Pular para o conteúdo principal

PALCO DE LUXO


E aí, confesso que ser uma observadora é sempre muito doloroso, mas fazer o quê, se não me é possível partir ou frear o senso de lógica que permeia a mente?
Estou falando mais uma vez sobre a forma sem sentido prático com que acolhemos nossos pretensos representantes, seja do legislativo, executivo ou judiciário de qualquer nível.
Tratamos os candidatos como se fossem talhados de algum material especial, jamais igual ao nosso. Oferecemos os salamaleques mais requintados, colocando-os em pedestais de importância, superestimando suas intenções e, ao mesmo tempo, expondo nossas bobices em acreditarmos que, realmente, o cidadão fará algo palpável para nossa cidade ou pelo menos por nós.
Na maioria das vezes, até conhecemos o seu histórico político, mas deixamos de avaliar a nós mesmos, porque ao invés de cobrar planos específicos que venham agregar valores sociais à cidade, ficamos como alienados, oferecendo o campo do genérico, onde eles surfam divinamente e, ao irem embora, pois, todos vão, ficamos como alienados sem qualquer subsídio real que justifique o nosso voto. Só mesmo os vereadores ou candidatos a algum cargo eletivo que sonham com uns trocados a mais que, certamente, será distribuído por ocasião do pleito eleitoral.
Transformamos os candidatos em semideuses, nos curvamos em benevolências ao ponto de ser possível enxergar-se nossos redutos íntimos e, depois que são eleitos, ainda esperamos que se sintam nossos representantes.
Quanto primarismo e submissão por estarmos sempre ávidos para eleger mais um ídolo, colocando-o no poder, oferecendo a ele, status, dinheiro, relações monásticas de bandeja ao preço de meia dúzia de promessas decoradas de discursos batidos, mil vezes já ouvido, mas que o nosso atavismo cultural nos impede de reconhecer.
Mas o pior de tudo é que em meio ao inflamado discurso, vez por outra, o pretenso futuro monarca dos bens públicos, solta pérolas ofensivas à nossa simplicidade que é explicita e sequer nos apercebemos, pois estamos inebriados, admirando aquele que por esta ou aquela razão idiota ou interesseira, receberá não só o nosso voto, mas todos os votos que conseguirmos angariar para ele, nos papos de esquina.
Nada como ouvir os discursos à distância, sem o envolvimento das presenças carismáticas do cidadão que antes de tudo é um tremendo cara de pau que bem sabe o que faz, no foco de seus objetivos.
E depois, quando eleito e nossas perspectivas se veem frustradas, viramos o disco e nos colocamos a queimar o Judas, cobrando o que ele jamais prometeu, apenas utilizou-se de nossa sempre frustração para nos garantir ludicamente, o que jamais pretendeu cumprir.
E o ciclo se movimenta a cada eleição, soterrando Deuses, elegendo outros, não havendo qualquer sentido prático e produtivo para nós, povinho das fotos tiradas entre os aplausos, das bandeiras e do trio elétrico que permanentemente nos fazem dançar.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

OPRESSÃO CULTURAL

Acreditei estar me especializando na área da observação do comportamento humano e, por toda a minha vida, pensei estar aprendendo tudo quanto poderia, e, no entanto, absorvida com a diversidade infinita que me cercava e totalmente fascinada com o que majestosamente me apresentava a cada instante, me perdi totalmente, e, de repente, assim sem qualquer aviso prévio, vejo-me diante de minha não menos infinita ingenuidade avaliativa e percebo, então, o quanto nada sei em relação a capacidade humana em se adaptar às circunstâncias, ou a buscar posições favoráveis à suas conveniências pessoais de adaptabilidade social.Há alguns anos, venho tentando entender o porque de minha paixão por Itaparica, visto que conheci inúmeros outros locais, não menos bucólicos e acolhedores. E agora, como um raio de luz esclarecedor, posso compreender que em minhas buscas pessoais de aperfeiçoamento, encontrei aqui, neste local encantador, todos os subsídios necessários a um aprendizado mais concreto e expli…

Os professores: Um “novo” objeto da investigação educacional?

Houve um tempo, afinal nem tão distante, em que a função da escola era prioritariamente ensinar disciplinas que contribuíam nos universos de cada criança, despertando-as em suas inclinações naturais, na construção de seu futuro perfil profissional e pessoal.
Também era no ambiente escolar que a criança exercitava a convivência, não só com o contrário, mas principalmente com o diferente, deixando aflorar os ensinamentos oriundos de seu núcleo familiar.
Era comum ouvir-se: “a educação vem do berço”.
E este berço, não necessariamente precisava ser abastado economicamente e muito menos letrado, pois havia os conceitos pré-estabelecidos, onde as posturas respeitavam os limites do alheio, criando-se assim normas socais de conduta, não só externa, mas antes de tudo em meio à própria família.
Nesta época a que me refiro, havia uma distinção entre as atribuições tanto da família como da escola, assim como sob nenhuma circunstância esperava-se do mestre qualquer atributo fosse materno ou paterno, a…

O FALSO BOM SAMARITANO...

Há algumas horas atrás, assistia à uma uma aula de Filsosofia da Educação, onde em determinado momento falávamos em interação com o Professor Wilson sobre justamente a humanização de nós humanos.

Cheguei a argumentar que somos incapazes de atingir esta humanização ideal exatamente por que não somos educados ao entendimento da dimensão de nossa própria existência, nem no conceito individual quanto mais em relação a um todo que sequer conseguimos enxergar e muito menos sentir.

Estamos divididos em três facções vivenciais, ou seja: aqueles que crêem em Deus e são religiosos, aqueles que crêem, mas nao são religiosos, e aqueles que não crêem.

Todos, sem exceção, vagueiam em seus cotidianos sem ter qualquer entendimento real do quanto estão desperdiçando seus minutos presentes e, sem sem se dar conta, permanecem repetindo posturas que em sua maioria no máximo os robotizam, tirando lenta, mas sistematicamente, toda e qualquer potencialidade interior que é capaz de impulsioná-los a se verem com…