quinta-feira, 15 de setembro de 2016

CHUMBO TROCADO NÃO DÓI


Pelo menos não deveria doer, ainda mais em época eleitoral, mas não é assim que acontece, provavelmente por falta de consistência de propósitos reais, ao longo do tempo, desviar-se do foco, transformou os discursos em batalhas verbais tão inconsistentes, quanto inúteis a qualquer orientação ou propósito sério aos cidadãos.
Cada item falado é um genérico mesclado com uma dosagem adocicada de emoção que confunde e fatalmente engana, levando o povo, em sua maioria simples, a conclusões eufóricas, fazendo das pessoas marionetes de uma sempre desejada glória que se perpetua, tão somente, como esperança circense dos espetáculos repetitivos, que chamam de democracia, pena que seja sempre reservada à poucos.
E junto a este toma lá, dá cá de abusos e agressões, inserem-se os “vou fazer”, mas sempre sem dizer como, não esquecendo jamais da reafirmação do “nada foi feito” e do “tá tudo destruído”, golpe final de misericórdia nos corações sofridos dos mais humildes, atingidos em cheio nas frustrações, absolutamente presentes nas realidades de cada um dos espectadores, que inflamados pelos também sempre presentes animadores de torcida, se contorcem em aplausos e gritos de vitória.
E o pior é que geralmente ganham, afinal, já assistimos a este filme inúmeras vezes, levando consigo nos quatro anos que se sucedem, a gloria da vitória, mas deixando nos redutos de seus ardorosos discursos, o eco da dor e do abandono de uma plateia inconsciente.

Chumbo trocado não dói, mas rende um punhado de votos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário