Pular para o conteúdo principal

EXCLUSIVISMO BURRO...

Hoje, enquanto preparava o café, na companhia de meus cães, e gozando do silêncio bendito da ainda madrugada, lembrei-me de um fato que ocorreu em l965, quando então eu tinha l5 anos e uma onda de assaltos noturnos passou a nortear as mentes e vidas dos moradores da Rua Barão da Torre, em Ipanema, Rio de Janeiro, local onde nasci e me criei.
Até então, ladrão era coisa de que só se tinha conhecimento através de jornais sanguinolentos, como, por exemplo, O DIA, que afinal era proibido nas casas de gente de bem, pois era o estereótipo da coisa ruim, que não deveria fazer parte do dia-a-dia de uma família respeitável, mas que o meu pai, como eterno contrariador, comprava e deixava sempre largado em algum sofá, o que despertava em minha mãe muita contrariedade, visto ser ela era partidária de não se contaminar as vistas e, consequentemente, a mente com o triste ou desagradável, ao contrário de meu pai, que achava que os filhos deveriam conhecer o lado escuro das intensões e ações humanas.
Esta postura de meu pai, inclusive sempre tentando responder as minhas perguntas em relação à capacidade humana em torturar e matar, não só o seu semelhante como a si e ao tudo que via e tocava, provavelmente teve alguma influência neste gosto que sempre demonstrei em adentrar nos meandros das posturas e emoções.
Bem, voltando à onda de ladrões, pouco tempo depois, em conversas nas portas dos prédios e casas, chegou-se à conclusão que não se tratava de ladrões e sim de um ladrão, pois o "modus operandis" era sempre igual.
Imaginem, ele roubava roupas esquecidas que estendidas no varal passavam a noite no sereno. Seria o ladrão de galinhas que ainda hoje existe a nos atormentar, sem, é claro, estar no uso permanente do crack, que, afinal, faz os de hoje um perigo em potencial.
Lembro-me que foi formada uma comissão de três moradores que motivaram aos demais à pagar uma pequena taxa mensal para se colocar um guarda-noturno.
Quem ainda se lembra desta figura emblemática que, com um apito, circulava com o intutuito de espantar ladrão?
Pois é... em pouco tempo o ladrão foi detido e a paz retornou às nossas vidas.
Bons tempos, onde os ladrões eram notoriamente de galinhas, os crimes em sua maioria eram de fundo passional e político safado se esforçava e muito para não ser descoberto, pois existia um respeito pela imagem pública, que quando perdida, ou até mesmo ameaçada, podia levar ao suicídio.
Parece coisa de gente velha, lembrar de fatos do passado, e de certa forma o é, afinal, jovem não tem passado para lembrar, cabendo aos velhos a incumbência dos registros, sejam históricos ou simplesmente posturais das épocas que certamente norteiam os jovens a traçar parâmetros nos seus presentes e caminhadas futuras.
Tantas lembranças não teriam sentido maior se não estivessem atreladas a um presente que aborrece, incomoda e que nos leva a fingir por todo o tempo que não percebemos as mudanças, que apesar de seu lado evolutivo e, portanto, natural, se mesclam à uma distorção assustadora de valores e conceitos que veio minando sorrateiramente a princípio e que agora, de uns anos para cá, parece que vem se escrachando de uma forma tão consistente que não levanta mais sequer polêmicas, pois que tudo de verdade está diferente, sem alma, sem coração e, consequentemente, sem respeito aos demais.
O que na realidade resgatei foi a lembrança de uma rua com moradores solidários, participativos, que mesmo não se frequentando nas intimidades, mantinham o bem não como comum, mas absolutamente em comum, e não como se vê hoje em dia em que os bons e decentes cidadãos nâo estão nem aí, para o que ocorre com o seu vizinho, sua rua, seu bairro, sua cidade e muito menos seu país, em um exclusivismo egoísta e burro.
Tenho percebido que somente os mais velhos ainda se ressentem pela solidão social em que se encontram, pois os mais jovens, absolutamente integrados aos seus novos valores, nem se apercebem do abismo que, certamente, mais cedo ou mais tarde, fatalmente se verá despencando, sem, no entanto, ter tido o privilégio de perceber lembranças de tempos onde, apesar dos pesares, ainda se podia sentir um pouco de humanidade nesta sofrida e hoje desnorteada humanidade.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

OPRESSÃO CULTURAL

Acreditei estar me especializando na área da observação do comportamento humano e, por toda a minha vida, pensei estar aprendendo tudo quanto poderia, e, no entanto, absorvida com a diversidade infinita que me cercava e totalmente fascinada com o que majestosamente me apresentava a cada instante, me perdi totalmente, e, de repente, assim sem qualquer aviso prévio, vejo-me diante de minha não menos infinita ingenuidade avaliativa e percebo, então, o quanto nada sei em relação a capacidade humana em se adaptar às circunstâncias, ou a buscar posições favoráveis à suas conveniências pessoais de adaptabilidade social.Há alguns anos, venho tentando entender o porque de minha paixão por Itaparica, visto que conheci inúmeros outros locais, não menos bucólicos e acolhedores. E agora, como um raio de luz esclarecedor, posso compreender que em minhas buscas pessoais de aperfeiçoamento, encontrei aqui, neste local encantador, todos os subsídios necessários a um aprendizado mais concreto e expli…

Os professores: Um “novo” objeto da investigação educacional?

Houve um tempo, afinal nem tão distante, em que a função da escola era prioritariamente ensinar disciplinas que contribuíam nos universos de cada criança, despertando-as em suas inclinações naturais, na construção de seu futuro perfil profissional e pessoal.
Também era no ambiente escolar que a criança exercitava a convivência, não só com o contrário, mas principalmente com o diferente, deixando aflorar os ensinamentos oriundos de seu núcleo familiar.
Era comum ouvir-se: “a educação vem do berço”.
E este berço, não necessariamente precisava ser abastado economicamente e muito menos letrado, pois havia os conceitos pré-estabelecidos, onde as posturas respeitavam os limites do alheio, criando-se assim normas socais de conduta, não só externa, mas antes de tudo em meio à própria família.
Nesta época a que me refiro, havia uma distinção entre as atribuições tanto da família como da escola, assim como sob nenhuma circunstância esperava-se do mestre qualquer atributo fosse materno ou paterno, a…

O FALSO BOM SAMARITANO...

Há algumas horas atrás, assistia à uma uma aula de Filsosofia da Educação, onde em determinado momento falávamos em interação com o Professor Wilson sobre justamente a humanização de nós humanos.

Cheguei a argumentar que somos incapazes de atingir esta humanização ideal exatamente por que não somos educados ao entendimento da dimensão de nossa própria existência, nem no conceito individual quanto mais em relação a um todo que sequer conseguimos enxergar e muito menos sentir.

Estamos divididos em três facções vivenciais, ou seja: aqueles que crêem em Deus e são religiosos, aqueles que crêem, mas nao são religiosos, e aqueles que não crêem.

Todos, sem exceção, vagueiam em seus cotidianos sem ter qualquer entendimento real do quanto estão desperdiçando seus minutos presentes e, sem sem se dar conta, permanecem repetindo posturas que em sua maioria no máximo os robotizam, tirando lenta, mas sistematicamente, toda e qualquer potencialidade interior que é capaz de impulsioná-los a se verem com…