segunda-feira, 17 de junho de 2013

O BLÁ, BLÁ, BLÁ de todos os dias.

Impressionante, o quanto somos pessoas difíceis de conviver umas com as outras, e diante deste quadro, como esperar que viessemos a ser melhores na convivência com o todo restante, penso então, que no mínimo por todo o tempo estamos diante de perspectivas pra lá de remotas, daí os constantes fracassos, seguido das mutilações ao nosso próprio meio ambiente, diminuindo desta forma toda e qualquer sobrevivência a prazos reduzidíssimos.
Lamentamos pelos conflitos de qualquer natureza nos quais tomamos conhecimento e somos capazes de, como mestres doutores, sabermos exatamente como poderiam ser evitados, todavia, nada jamais fazemos, apenas comentamos como se o quadro que se apresenta, fosse tão somente surreal desconectado de uma realidade próxima, como uma ficção.
Bloqueamos a constatação da realidade, num nítido processo de proteção mental, fazendo prosperar simulações convincentes e, em sua maioria, repletas de embasamento lógico, mas que nada produzem em termos de ações subsequentes, mas deixando em nós uma sensação de conforto, amparo psicológico, onde nos sentimos como que protegidos, justo porque nos convencemos de que, se o fato estivesse ocorrendo conosco, certamente saberíamos como agir.
Esta premissa é falsa, pois na realidade, como se trata de uma ficção em nosso processo assimilativo, não cremos verdadeiramente que o mesmo possa conosco ocorrer, daí a surpresa muito assustadora, quando acontece.
Esta é a mais constante simbiose social, possível de ser observada e se enquadra em qualquer nível da convivência humana.
E ainda tem quem afirme ser capaz de assegurar um caminhar equilibrado e lúcido, prevendo isto ou aquilo, tendo autoridade pessoal para resolver ou enfrentar qualquer situação que lhe pareça conflitante ou ameaçadora.
Será mesmo?
Pense nisto, antes de tão facilmente colocar a sua imaginação em prol da solução de problemas que afligem os demais.
Antes de ser capaz de ter respostas ponderadas às dúvidas alheias.

Antes de considerar que o raio só cai no terreno alheio, por que se fosse no seu, blá, blá, blá, blá.

Nenhum comentário:

Postar um comentário