Pular para o conteúdo principal

SIMPLES REFLEXÃO...

Finda a campanha política, aliviada as tensões das urnas, seja pela vitória ou pela derrota, vi surgir ao longo da experiência de vida, uma nova tensão, bem mais devastadora, que é esperar a posse do eleito e a saída do perdedor, se bem que neste caso, a tensão em maior número começa antes das urnas, pois pelo sim pelo não, três meses antes, o enxugamento começa a ser feito, desempregando e naturalmente deixando um sem número de pessoas que são eleitores a ver navios. O que significa, votos perdidos. Nunca entendi, mas vamos lá... Já o ganhador, nem mal fecharam-se as urnas, já se vê com uma batata quente nas mãos, afinal, como acomodar todos que dele esperam uma compensação? E esta situação vai se agravando até a posse, já que os mais próximos, começam a disputar entre si os cargos de maior expressão e, é claro, também salário. Tudo muito sorrateiro e articulado, e seja quem vier a ocupar os referidos cargos, alguém sempre ficará insatisfeito e se sentindo preterido, isto sem falar na legião que nada consegue, mas que admite muito contrariado que a vida é assim e não há cargos para todo mundo e blá, blá, blá de convencimento próprio. Bem, mas o tempo vai passando e a criatura vai se convencendo que, afinal, sua vida pouco ou nada mudou, porque de repente, todas as benécias que esperava para si ou pelo menos para a sua rua ou bairro, estão acontecendo para outro, não entendendo esta tal de prioridade que seu candidato justifica. O tempo vai passando e ele se vê na mesma realidade de vida, isto se não piorar em alguns aspectos, e ela então começa a desenvolver um sentimento latente de abandono e vê-se lenta e gradativamente surgir a mágoa por ter sido esquecida. E aí, não importa o bem geral que seu candidato ao longo do tempo ofereceu, a criatura está magoada e enxerga tudo muito ruim, afinal, ela particularmente, nada conseguiu, e isto, no frigir dos ovos, é tudo que importa e nem se apercebe que o seu candidato usou exatamente esta mágoa para convencê-lo com novas perspectivas, e o ciclo do prometer e não cumprir recomeça, garantindo vitórias e futuras mágoas que na política brasileira é chamado de vitória da renovação. Às vezes o político é tão bom de convencimento que até consegue espichar por mais um mandato o seu poder de argumentação, mas rapaz, findo este prazo, a galera está tão frustrada e magoada que se pudesse, queimava em praça pública o safado que o enganou. Antes de dizerem isto ou aquilo, reflitam um segundo e digam se estou totalmente delirante. E quanto a honestidade... Que decência é esta que permanece calada frente aos desmandos de um político? Nos trâmites públicos, não há como fazer trambiques sozinho, tudo é muito burocrático e passa pelas mãos e mentes de muita gente. Por que ninguém denuncia? Raros minguados exemplos em nosso país varonil e, assim mesmo, porque o delator foi sacaneado de alguma forma. Bem, esta análise primária vem me convencendo no decorrer de minha vida que a corrupção é pessoal e se alastra como líquido derramado ladeira a baixo, justo porque encontra declive no qual escorrer, jogando por terra a conversa fiada de que somos um povo honesto e sofredor e que agora, desta vez, estaremos finalmente, prestes a colocar o país, o estado ou nossa cidade nos trilhos limpos da corrupção. Enquanto cada vereador não cumprir o seu papel, buscando conferir valores contratados nas licitações e compará-los ao preço médio de mercado, enquanto as referidas empresas não forem devidamente checadas em suas origens e domicílios, enquanto não formarem comissões sistemáticas de vigilância nos postos de saúde, escolas e etc., a ladainha continuará a mesma e enquanto os moradores das comunidades, também não formarem suas comissões de vigilância e cobrança dos vereadores, os esquemas desonestos de trocas de favores, superfaturamentos, empresas fantasmas ou com laranjas e pagamentos de propinas se perpetuarão, fazendo de cada cidadão brasileiro, tão somente um babacão que pensa com o ego de suas vaidades, necessidades ou ambas, o que garante a medalha de maior em tudo, inclusive na hipocrisia. Respondam para si mesmo, uma única pergunta: - Por que da necessidade de um candidato fazer um maior número de vereadores se a função deles é justamente fiscalizar, legislando em favor do Município e de seus cidadãos? Percebem a sutileza da inversão de valores? Daí a explicação simples para a fome e a miséria, a violência sempre crescente e a indignidade vivencial de uma legião de pessoas iletradas que se agarram a qualquer brisa de esperança, pois é tudo que lhes resta. Culpá-los? Jamais. Apenas educa-los para que um dia, quem sabe, possam perceber a imensa incoerência que representa o seu modo de viver em relação a todo e qualquer político deste país varonil. Esse papo de que o Brasil está mudando e que o povo está deixando de ser bobo, é mais uma falácia de grupos políticos que tão somente explodem um punhado de merda no ventilador, certamente para colocar outra na gaveta. Esse filme é bastante conhecido e já foi rodado com outros personagens alguma vezes na história de nosso país, só não houve e hoje existe, o que já é inédito, um JUIZ MORO para melar um pouco esta nova versão. Mas brasileiro prima por ser Mandrake e com certeza, já tem um plano B, C, D, para as eventualidades incômodas. Político Santinhos e ilibados e sem acordos de bastidores e Eleitor que pensa no coletivo? Ainda estou pagando para conhecer...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

