quarta-feira, 22 de março de 2017

SEM LÁGRIMAS


Não choro neste dia que seria o seu aniversário e nem em dia nenhum quando lembro de minha mãe, afinal, lembranças de Dona Hilda só me fazem sorrir, só me remetem a momentos muito especiais que nem sempre tiveram, a meu ver, a conotação de vantagens a meu favor, mas com certeza o foram, pois moldaram a criatura que sou, repleta de dúvidas, de falhas, mas também com muita garra na busca de soluções e tenacidade na correção das falhas.
Dona Hilda, sempre linda, perfumada e elegante, repleta de desejos e sonhos reprimidos em uma época em que as mulheres em sua maioria se restringiam ao lar.
Se viva estivesse, teria sido uma desbravadora dos direitos femininos, como ensaiou ainda no final dos anos trinta, quando destemida e contrariando a vontade da família, mudou-se de casa, levando consigo um filho de meses e deixando um lindo recado para meu pai.
“Se quiseres me seguir, aqui segue o endereço, estarei com um prato de sopa quentinho, esperando por você”;
E assim, dali em diante, durante 32 anos, meu pai compreendeu que havia casado com uma mulher determinada e extremamente apaixonada, mas que não abria mão de sua liberdade e do direito de ter sua própria casa.
E foi assim que eu e meu irmão fomos instruídos e amados por aquela criatura sorridente de largas gargalhadas, íntegra nas suas posturas, generosa com todos e muito exigente com os filhos, já que compreendia a importância da disciplina no estabelecimento e continuidade de qualquer ação.
Dona Hilda nos deixou fisicamente com apenas 48 anos de idade, deixando-me com apenas 18 anos, mas foram tão sólidos os seus ensinamentos e tão embasada a sua autenticidade, que mesmo passados tantos anos ainda a ouço e a sinto, como se o tempo não houvesse passado e seu cheiro gostoso não houvesse cessado.

Então, chorar porquê?

Nenhum comentário:

Postar um comentário