Pular para o conteúdo principal

PERDÃO - CORREÇÃO




Ao iniciar uma intensificação pessoal de compreensão dos meus relacionamentos interpessoais há cerca de 20 anos atrás, assim como em relação a minha postura psicológica, jamais poderia imaginar que iria tão fundo e tão pouco poderia mensurar as emoções que permeariam o meu contexto de criatura humana.

Comecei de mansinho, pisando leve, questionando meio desajeitada, fazendo-me crer que tudo seria possível nesta trajetória como forma de consolo ou talvez de camuflagem para as sensações que, logo de imediato, passei a sentir em cada mergulho que me permitia dar em meu interior de pessoa acostumada que estava a disfarçar o máximo possível o efeito devastador do toma lá da cá hipócrita que geralmente é o relacionamento com os demais.

Nenhum progresso seria possível se eu não me permitisse expor-me para mim mesma em atos sucessivos, bem próximos de um exorcismo impiedoso, onde o objetivo era o de conhecer ações e reações, querendo, através deste exercício, encontrar o cerne gerador de tantas controvérsias ao meu instantâneo e natural entendimento de que algo deveria estar errado e que eu supunha, sem base argumentativa, ser produto de uma vaidade inconsequente, capaz de direcionar-me a cometer falhas primárias em minhas condutas frente ao consequente fracasso ou sucesso com o outro.

Percebi, após algumas revelações íntimas, que seria necessário um mecanismo de defesa que me permitisse abrir minhas comportas sem que a flagelação se impusesse e, por sua vez, me mantivesse sob o domínio do medo em não querer ver e sentir meus próprios defeitos ou distorções, ou os dos outros, transformando cada revelação em uma decepção imediata.

Eu precisava encarar estas experiências como um aprendizado bendito que me permitisse desenvolver a tolerância e a compreensão para comigo e para com os demais, fazendo-me encarar cada uma delas como uma oportunidade em burilar o sentido de convivência para que esta representasse por todo o tempo uma adição de conhecimentos agregadores a um viver melhor.

Maravilhosa decisão, pois de lá até o momento presente, este viver melhor foi se consolidando e transformando-me em um alguém mais genuinamente solidário comigo e com os demais, tirando de mim a pressa em relação a qualquer conquista se a ela não estiver atrelado à segurança do entendimento, dando assim, por todo o tempo, a generosa oportunidade em vivenciar qualquer situação onde haja outro alguém envolvido sem que eu tenha expectativas aleatórias e possivelmente frustrantes mais adiante.

Afastei, portanto, a surpresa desagradável da constatação futura deste ou daquele aspecto que de alguma forma poderia vir a tirar de mim o prazer de estar fazendo ou convivendo, deixando tão somente abertas as portas das oportunidades vivenciais.

E agora, escrevendo sobre isso, chego a conclusão de que em momento algum cerceei-me ou deixei de sentir, apenas eliminei a precipitação afoita que se transformava imediatamente em uma cruel inconsequência que me fragilizava e me tornava cega frente ao fato primário que dos demais, deveria colher tão somente o que me fosse afim, sem que com isto, todo o seu todo precisasse ser questionado ou o que é pior e devastador, absorvido por mim.

Assim como aos outros haveria sempre o meu constante respeito e a minha consideração em não oferecer meu manancial de  camuflagens, justo para não confundi-lo, levando-o a engolir gato por lebre, por ser tão somente, o politicamente correto.

Esta minha decisão, transformou-se ao longo da evolução de meus esforços diários em um selecionador natural, fazendo de mim, não alguém que abusadamente seja uma seletiva e arrogante, mas apenas em uma pessoa que não vê sentido em perder o seu precioso tempo de vida que, afinal, é espetacular em uma perda de  energias absurdamente irrecuperáveis, sem contar que passei a desfrutar de uma harmonia  geral, impossível de ser descrita.

Não posso impedir a inconsequência alheia, mas posso suportá-la sem que sua devastação me invada e me destrua, pois tão logo  a perceba, transformo-a em mais uma experiência que se somará a minha bendita bagagem de vida e liberdade que impulsiona a minha vontade voluntária em por todo o tempo não ter medo de ser feliz, só porque a minha volta exista os vampiros existenciais, sempre prontos e dispostos a minar e destruir a grandeza da existência e da convivência cotidiana.

Perdão então para mim em todas as vezes que por descuido e falta de atenção, escancarei meu coração sem me ater a quem.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

OPRESSÃO CULTURAL

Acreditei estar me especializando na área da observação do comportamento humano e, por toda a minha vida, pensei estar aprendendo tudo quanto poderia, e, no entanto, absorvida com a diversidade infinita que me cercava e totalmente fascinada com o que majestosamente me apresentava a cada instante, me perdi totalmente, e, de repente, assim sem qualquer aviso prévio, vejo-me diante de minha não menos infinita ingenuidade avaliativa e percebo, então, o quanto nada sei em relação a capacidade humana em se adaptar às circunstâncias, ou a buscar posições favoráveis à suas conveniências pessoais de adaptabilidade social.Há alguns anos, venho tentando entender o porque de minha paixão por Itaparica, visto que conheci inúmeros outros locais, não menos bucólicos e acolhedores. E agora, como um raio de luz esclarecedor, posso compreender que em minhas buscas pessoais de aperfeiçoamento, encontrei aqui, neste local encantador, todos os subsídios necessários a um aprendizado mais concreto e expli…

Os professores: Um “novo” objeto da investigação educacional?

Houve um tempo, afinal nem tão distante, em que a função da escola era prioritariamente ensinar disciplinas que contribuíam nos universos de cada criança, despertando-as em suas inclinações naturais, na construção de seu futuro perfil profissional e pessoal.
Também era no ambiente escolar que a criança exercitava a convivência, não só com o contrário, mas principalmente com o diferente, deixando aflorar os ensinamentos oriundos de seu núcleo familiar.
Era comum ouvir-se: “a educação vem do berço”.
E este berço, não necessariamente precisava ser abastado economicamente e muito menos letrado, pois havia os conceitos pré-estabelecidos, onde as posturas respeitavam os limites do alheio, criando-se assim normas socais de conduta, não só externa, mas antes de tudo em meio à própria família.
Nesta época a que me refiro, havia uma distinção entre as atribuições tanto da família como da escola, assim como sob nenhuma circunstância esperava-se do mestre qualquer atributo fosse materno ou paterno, a…

O FALSO BOM SAMARITANO...

Há algumas horas atrás, assistia à uma uma aula de Filsosofia da Educação, onde em determinado momento falávamos em interação com o Professor Wilson sobre justamente a humanização de nós humanos.

Cheguei a argumentar que somos incapazes de atingir esta humanização ideal exatamente por que não somos educados ao entendimento da dimensão de nossa própria existência, nem no conceito individual quanto mais em relação a um todo que sequer conseguimos enxergar e muito menos sentir.

Estamos divididos em três facções vivenciais, ou seja: aqueles que crêem em Deus e são religiosos, aqueles que crêem, mas nao são religiosos, e aqueles que não crêem.

Todos, sem exceção, vagueiam em seus cotidianos sem ter qualquer entendimento real do quanto estão desperdiçando seus minutos presentes e, sem sem se dar conta, permanecem repetindo posturas que em sua maioria no máximo os robotizam, tirando lenta, mas sistematicamente, toda e qualquer potencialidade interior que é capaz de impulsioná-los a se verem com…