OPRESSÃO CULTURAL

Acreditei estar me especializando na área da observação do comportamento humano e, por toda a minha vida, pensei estar aprendendo tudo quanto poderia, e, no entanto, absorvida com a diversidade infinita que me cercava e totalmente fascinada com o que majestosamente me apresentava a cada instante, me perdi totalmente, e, de repente, assim sem qualquer aviso prévio, vejo-me diante de minha não menos infinita ingenuidade avaliativa e percebo, então, o quanto nada sei em relação a capacidade humana em se adaptar às circunstâncias, ou a buscar posições favoráveis à suas conveniências pessoais de adaptabilidade social.Há alguns anos, venho tentando entender o porque de minha paixão por Itaparica, visto que conheci inúmeros outros locais, não menos bucólicos e acolhedores. E agora, como um raio de luz esclarecedor, posso compreender que em minhas buscas pessoais de aperfeiçoamento, encontrei aqui, neste local encantador, todos os subsídios necessários a um aprendizado mais concreto e expli…

Os professores: Um “novo” objeto da investigação educacional?

Houve um tempo, afinal nem tão distante, em que a função da escola era prioritariamente ensinar disciplinas que contribuíam nos universos de cada criança, despertando-as em suas inclinações naturais, na construção de seu futuro perfil profissional e pessoal.
Também era no ambiente escolar que a criança exercitava a convivência, não só com o contrário, mas principalmente com o diferente, deixando aflorar os ensinamentos oriundos de seu núcleo familiar.
Era comum ouvir-se: “a educação vem do berço”.
E este berço, não necessariamente precisava ser abastado economicamente e muito menos letrado, pois havia os conceitos pré-estabelecidos, onde as posturas respeitavam os limites do alheio, criando-se assim normas socais de conduta, não só externa, mas antes de tudo em meio à própria família.
Nesta época a que me refiro, havia uma distinção entre as atribuições tanto da família como da escola, assim como sob nenhuma circunstância esperava-se do mestre qualquer atributo fosse materno ou paterno, a…

O FALSO BOM SAMARITANO...

Há algumas horas atrás, assistia à uma uma aula de Filsosofia da Educação, onde em determinado momento falávamos em interação com o Professor Wilson sobre justamente a humanização de nós humanos.

Cheguei a argumentar que somos incapazes de atingir esta humanização ideal exatamente por que não somos educados ao entendimento da dimensão de nossa própria existência, nem no conceito individual quanto mais em relação a um todo que sequer conseguimos enxergar e muito menos sentir.

Estamos divididos em três facções vivenciais, ou seja: aqueles que crêem em Deus e são religiosos, aqueles que crêem, mas nao são religiosos, e aqueles que não crêem.

Todos, sem exceção, vagueiam em seus cotidianos sem ter qualquer entendimento real do quanto estão desperdiçando seus minutos presentes e, sem sem se dar conta, permanecem repetindo posturas que em sua maioria no máximo os robotizam, tirando lenta, mas sistematicamente, toda e qualquer potencialidade interior que é capaz de impulsioná-los a se verem com…