Pular para o conteúdo principal

O GRITO DA LIBERDADE

A partir de janeiro de 2017, a Ilha de Itaparica estará sob a batuta de dois jovens, absolutamente distintos em suas naturezas históricas pessoais, mas absolutamente ligados em propósitos similares, representando uma parcela do povo brasileiro que não aguenta mais o “pot-pourri” de desmandos que vem assolando de forma sistêmica e desavergonhada o erário público. Particularmente nos meus mais de quarenta anos de carreira, jamais encontrei nas pessoas tanta vontade de rasgar o espesso pano da vergonha nacional que pode ser encontrada em cada minúsculo recanto deste país, lesando de forma cruel a soberania do estado de direito de cada cidadão. Não foi preciso nenhuma revolução, armas ou quebradeiras, tão somente, a luz da consciência de cada cidadão, que disse BASTA. Aqui na Ilha, não seria diferente, e no embalo nacional de buscar uma espécie de redenção, por tantas décadas de opressão, o povo votou de forma emocional, fazendo de cada voto um grito de liberdade pessoal, compreendendo, finalmente, o poder que cada um representa no contexto geral e que no somatório é capaz de grandes mudanças. Impossível continuar convivendo com os desmandos de todas as espécies, até porquê, as economias minguaram, secando pelo menos em parte a fonte saudável do desenvolvimento que abriga a nutrição de instituições bases do desenvolvimento, acolhimento e amparo do povo, tornando-se necessário um estancamento urgente que veio através do grito de liberdade de cada cidadão que buscou em seus candidatos o socorro necessário e urgente. É bonito de se ver e é emocionante compreender a grandeza do que aconteceu no dia 2 de outubro e que, certamente, marca um divisor de águas nos propósitos políticos e nos anseios do povo, e harmonizar estes discursos exigirá de cada eleito, seja no legislativo ou executivo, cojones para o enfrentamento com um sistema viciado que tentará de tudo para permanecer intocável, a começar pelos acordos feitos em relação as custas das campanhas e que se estende na mentalidade cada cidadão, que apesar de querer ser livre e ver a corrupção expurgada, ainda espera alguma compensação pela sua lealdade, já que também é impossível transformações instantâneas de vícios comportamentais. Todavia, o passo inicial foi dado pelo capitão de cada time em cada recanto deste nosso país varonil e, doravante, somente o exercício diário da cidadania, da participação da população e da transparência administrativa, fará ao longo tempo sucumbir o mau caratismo, com o nome simpático de jeitinho brasileiro, para quem sabe, num futuro não muito distante, possamos ocupar um lugar de destaque de qualidade e prosperidade no cenário mundial. Pois enquanto existir a fome e a miséria, existirão também a escravidão e a indignidade humana. Apenas é preciso cuidado para no afã das mudanças necessárias, não se ser injusto colocando-se de forma não menos cruel todo o joio no cesto de trigo de boa qualidade. Serenidade é a chave básica para o sucesso das grandes mudanças. Não há gloria, onde não há respeito.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

OPRESSÃO CULTURAL

Acreditei estar me especializando na área da observação do comportamento humano e, por toda a minha vida, pensei estar aprendendo tudo quanto poderia, e, no entanto, absorvida com a diversidade infinita que me cercava e totalmente fascinada com o que majestosamente me apresentava a cada instante, me perdi totalmente, e, de repente, assim sem qualquer aviso prévio, vejo-me diante de minha não menos infinita ingenuidade avaliativa e percebo, então, o quanto nada sei em relação a capacidade humana em se adaptar às circunstâncias, ou a buscar posições favoráveis à suas conveniências pessoais de adaptabilidade social.Há alguns anos, venho tentando entender o porque de minha paixão por Itaparica, visto que conheci inúmeros outros locais, não menos bucólicos e acolhedores. E agora, como um raio de luz esclarecedor, posso compreender que em minhas buscas pessoais de aperfeiçoamento, encontrei aqui, neste local encantador, todos os subsídios necessários a um aprendizado mais concreto e expli…

Os professores: Um “novo” objeto da investigação educacional?

Houve um tempo, afinal nem tão distante, em que a função da escola era prioritariamente ensinar disciplinas que contribuíam nos universos de cada criança, despertando-as em suas inclinações naturais, na construção de seu futuro perfil profissional e pessoal.
Também era no ambiente escolar que a criança exercitava a convivência, não só com o contrário, mas principalmente com o diferente, deixando aflorar os ensinamentos oriundos de seu núcleo familiar.
Era comum ouvir-se: “a educação vem do berço”.
E este berço, não necessariamente precisava ser abastado economicamente e muito menos letrado, pois havia os conceitos pré-estabelecidos, onde as posturas respeitavam os limites do alheio, criando-se assim normas socais de conduta, não só externa, mas antes de tudo em meio à própria família.
Nesta época a que me refiro, havia uma distinção entre as atribuições tanto da família como da escola, assim como sob nenhuma circunstância esperava-se do mestre qualquer atributo fosse materno ou paterno, a…
SURREAL, na falta de uma palavra mais adequada para definir o espetáculo das diferenças sistêmicas que se apresentou no Paço municipal de Itaparica, nesta manhã de 15 de janeiro de 2018, quando da posse da nova Secretária de saúde, senhora Estela de Souza. Minhas observações são resultadas de um espanto generalizado de uma representação pra lá de inimaginável em uma terra abandonada pelos poderes públicos e que, como resultado, fez nascer e se desenvolver um povo acanhado, sofrido e marginalizado, incapaz de ter voz ativa associado à sensatez da busca do que acredita ser os seus direitos. Enquanto, uma elite frajola, elegante, cheirosa e desconhecida à cidade e ignorante das reais necessidades da mesma, discursava no salão imperial, aplaudindo a si mesmo, meia dúzia de oposicionistas gritavam palavras de ordem em nome de um povo acovardado que se escondia atrás de muros e janelas, incapazes de ter voz ativa, além do anonimato das esquinas, bares e corredores, numa expressividade indubi…