Pular para o conteúdo principal

PARECE QUE FOI ONTEM...


Mas na realidade foi há cinquenta e três anos que, neste horário, o país já se encontrava sob o controle dos militares.
31 de março de 1964, data inesquecível, sendo que aterrorizadora para alguns, alienada para a maioria que só se preocupava em estocar alimentos, pois a mídia dizia que estávamos vivendo uma revolução.
Para quem morava nos bairros tranquilos da cidade maravilhosa na época, tudo ou quase tudo em nada se parecia com uma revolução, talvez, um pouco de apreensão, justo por desconhecermos a realidade de uma, todavia, onde estavam os soldados, os canhões e a cavalaria de guerra?
A televisão mostrava os tumultos no centro da cidade, mas tudo muito distante da vidinha tranquila dos moradores de Ipanema, Leblon e adjacências, que no máximo desfazia-se de livros e documentos comprometedores, além de se ter notícias de um ou outro vizinho que no decorrer dos dias e meses que se seguiram simplesmente desapareceram ou foram presos. No mais, para o cidadão comum e trabalhador, a vida seguia sem atropelos.
Na minha família, o mais grave problema foi a falta do Capelão da Polícia Militar que iria oficializar o casamento de meu primo, o capitão na época Rubens de Almeida Cosme, mas que foi solucionado com a gentil intervenção de um padre da Igreja Nossa Senhora da Paz que se prontificou e salvou a cerimônia que aconteceu justo no dia 31 de março.
Nesta época, eu tinha 14 anos, portanto, fui crescendo e me estabelecendo em meio a uma revolução que só veio me atingir, mais de uma década depois, quando inadvertidamente, escrevi horrores de um coronel reformado, que também era o Diretor Presidente do jornal que eu trabalhava.
Isso me custou anos de ostracismo, pois fui advertida que não voltasse a trabalhar em qualquer meio de comunicação. E a ordem era para não ser desobedecida. Creio que não foi pior pois ative minhas críticas no aspecto dos relacionamentos humanos entre patrão e empregado, não adentrando no aspecto político da época.
O tempo passou, o regime mudou e como ativa observadora, constatei inúmeras desvantagens em ambos, mas sinceramente jamais havia vivenciado anteriormente, tanto horror perante os céus, onde milhões de brasileiros se veem reféns de uma democracia fragilizada, esculhambada e extremamente cruel.
Cinquenta e três anos depois, estamos bem piores em todos os aspectos, se bem que cercados da mais alta tecnologia, amparados pelas mais revolucionárias ciências, mas privados do mais sagrado dos valores que é a liberdade do ir e vir em segurança e sem o privilégio, a não ser para uma pequena parcela da população, de poder usufruir das vantagens do progresso que a globalização passou a oferecer, pois estamos a cada dia mais ignorantes e relapsos nos nossos entendimentos seja lá do que for.
Livres?
Que liberdade é esta que nos impede de recebermos das instituições das quais mantemos pagando os mais altos impostos do mundo, um tratamento respeitoso às nossas mais primárias necessidades?
Nosso país faliu, nós estamos falidos, e aí, lembro da minha família classe média que em nada pode ser comparada com as atuais.

Cinquenta e três anos depois, e ainda tem figuras que circulavam nos entornos militares e que hoje, permanecem como espectros, assombrando o círculo político, já não mais tão sozinhos, pois arrastam consigo filhos e netos, num sugar incansável do sangue dos brasileiros, num apetite sem fim.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

OPRESSÃO CULTURAL

Acreditei estar me especializando na área da observação do comportamento humano e, por toda a minha vida, pensei estar aprendendo tudo quanto poderia, e, no entanto, absorvida com a diversidade infinita que me cercava e totalmente fascinada com o que majestosamente me apresentava a cada instante, me perdi totalmente, e, de repente, assim sem qualquer aviso prévio, vejo-me diante de minha não menos infinita ingenuidade avaliativa e percebo, então, o quanto nada sei em relação a capacidade humana em se adaptar às circunstâncias, ou a buscar posições favoráveis à suas conveniências pessoais de adaptabilidade social.Há alguns anos, venho tentando entender o porque de minha paixão por Itaparica, visto que conheci inúmeros outros locais, não menos bucólicos e acolhedores. E agora, como um raio de luz esclarecedor, posso compreender que em minhas buscas pessoais de aperfeiçoamento, encontrei aqui, neste local encantador, todos os subsídios necessários a um aprendizado mais concreto e expli…

Os professores: Um “novo” objeto da investigação educacional?

Houve um tempo, afinal nem tão distante, em que a função da escola era prioritariamente ensinar disciplinas que contribuíam nos universos de cada criança, despertando-as em suas inclinações naturais, na construção de seu futuro perfil profissional e pessoal.
Também era no ambiente escolar que a criança exercitava a convivência, não só com o contrário, mas principalmente com o diferente, deixando aflorar os ensinamentos oriundos de seu núcleo familiar.
Era comum ouvir-se: “a educação vem do berço”.
E este berço, não necessariamente precisava ser abastado economicamente e muito menos letrado, pois havia os conceitos pré-estabelecidos, onde as posturas respeitavam os limites do alheio, criando-se assim normas socais de conduta, não só externa, mas antes de tudo em meio à própria família.
Nesta época a que me refiro, havia uma distinção entre as atribuições tanto da família como da escola, assim como sob nenhuma circunstância esperava-se do mestre qualquer atributo fosse materno ou paterno, a…

O FALSO BOM SAMARITANO...

Há algumas horas atrás, assistia à uma uma aula de Filsosofia da Educação, onde em determinado momento falávamos em interação com o Professor Wilson sobre justamente a humanização de nós humanos.

Cheguei a argumentar que somos incapazes de atingir esta humanização ideal exatamente por que não somos educados ao entendimento da dimensão de nossa própria existência, nem no conceito individual quanto mais em relação a um todo que sequer conseguimos enxergar e muito menos sentir.

Estamos divididos em três facções vivenciais, ou seja: aqueles que crêem em Deus e são religiosos, aqueles que crêem, mas nao são religiosos, e aqueles que não crêem.

Todos, sem exceção, vagueiam em seus cotidianos sem ter qualquer entendimento real do quanto estão desperdiçando seus minutos presentes e, sem sem se dar conta, permanecem repetindo posturas que em sua maioria no máximo os robotizam, tirando lenta, mas sistematicamente, toda e qualquer potencialidade interior que é capaz de impulsioná-los a se verem com…