti a grande parte da Sessão Plenária do STF, na tratativa das questões das Medidas Cautelares, que diretamente afetam a situação do Senador Aécio Neves e como não poderia deixar de ser, pela minha própria natureza, fui fazendo correlações com o povo e suas posturas ao longo destes anos de incessante “Crime e Castigo”. Entre um e outro ministro, lá estávamos nós, eu e meu marido, sentados no conforto da poltrona, sentindo-nos jurados quanto às avaliações, crendo ingenuamente, mas empolgados, estarmos diante de um julgamento isento de maiores interesses, se não da verdade, do bem público e do respeito à Constituição Nacional. Depois do caso passado, sem a influência das simpatias pessoais em relação a este ou aquele ministro e, tão pouco, iludida de que sou capaz de uma avaliação, seja ela qual for, até porque, eu ou qualquer outro, desconhecemos os reais fatos, nada além daqueles que nos são repetidamente informados por uma mídia absolutamente tendenciosa. Concluí, …

OPÇÃO...

Na medida em que vamos envelhecendo, vamos também neste processo nos tornando mais sensíveis às coisas do mundo, com certeza, porque os sentidos já infinitamente abastecidos de mazelas assimiladas ao longo da caminhada, pede socorro de formas diferenciadas. E aí, dizemos: -Nossa!!! Fulano depois de velho, está isto ou aquilo. Na realidade, contabilizamos as nossas emoções, construídas uma a uma durante nossas vidas e a depender de nossas naturezas, reforçadas ou remodeladas pelos nossos históricos existenciais, tornamo-nos mais ou menos isto ou aquilo, mas indiscutivelmente, não se pode negar que os resultados são oriundos dos sentidos cansados pelo ofício ininterrupto de filtragem, afim de amenizarem os efeitos processuais da mente e, então, se rebelam em aflitos apelos por compreensão e paciência. No meu caso em particular, percebo que como comunicadora e estudiosa das emoções humanas, já não estou aguentando tanto horror produzido por um sistema humano, que vem exacerbando em seu desi…

PAPO SOLIDÃO

Estou aqui quietinha, neste final de tarde, pensando na vida que já vivi, na que vivo e conjecturando na que ainda posso viver. E aí, surpreendo-me com o tanto que foi expurgado de minha vida, nem sempre por mérito meu, mas com certeza com total concordância, afinal, jamais briguei com as circunstâncias que me atingiram, preferindo encará-las bem de frente, não como desafio, apenas com a dignidade de quem se determinou a jamais se sentir derrotada, tão somente, ferida. E aí, entre uma lembrança e outra, boas e desagradáveis, eis que uma em especial surge em minha mente, sempre bela e vitoriosa, fazendo-me sorrir como uma criança, mas ao mesmo tempo de forma ousada, transformando-me em poeta. Ah! Que saudades de minha Guapimirim Saudades do tumulto dos infinitos sons do silêncio Que como uma orquestra bendita, fez-me conhecer a paz. Sentada à beira do riacho, tocando as aguas frias e translúcidas Sorvendo aromas, pensando em nada, possuindo tudo. Meu pequeno riacho, minha fonte de vida.


SIMPLES ASSIM...

Meus olhos fitam a imensidão do mar E o sol quente aquece meu corpo desnudo. Convite explícito à confidência Neste universo ardente, pronto a escutar.
Abro os braços, quero abrigar com ânsia Todo o mistério, energias a decifrar Recebo o mar, me inebrio e enterneço Ao sentir ternura em forma de grandeza.
 O desmaiar das ondas sobre as areias Num espetáculo para lá de genial Faz-me vibrar, dispenso pensamentos Rendo-me aos sentidos e nada mais.

(Escrito em 01/04/2003) Itaparica )

VIVENDO

Os sons que ouço são leves Os toques que sinto são brisas Os tons da natureza, meus sonhos São vida com melodia.
Pensando nas torturas diárias Nas lágrimas e nos sonhos perdidos Busco frenética a poesia Na ânsia da luz e da alegria.
Guerreando no desbrave da vida. Ergo espada e danço ao vento Rasgando tristeza, amputando a dor.
Viver é sonhar Sonhar é amar Vivendo e sonhando Aprendi a amar. ( Escrito em 01/04/2002)Cachoeira do Campo)M.G

Atenção

Diante de tanta desolação emocional, possível de se constatar nas ruas e nas redes sociais, sugiro poesia.
Poesia que mantém acesa a chama da esperança.
Afinal, de que adianta sofrer e se desesperar?
Pense nisso e leia e faça poesia, melhor calmante para um coração decepcionado.
Enquanto, se pensa poesia, deixamos de focar o feio, o triste, o mentiroso.
Trocamos a dor que machuca, pelo consolo do tudo bem.
Consolo que amansa, que entontece e faz sorrir.
Sorrir pela perda do tempo, já tão curto para se viver. Que nesta terça-feira, o ditado "viola no saco,"mais que fugir da raia, seja um bendito gesto de conscientização de que, nem toda realidade se revela do jeitinho que queremos.
E que por mais boa vontade que tenhamos, nem sempre acertamos em nossas escolhas e investimentos pessoais.
ACORDA MENINO!!!!