domingo, 19 de agosto de 2012

MEUS ANDARES COTIDIANOS


Adoro os amanheceres, pois neles me deito no silêncio recortado pelos grilos e pássaros, pondo-me a fazer o que mais gosto, que é justo transformar minha mente num rolo de filme, donde posso com meu impulso voluntário adentrar no imaginário de renovadas criações ou, tão somente, rebobinar o já registrado em uma busca enriquecedora de um entendimento mais amplo e mais completo, seja lá do que for que eu tenha testemunhado nos meus andares cotidianos.

Nesta manhã, meu filme, ao ser rebobinado, mostrou-me fatos e versões da última semana, levando-me a crer que por mais que eu viva e escreva sobre minhas experiências pessoais, ainda assim, mais estarei convencida de que me é impossível traçar modelos fixos das características da complexidade humana em suas convivências sistêmicas.

Assim como jamais poderei estancar o fluxo caudaloso de minhas mais volumosas emoções.

O filme se acelera e, de repente, as imagens ficam disformes e tudo, então, perde o sentido, pois não há figuras definidas e, a partir daí, nada mais posso sinceramente observar.  Faço parar o filme, aliso meus cabelos, respiro fundo e volto à uma nova tentativa e me surpreendo, pois algo acontece com minha máquina neurológica fazendo o filme congelar em uma imagem em uma pequena escrita no centro de uma tela em branco que dizia:

- “Poder público.”

Esforcei-me muitíssimo para que as imagens se fizessem presentes, mas tudo que consegui foram sons soltos de argumentos repetitivos, falados por diferentes autoridades de diversos postos institucionais que me reportaram às lembranças de outros filmes que, de tão banais, foram arquivados com o propósito de jamais permitir iludir-me, crendo serem originais.

Alguém me chama e então percebo que o tempo passou, interrompo minha prática simbólica e volto-me para o aqui e agora não sem antes registrar uma nova cena em minha máquina racional, pois se a cena não tem um conteúdo original, pelo menos, possui um novo ângulo a ser considerado e, quem sabe, poderei dar mais um passo em direção a um entendimento mais amplo do despreparo que nós criaturas humanas ainda temos em relação à compreensão de nossas posições e obrigações enquanto seres sociais.

Tudo é tão aleatoriamente fugaz, menos a fome, a dor e o pouco caso.

Pense nisto em todas as vezes que um profissional, de qualquer natureza pública, se achar no direito de não admitir ouvir criticas acompanhadas de sugestões respeitosas. Lembre-o, então, sem medo de ser feliz, que o contraditório é saudável e inerente a qualquer pessoa pública minimamente inteligente e abastecida de intenções coletivas.

Um domingo de paz para você que está lendo a minha crônica e que se permite também rebobinar seu próprio filme.


Nenhum comentário:

Postar um comentário