Pular para o conteúdo principal

TESÃO E EMOÇÃO

Para quem me conhece um pouco mais na intimidade, sabe que sou uma pessoa bastante liberada quanto a falar e escrever determinados assuntos que ainda são considerados tabus, até porque nesta minha área de trabalho, em que busco um maior entendimento das emoções humanas, seria sem lógica qualquer negação a assuntos absolutamente integrados à maioria delas e que determinam posturas mentais que formam as físicas.
Hoje, por exemplo, acordei pensando no quanto a prática do sexo é de fundamental importância no contexto vivencial das criaturas, entretanto, mais do que o volume da prática, está a qualidade deste sexo no seu contexto interativo na junção corpo e mente, sem que necessariamente coexista o amor como aditivo principal, todavia, com a presença indispensável da atração amorosa, o que certamente é diferente de um compromisso de continuidade, mas sim a garantia de uma aproximação mais afetuosa e, portanto, respeitosa.
Penso, então, em nossos jovens e nas suas práticas sexuais, que a meu ver são geradoras de inúmeras futuras patologias psicológicas e físicas, pois são práticas destituidas de afetuosidade, e o que é pior, sem mesmo o entendimento orgástico, que se houvesse pelo menos serviria de liberação à ansiedade compulsiva na qual nossas ainda crianças já vivenciam nesta corrida vivencial de experimentar sem limites tudo quanto a pseuda-liberdade sem parâmetros oferece.
Sepultados os valores respeitosos a si mesmo, sobram o modismo e a inconsequência, deixando nossos jovens à deriva com seus hormônios sem controle à mercê de consequências das quais não estão estruturados para enfrentar, e como zumbis desfilam nas baladas, ou aonde houver possibilidades, suas tristes e melancólicas experiências sexuais sem qualquer traço de ternura, a começar pelo beijo, que nos dias atuais é medido em quantidade justo pelo volume praticado, perdendo assim o privilégio de ser o poderoso selecionador que determinaria se o par seria ou não afim, para que houvesse mais adiante uma continuidade afetuosa que levaria, ou não, a uma intimidade sexual.
Necessário se faz uma reformulação na aplicabilidade das orientações sexuais nas escolas, onde os pais pudessem e devessem participar, introduzindo valores e alguns pudores que não poderiam ter sido desprezados, como o respeito aos sentimentos, atráves do respeito ao corpo, dando a ambos a merecida consideração.
Como é possível que haja um encontro saudável e gratificante entre esta garotada ainda tão necessitada da ingestão de dados identificatórios quanto às suas preferências e necessidades, se buscam em uma só ocasião bocas e beijos num desprestígio gigantesco quanto às suas reais afinidades?
Aliás, eles, provavelmente, sequer sabem o que isto significa, ficando restritos à vaidade pessoal da disputa pela quantidade ou, o que ainda é pior, pela indiferença pelo ato em si, seja de beijar, acariciar ou transar, como gostam de se expressar.
Nas escolas e nos lares, hoje ou há quarenta anos atrás, pouca coisa mudou em termos de esclarecimento, a não ser, é claro, pela presença da camisinha e da pílula, ficam nossas crianças e adolescentes ainda como no passado, entregues ao curso intensivo fornecido pelos colegas, internete, revistas e nas desastrosas experiências pessoais que antecipam situações totalmente desnecessárias.
A melancolia da precocidade transforma-se rapidamente em distúrbios irreversíveis à estruturação desses jovens, certamente fazendo deles, em breve futuro, pessoas tristes e descrentes, sem o poder mágico da pura e expontânea sedução, que nada tem haver com liberdade exacerbada e muito menos quantidade.
Afinal, tesão e emoção estimulam a ternura que reside em cada criatura humana e se isto não está ocorrendo é sinal que o amor, sentimento maior, corre também perigo de extinção.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

OPRESSÃO CULTURAL

Acreditei estar me especializando na área da observação do comportamento humano e, por toda a minha vida, pensei estar aprendendo tudo quanto poderia, e, no entanto, absorvida com a diversidade infinita que me cercava e totalmente fascinada com o que majestosamente me apresentava a cada instante, me perdi totalmente, e, de repente, assim sem qualquer aviso prévio, vejo-me diante de minha não menos infinita ingenuidade avaliativa e percebo, então, o quanto nada sei em relação a capacidade humana em se adaptar às circunstâncias, ou a buscar posições favoráveis à suas conveniências pessoais de adaptabilidade social.Há alguns anos, venho tentando entender o porque de minha paixão por Itaparica, visto que conheci inúmeros outros locais, não menos bucólicos e acolhedores. E agora, como um raio de luz esclarecedor, posso compreender que em minhas buscas pessoais de aperfeiçoamento, encontrei aqui, neste local encantador, todos os subsídios necessários a um aprendizado mais concreto e expli…

Os professores: Um “novo” objeto da investigação educacional?

Houve um tempo, afinal nem tão distante, em que a função da escola era prioritariamente ensinar disciplinas que contribuíam nos universos de cada criança, despertando-as em suas inclinações naturais, na construção de seu futuro perfil profissional e pessoal.
Também era no ambiente escolar que a criança exercitava a convivência, não só com o contrário, mas principalmente com o diferente, deixando aflorar os ensinamentos oriundos de seu núcleo familiar.
Era comum ouvir-se: “a educação vem do berço”.
E este berço, não necessariamente precisava ser abastado economicamente e muito menos letrado, pois havia os conceitos pré-estabelecidos, onde as posturas respeitavam os limites do alheio, criando-se assim normas socais de conduta, não só externa, mas antes de tudo em meio à própria família.
Nesta época a que me refiro, havia uma distinção entre as atribuições tanto da família como da escola, assim como sob nenhuma circunstância esperava-se do mestre qualquer atributo fosse materno ou paterno, a…

O FALSO BOM SAMARITANO...

Há algumas horas atrás, assistia à uma uma aula de Filsosofia da Educação, onde em determinado momento falávamos em interação com o Professor Wilson sobre justamente a humanização de nós humanos.

Cheguei a argumentar que somos incapazes de atingir esta humanização ideal exatamente por que não somos educados ao entendimento da dimensão de nossa própria existência, nem no conceito individual quanto mais em relação a um todo que sequer conseguimos enxergar e muito menos sentir.

Estamos divididos em três facções vivenciais, ou seja: aqueles que crêem em Deus e são religiosos, aqueles que crêem, mas nao são religiosos, e aqueles que não crêem.

Todos, sem exceção, vagueiam em seus cotidianos sem ter qualquer entendimento real do quanto estão desperdiçando seus minutos presentes e, sem sem se dar conta, permanecem repetindo posturas que em sua maioria no máximo os robotizam, tirando lenta, mas sistematicamente, toda e qualquer potencialidade interior que é capaz de impulsioná-los a se verem com…