Pular para o conteúdo principal

CRÍTICA OU ELOGIO, SEI LÁ...

Se somos médicos, engenheiros ou coisa e tal, parece que as pessoas não traçam, de um modo geral, perfis avaliadores ou simplesmente nem pensam que precisam fazer este ou aquele comentário a respeito de nossos desempenhos profissionais, a não ser, é claro, que fiquemos famosos para o bem ou pelo mal, para que sejamos alvo ou centro das atenções mentais de alguém.
Pois é, mas quando exercemos como ofício qualquer expressão que requeira o toque artisticamente emocional, ou seja, o que quero dizer é que de alguma forma estejamos utilizando a nossa alma como condutora de nossa expressabilidade profissional, tornam-se absolutamente necessárias as criticas, mesmo que veladas, aos escritores e, mais precisamente, aos escrivinhadores do universo, que são aqueles que, como eu, passam seus instantes presentes tão somente fazendo registros instantâneos de seus sentidos.
Nossa..., compliquei.
Bastava sintetizar, dizendo:
- Ainda bem que somos notados, nem que seja para uma crítica prá lá de desconsiderativa como, por exemplo, fui alvo nesta manhã de sábado, em que alguém me disse que o que escrevo é bem a minha cara.
E como é a minha cara?
Boa bonita, chata, aborrecida, ótima ou uma merda?
Pois é..., isto é que chamo de comentário infeliz, acerca do que escrevo, já que deduzo que para cada criatura meus escritos devam ter conotações bem distintas e nem sempre muito apreciadas, já que não me preocupo em momento algum em ser politicamente correta, não por agressão, contradição ou desconsideração aos critérios dos demais, mas tão somente porque, quando escrevo, não penso,apenas deixo fluir a tal da alma, que tudo em si tem registrado e que se permite espelhar.
Que coisa, heim!
De repente, lá vem um comentário esdrúxulo, justo por não parecer franco, camuflando-se em talvez num falso elogio, o que certamente machuca a pessoas como eu, que fazem de suas escritas um eterno poema de amor à vida e que em momento algum se prepara para a rudeza que sabe existir, tanto que descreve sempre que encontra, mas que lhe parece muito distante, assim como uma das muitas histórias que vê acontecer, bem fora do alcance magoador.
Neste instante, lembrei-me de Márcia de Windsor, jurada dos anos sessenta de Flávio Cavalcante, animador de programas de auditório. Ele era o máximo da TV, acho que TUPI. Alguém da época se lembra da loura platinada, sempre muito lindamente vestida, que só dava nota 10 aos calouros, falava manso e chamava as pessoas de meu amor?
Eu a achava maravilhosa, mas outros a consideravam uma chata metida a certinha e muito falsamente melosa.
Assim são os escritos, as encenações, as pinturas, as esculturas e todas as culturas que, afinal, refletem o melhor e o pior de seus executores.
Enfim, este tipo de pessoa se expõe, não dando muita bola pro azar, é o que pensam os outros, pois na verdade sentem muito mais profundamente todos os tipos de agressão, da mesma forma se realizam com uma pequena atenção, pois por menor que seja é sempre um enorme estímulo, como um beijo ou um afago carinhoso.
Nossa, Regina, deixa de ser piegas, tudo isso porque sua cunhada não lhe disse como é a sua cara?
E daí, pense um pouco, qual a diferença que fará, nesta altura da vida, saber se para ela sua cara e seus escritos são assim ou assado?
Um pouquinho tarde, não acha? Quarenta anos depois.... no mínimo, você deve ter compaixão para com a coitada que precisou ler por todo esse tempo o que você escreveu, tendo diante de si a sua cara. Coitada, não deve ter sido fácil se foi uma crítica, assim como foi uma fiel admiradora, se foi um elogio. Pois, cá prá nós, cunhada não é parente, de repente é só um encosto que precisamos suportar, em nome do amor familiar que precisamos manter para nos sentirmos mais amparados neste mundo de meu DEUS.
Pelo sim, pelo não, dou uma olhadinha no espelho,só para conferir a minha cara.
Ainda bem que ela me conhece o suficiente para desconsiderar o fato de que nesta manhã ela me ofereceu um gancho para mais uma escrita, afinal, confesso,estava sem inspiração.
Obrigada cunhada, e um BOM DIA, com ou sem a minha cara.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

OPRESSÃO CULTURAL

Acreditei estar me especializando na área da observação do comportamento humano e, por toda a minha vida, pensei estar aprendendo tudo quanto poderia, e, no entanto, absorvida com a diversidade infinita que me cercava e totalmente fascinada com o que majestosamente me apresentava a cada instante, me perdi totalmente, e, de repente, assim sem qualquer aviso prévio, vejo-me diante de minha não menos infinita ingenuidade avaliativa e percebo, então, o quanto nada sei em relação a capacidade humana em se adaptar às circunstâncias, ou a buscar posições favoráveis à suas conveniências pessoais de adaptabilidade social.Há alguns anos, venho tentando entender o porque de minha paixão por Itaparica, visto que conheci inúmeros outros locais, não menos bucólicos e acolhedores. E agora, como um raio de luz esclarecedor, posso compreender que em minhas buscas pessoais de aperfeiçoamento, encontrei aqui, neste local encantador, todos os subsídios necessários a um aprendizado mais concreto e expli…

Os professores: Um “novo” objeto da investigação educacional?

Houve um tempo, afinal nem tão distante, em que a função da escola era prioritariamente ensinar disciplinas que contribuíam nos universos de cada criança, despertando-as em suas inclinações naturais, na construção de seu futuro perfil profissional e pessoal.
Também era no ambiente escolar que a criança exercitava a convivência, não só com o contrário, mas principalmente com o diferente, deixando aflorar os ensinamentos oriundos de seu núcleo familiar.
Era comum ouvir-se: “a educação vem do berço”.
E este berço, não necessariamente precisava ser abastado economicamente e muito menos letrado, pois havia os conceitos pré-estabelecidos, onde as posturas respeitavam os limites do alheio, criando-se assim normas socais de conduta, não só externa, mas antes de tudo em meio à própria família.
Nesta época a que me refiro, havia uma distinção entre as atribuições tanto da família como da escola, assim como sob nenhuma circunstância esperava-se do mestre qualquer atributo fosse materno ou paterno, a…

O FALSO BOM SAMARITANO...

Há algumas horas atrás, assistia à uma uma aula de Filsosofia da Educação, onde em determinado momento falávamos em interação com o Professor Wilson sobre justamente a humanização de nós humanos.

Cheguei a argumentar que somos incapazes de atingir esta humanização ideal exatamente por que não somos educados ao entendimento da dimensão de nossa própria existência, nem no conceito individual quanto mais em relação a um todo que sequer conseguimos enxergar e muito menos sentir.

Estamos divididos em três facções vivenciais, ou seja: aqueles que crêem em Deus e são religiosos, aqueles que crêem, mas nao são religiosos, e aqueles que não crêem.

Todos, sem exceção, vagueiam em seus cotidianos sem ter qualquer entendimento real do quanto estão desperdiçando seus minutos presentes e, sem sem se dar conta, permanecem repetindo posturas que em sua maioria no máximo os robotizam, tirando lenta, mas sistematicamente, toda e qualquer potencialidade interior que é capaz de impulsioná-los a se verem com…