Pular para o conteúdo principal

NADA COMUM

Do terraço do prédio era possível de um lado apreciar a mansidão das águas da Lagoa Rodrigo de Freitas e, num girar de calcanhares, deparar-se com as ondas agitadas do mar de Ipanema e ao tombar para trás a cabeça, lá estava o céu, normalmente brilhante, a coroar toda aquela beleza.
As vezes, quero dizer muitas vezes, deitei-me de frente para o sol, até perder a visão de tanto desejar recebê-lo em minhas retinas de criança e depois, menina-moça, curiosa em desvendar o que possivelmente haveria por dentro ou através dele.
Os olhos se enchiam de mil estrelinhas escuras e piscantes, efeito devastador à qualquer visão, mas não à minha que, antes de sentir medo de uma cegueira anunciada por minha mãe, não poderia dispensar tamanho espetáculo. E se o preço fosse a cegueira, que sequer poderia avaliar, que viesse então bendita cegueira, após a felicidade suprema de penetrar o sol e, por instantes, a ele pertencer.
Fechava-os, então, deixando a mente voar por entre o imaginário de menina filha única, rapa do tacho, princesa do lar.
O vestido esvoaçante na cor azul, bem clarinho, imitando o céu, moldava o meu corpo que rodopiava por um salão imaginário, tendo o universo como piso e um galante cavalheiro sem rosto a me conduzir, bem aos moldes dos musicais americanos que impressionavam as meninas dos anos cinquenta.
Ah! só suspirando ... Afinal, ainda é bom demais até hoje poder relembrar o poder que o romantismo exercia em nossas cabecinhas.
Nada era comum ou corriqueiro, tudo era especial, sem pressa de acabar logo.
Ah! beijar era um ato que se arrastava em profundas emoções, antes de acontecer, levando-nos a ensaiar inúmeras perspectivas, pensando por todo o tempo em como seria, e depois do acontecido, permanecia mágicamente nos acompanhando, tirando a concentração, fazendo-nos percorrer fantasiosamente um mundo de lindas ilusões.
Como foi bom, meu Deus, ser uma menina nos anos cinquenta e uma linda adolescente nos anos sessenta, podendo ter como cenário constante os mistérios do mar de Ipanema, o requinte da Lagoa Rodrigo de Freitas e a aura de um Rio de Janeiro que mais parecia um principado dos contos de fadas, que o modernismo fez crescer e perder o brilho.
Fecho os olhos e, simbolicamente, fecho a cortina das recordações, podendo a qualquer momento abrí-la, como se minha mente fosse um palco e eu a diretora de cena.
Por que não?
Como é gratificante, ter o que recordar! Revive-se mil vezes grandes momentos, fantásticas lembranças, gloriosas emoções que nos tornam mais doces e tolerantes frente ao imponderável e, com certeza, mais encantados com o fato absolutamente banal de estarmos vivos.
Se adcionarmos a estas lembranças o som das músicas orquestradas por Rey Connif ou Glen Miller, bem ... aí é que a perfeição se apresenta e tudo que nos resta é simplesmente nos dobrarmos ao fato indiscutível de que, dentre tantos, somos os privilegiados e que não podemos e não devemos ocupar sob nenhuma circunstância o lugar comum, que nos dias atuais é banal e absolutamente comum.
Que o dia de hoje tenha sido suave e que o Brasil ganhe amanhã de 2x1, se bem que acho que empataremos com Portugal. Brasileiro gosta de fazer corpo mole e como já estamos classificados ..., tudo é possível.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

OPRESSÃO CULTURAL

Acreditei estar me especializando na área da observação do comportamento humano e, por toda a minha vida, pensei estar aprendendo tudo quanto poderia, e, no entanto, absorvida com a diversidade infinita que me cercava e totalmente fascinada com o que majestosamente me apresentava a cada instante, me perdi totalmente, e, de repente, assim sem qualquer aviso prévio, vejo-me diante de minha não menos infinita ingenuidade avaliativa e percebo, então, o quanto nada sei em relação a capacidade humana em se adaptar às circunstâncias, ou a buscar posições favoráveis à suas conveniências pessoais de adaptabilidade social.Há alguns anos, venho tentando entender o porque de minha paixão por Itaparica, visto que conheci inúmeros outros locais, não menos bucólicos e acolhedores. E agora, como um raio de luz esclarecedor, posso compreender que em minhas buscas pessoais de aperfeiçoamento, encontrei aqui, neste local encantador, todos os subsídios necessários a um aprendizado mais concreto e expli…

Os professores: Um “novo” objeto da investigação educacional?

Houve um tempo, afinal nem tão distante, em que a função da escola era prioritariamente ensinar disciplinas que contribuíam nos universos de cada criança, despertando-as em suas inclinações naturais, na construção de seu futuro perfil profissional e pessoal.
Também era no ambiente escolar que a criança exercitava a convivência, não só com o contrário, mas principalmente com o diferente, deixando aflorar os ensinamentos oriundos de seu núcleo familiar.
Era comum ouvir-se: “a educação vem do berço”.
E este berço, não necessariamente precisava ser abastado economicamente e muito menos letrado, pois havia os conceitos pré-estabelecidos, onde as posturas respeitavam os limites do alheio, criando-se assim normas socais de conduta, não só externa, mas antes de tudo em meio à própria família.
Nesta época a que me refiro, havia uma distinção entre as atribuições tanto da família como da escola, assim como sob nenhuma circunstância esperava-se do mestre qualquer atributo fosse materno ou paterno, a…

O FALSO BOM SAMARITANO...

Há algumas horas atrás, assistia à uma uma aula de Filsosofia da Educação, onde em determinado momento falávamos em interação com o Professor Wilson sobre justamente a humanização de nós humanos.

Cheguei a argumentar que somos incapazes de atingir esta humanização ideal exatamente por que não somos educados ao entendimento da dimensão de nossa própria existência, nem no conceito individual quanto mais em relação a um todo que sequer conseguimos enxergar e muito menos sentir.

Estamos divididos em três facções vivenciais, ou seja: aqueles que crêem em Deus e são religiosos, aqueles que crêem, mas nao são religiosos, e aqueles que não crêem.

Todos, sem exceção, vagueiam em seus cotidianos sem ter qualquer entendimento real do quanto estão desperdiçando seus minutos presentes e, sem sem se dar conta, permanecem repetindo posturas que em sua maioria no máximo os robotizam, tirando lenta, mas sistematicamente, toda e qualquer potencialidade interior que é capaz de impulsioná-los a se verem com…