Pular para o conteúdo principal

AS CORES DE TODOS NÓS

Meus escritos são embasados primeiro no que acumulei de bagagem de experiências pessoais ao longo de minha vida, assim como concomitantemente fui capaz de absorver através de uma infinidade de informações que fui recebendo.
Atualmente, minha maior fornecedora de subsídios é justo minha querida filha, que diariamente, ao chegar, após a realização de mais um dia de trabalho junto às comunidades de Vera Cruz, como supervisora do IBGE, normalmente consternada, relata a míséria e o abandono que presencia, mal podendo admitir para o seu racional que tudo isto acontece tão próximo de todos nós.
Ontem, por exemplo, ela estava absolutamente atônita, frente à pobreza e a rudeza com a qual se defrontou logo alí, acerca de mais ou menos 200 metros da rodovia principal, na estrada para o distrito de Baiacu, em um beco que chamam de rua, tudo sem eira nem beira, onde seres humanos convivem com o lixo em toda a sua expressabilidade, levando a qualquer pessoa com um mínimo de respeito pela vida se sentir muito mal e inconformada com a incompetência ou descaso público, que mal e porcamente pinta o aparente, mantendo todas as reais e prioritárias necessidades escondidinhas à meio palmo de todos nós.
OH! MEU PAI...
Onde estais que não és enxergado por estes carentes tão necessitados de tua atenção?
Este é apenas um entre muitos outros que ela vem com espanto, tristeza e desilusão me relatar em sua ainda ingênua credulidade em não compreender que secretários, assessores e o próprio gestor, desconhecem tão triste realidade, precisando que eu a lembrasse que nas eleições todos, sem exceção, por lá passaram olhando sem enxergar e, afinal, em suas cotas de sacrifícios pessoais, aguentaram o cheiro forte da sujeira, pois a prioridade maior era o voto do inocente útil.
Enquanto escrevo, recebo mais uma triste informação através da Sra.Marinalva Riguau de Lima, Técnica Administrativa do DERBA, de que a operação retiro de placas ao longo da BA-OO1, que no momento mobiliza todas os interessados, está ocorrendo em atendimento a um pedido do Prefeito Magno.
Se isto for verdade, e deve ser, pois afinal uma operação desta grandeza não ocorreria sem que, no mínimo, a Secretaria de Obras de Vera Cruz fosse notificada pela assessoria de obras do DERBA, e muito menos a referida funcionária se daria ao primarismo em fornecer esta informação que notoriamente causaria polêmicas.
Em vista à tantas outras dolorosas prioridades que de verdade enfeiam não só o minicípio, mas afrontam a dignidade de muitos munícipes, creio, assim como muitos outros, como o Sr. Roberto, diretor do Variedades, pode constatar, que esta é tão somente mais uma ação movida no mínimo por um total despreparo político, que pode representar uma queda de uma popularidade que já se encontra abaladíssima.
A pergunta que fica é:
Por que algumas não foram retiradas?
Segundo a própria funcionária do DERBA, é porque estes entraram na Justiça e que até o momento nenhuma decisão judicial foi oferecida.
Não seria, então, o caso de terem esperado um pouco mais, afinal se ganham automaticamente seus benefícios se estenderão aos demais.
AH! assessoria fraca é um terror para qualquer político carreirista.!!!!!
UMA COISA PUXA OUTRA e quando o cheiro é ruim se alastra ainda mais rapidamente, o que é uma pena, pois, afinal, todos nós com um pouco de bom senso sempre torcemos muito para que as ações governistas de nossa Ilha acontecessem e dessem
certo, despindo-nos, apesar da maioria obtusa não acreditar, não existir partidarismos idiotas e ignorâncias sistêmicas.
Pois quando se trata de um contexto maior onde o todo é observado e respeitado, não pode existir preferências de cores, afinal a bandeira é a brasileira e nela, o verde, o amarelo, o azul e o branco é que nos interessam.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

OPRESSÃO CULTURAL

Acreditei estar me especializando na área da observação do comportamento humano e, por toda a minha vida, pensei estar aprendendo tudo quanto poderia, e, no entanto, absorvida com a diversidade infinita que me cercava e totalmente fascinada com o que majestosamente me apresentava a cada instante, me perdi totalmente, e, de repente, assim sem qualquer aviso prévio, vejo-me diante de minha não menos infinita ingenuidade avaliativa e percebo, então, o quanto nada sei em relação a capacidade humana em se adaptar às circunstâncias, ou a buscar posições favoráveis à suas conveniências pessoais de adaptabilidade social.Há alguns anos, venho tentando entender o porque de minha paixão por Itaparica, visto que conheci inúmeros outros locais, não menos bucólicos e acolhedores. E agora, como um raio de luz esclarecedor, posso compreender que em minhas buscas pessoais de aperfeiçoamento, encontrei aqui, neste local encantador, todos os subsídios necessários a um aprendizado mais concreto e expli…

Os professores: Um “novo” objeto da investigação educacional?

Houve um tempo, afinal nem tão distante, em que a função da escola era prioritariamente ensinar disciplinas que contribuíam nos universos de cada criança, despertando-as em suas inclinações naturais, na construção de seu futuro perfil profissional e pessoal.
Também era no ambiente escolar que a criança exercitava a convivência, não só com o contrário, mas principalmente com o diferente, deixando aflorar os ensinamentos oriundos de seu núcleo familiar.
Era comum ouvir-se: “a educação vem do berço”.
E este berço, não necessariamente precisava ser abastado economicamente e muito menos letrado, pois havia os conceitos pré-estabelecidos, onde as posturas respeitavam os limites do alheio, criando-se assim normas socais de conduta, não só externa, mas antes de tudo em meio à própria família.
Nesta época a que me refiro, havia uma distinção entre as atribuições tanto da família como da escola, assim como sob nenhuma circunstância esperava-se do mestre qualquer atributo fosse materno ou paterno, a…

O FALSO BOM SAMARITANO...

Há algumas horas atrás, assistia à uma uma aula de Filsosofia da Educação, onde em determinado momento falávamos em interação com o Professor Wilson sobre justamente a humanização de nós humanos.

Cheguei a argumentar que somos incapazes de atingir esta humanização ideal exatamente por que não somos educados ao entendimento da dimensão de nossa própria existência, nem no conceito individual quanto mais em relação a um todo que sequer conseguimos enxergar e muito menos sentir.

Estamos divididos em três facções vivenciais, ou seja: aqueles que crêem em Deus e são religiosos, aqueles que crêem, mas nao são religiosos, e aqueles que não crêem.

Todos, sem exceção, vagueiam em seus cotidianos sem ter qualquer entendimento real do quanto estão desperdiçando seus minutos presentes e, sem sem se dar conta, permanecem repetindo posturas que em sua maioria no máximo os robotizam, tirando lenta, mas sistematicamente, toda e qualquer potencialidade interior que é capaz de impulsioná-los a se verem com…