Pular para o conteúdo principal

MINHA PAIXÃO

Vira e mexe, cá estou pensando na educação de nossos jovens e no quanto poderia ser feito se houvesse mais um pouco de comprometimento por parte de todos os envolvidos, a começar pelo governo que, afinal, deveria dispensar um olhar mais criterioso quanto à aplicabilidade de seus projetos e, principalmente, quanto a mão de obra ora existente, que está desmotivada e muito pouco qualificada.
Quando se discute os problemas educacionais, logo vira pauta principal os baixos salários como justificativa à falência que se apresenta, seja no ensino fundamental ou médio. Dificilmente, estende-se este entendimento como uma consequência natural de uma preparação fraca e de pouco conteúdo pedagógico e psicológico, no que tange ao emocional destes futuros mestres, que formam-se despreparados no teórico e na pratica, adentrando em salas de aula absolutamente despreparados e muitos deles com o agravante de não ter nem talento e muito menos vocação.
Particularmente, creio que as profissões de médico e professor deveriam ser exercidas tão somente por aqueles que verdadeiramente tivessem pelo menos vocação. Infelizmente, o jovem que não consegue ingressar em sua opção primeira, opta pela carreira de professor, por considerar talvez a mais fácil de ser conquistada, ficando, a partir daí, se lamentando como forma de expressabilidade de sua frustração profissional, deixando refletir em seu desempenho todo o desinteresse inerente ao seu emocional inconformado.
Claro que este não é o único fator desagregador, mas creio ser o mais poderoso, pois trata da relação direta aluno-professor. Portanto, a partir desta premissa, dever-se-ia começar toda uma reformulação conceitual de direitos e deveres nos profissionais ativos, assim como uma seleção mais efetiva e direcionada a justamente exigir dos candidatos em questão um maior aprendizado, tal qual é exigido em outras profissões, consideradas mais nobres por uma sociedade capenga que não enxerga a extensão do malefício de se desconsiderar a segunda maior estrutura no qual a criatura humana se forma, naturalmente depois da família.
A obtenção e fortalecimento de posturas éticas e morais se somam a toda gama de conhecimentos que a mesma utilizará em sua vivência existencial. Soterrando a educação, soterra-se os princípios primeiros da convivência da criatura com ela mesma e com o tudo do todo no qual está inserida, o que desastrosamente pode ser observado nas escolas e, infelizmente, nos relacionamentos de um modo geral, independente de cor, religião ou vertente social.
O que de verdade quiz dizer foi que, antes de tudo, é preciso que haja uma mudança nas posturas de quem ensina, e aí provavelmente se resgate a velha dignidade ora esquecida, empoeirada ou simplesmente ignorada.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

OPRESSÃO CULTURAL

Acreditei estar me especializando na área da observação do comportamento humano e, por toda a minha vida, pensei estar aprendendo tudo quanto poderia, e, no entanto, absorvida com a diversidade infinita que me cercava e totalmente fascinada com o que majestosamente me apresentava a cada instante, me perdi totalmente, e, de repente, assim sem qualquer aviso prévio, vejo-me diante de minha não menos infinita ingenuidade avaliativa e percebo, então, o quanto nada sei em relação a capacidade humana em se adaptar às circunstâncias, ou a buscar posições favoráveis à suas conveniências pessoais de adaptabilidade social.Há alguns anos, venho tentando entender o porque de minha paixão por Itaparica, visto que conheci inúmeros outros locais, não menos bucólicos e acolhedores. E agora, como um raio de luz esclarecedor, posso compreender que em minhas buscas pessoais de aperfeiçoamento, encontrei aqui, neste local encantador, todos os subsídios necessários a um aprendizado mais concreto e expli…

Os professores: Um “novo” objeto da investigação educacional?

Houve um tempo, afinal nem tão distante, em que a função da escola era prioritariamente ensinar disciplinas que contribuíam nos universos de cada criança, despertando-as em suas inclinações naturais, na construção de seu futuro perfil profissional e pessoal.
Também era no ambiente escolar que a criança exercitava a convivência, não só com o contrário, mas principalmente com o diferente, deixando aflorar os ensinamentos oriundos de seu núcleo familiar.
Era comum ouvir-se: “a educação vem do berço”.
E este berço, não necessariamente precisava ser abastado economicamente e muito menos letrado, pois havia os conceitos pré-estabelecidos, onde as posturas respeitavam os limites do alheio, criando-se assim normas socais de conduta, não só externa, mas antes de tudo em meio à própria família.
Nesta época a que me refiro, havia uma distinção entre as atribuições tanto da família como da escola, assim como sob nenhuma circunstância esperava-se do mestre qualquer atributo fosse materno ou paterno, a…

O FALSO BOM SAMARITANO...

Há algumas horas atrás, assistia à uma uma aula de Filsosofia da Educação, onde em determinado momento falávamos em interação com o Professor Wilson sobre justamente a humanização de nós humanos.

Cheguei a argumentar que somos incapazes de atingir esta humanização ideal exatamente por que não somos educados ao entendimento da dimensão de nossa própria existência, nem no conceito individual quanto mais em relação a um todo que sequer conseguimos enxergar e muito menos sentir.

Estamos divididos em três facções vivenciais, ou seja: aqueles que crêem em Deus e são religiosos, aqueles que crêem, mas nao são religiosos, e aqueles que não crêem.

Todos, sem exceção, vagueiam em seus cotidianos sem ter qualquer entendimento real do quanto estão desperdiçando seus minutos presentes e, sem sem se dar conta, permanecem repetindo posturas que em sua maioria no máximo os robotizam, tirando lenta, mas sistematicamente, toda e qualquer potencialidade interior que é capaz de impulsioná-los a se verem com…