Pular para o conteúdo principal

TRIBUTO A UMA DEUSA


Era Natal e findava o ano de 1962, e eu completara 12 anos. Naquela época, meninas desta idade, ainda brincavam de boneca e obedeciam aos pais, pediam a benção aos tios e avós e respeitavam os professores. Hábitos antigos que a modernidade apagou, matando a ingenuidade da infância e destruindo de forma cruel toda uma adolescência que, a partir daí, passou a extremar seus conflitos, atropelando uma etapa de buscas interiores, tão necessária para o fortalecimento da trajetória que vem à seguir.
E foi nesta época, do rabo de cavalo e das meias soquetes que dela, a “Deusa”, ganhei um lindo e fofo bebê de borracha da “ESTRELA” que me era possível alimentar por um orifício na boquinha e a trocar fraldas, pois havia um caninho interno. Novidade fantástica que me seduziu e que durou 50 anos, pois somente aos doze anos, minha filha Anna Paula, ofereceu a uma criança, que pelo bebê se encantou.
A “Deusa” chamava-se Hilda Roxo, era minha tia, irmã de meu pai e eu a amava, pela sua beleza deslumbrante, seu sorriso calmo, seu olhar sereno e pelo carinho que me dispensava.
Com ela aprendi a amar a natureza, prestando atenção no seu poder de restauração através de suas cores, aromas e sabores.
E foi com ela que aprendi a identificar e a me familiarizar com Deus em meu cotidiano, fazendo dele meu parceiro constante, enxergando-o e sentindo-o num pingo de chuva, no calor do sol, no arrepio de uma brisa, no sabor de um alimento, no frescor de um banho até mesmo de chuveiro, num bater de asas de um pássaro, num sorriso de alguém e, principalmente, aprendi o valor em tê-lo num simples respirar.
E para facilitar o meu entendimento e assimilação do valor da vida, ela agia plagiando os sábios e antigos gregos, levando-me in loco e designando cada grandiosidade com o título de um Deus ou uma Deusa, sempre acompanhado de poemas que dela brotavam e, a partir daqueles instantes mágicos, fui aprendendo a reverenciar o aparente simples e comum como joias raras da vida, autênticos Deuses e Deusas da natureza.
Poeta, psicóloga, professora, espiritualista, mas acima de tudo um ser muito especial para mim e para milhares de outras criaturas que dela, nossa eterna “Deusa da Lua”, extraíram o gosto de sentir o gosto doce da vida.
Ainda hoje, 42 anos depois de seu passamento, seus fieis aprendizes e seguidores mantém vivas as suas lembranças através da aplicabilidade diária de seus ensinamentos, levando aos demais o respeito à vida e a tudo que nela reside.
Que seu espírito iluminado continue servindo de guia, aos filhos de teus filhos e aos filhos destes que seriam teus bisnetos e assim por diante, mantendo o ciclo de amor que iniciaste ainda muito jovem, com apenas 17 anos e que fortalecestes ao longo de 46 anos a frente de uma instituição que foi mais do que qualquer coisa, um reduto de amor e solidariedade, cujas portas estavam sempre abertas ao acolhimento e à fraternidade, pois teus ensinamentos eram como cascatas de amor, onde o senso amoroso do coletivo abraçava o individual sem qualquer questionamento, pois prevalecia o acolhimento.
Fecho meus olhos e posso te ver, linda, sempre vestindo as cores da tua natureza vibrante e sempre externando a capacidade regeneradora de teu precioso interior de reverendíssima senhora da proteção da vida e do belo.
27/09/1910 a 08/07/1972, período de vida e liberdade, onde foi possível a muitos desfrutarem de tua preciosa existência terrena.
Obrigado pela boneca, pelo teu sorriso amoroso e pela tua delicadeza em me apresentar a vida, ensinando-me a buscar sempre o melhor e o mais bonito de cada expressabilidade que ela apresenta, a cada instante, sem medo de ser feliz.

  

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

OPRESSÃO CULTURAL

Acreditei estar me especializando na área da observação do comportamento humano e, por toda a minha vida, pensei estar aprendendo tudo quanto poderia, e, no entanto, absorvida com a diversidade infinita que me cercava e totalmente fascinada com o que majestosamente me apresentava a cada instante, me perdi totalmente, e, de repente, assim sem qualquer aviso prévio, vejo-me diante de minha não menos infinita ingenuidade avaliativa e percebo, então, o quanto nada sei em relação a capacidade humana em se adaptar às circunstâncias, ou a buscar posições favoráveis à suas conveniências pessoais de adaptabilidade social.Há alguns anos, venho tentando entender o porque de minha paixão por Itaparica, visto que conheci inúmeros outros locais, não menos bucólicos e acolhedores. E agora, como um raio de luz esclarecedor, posso compreender que em minhas buscas pessoais de aperfeiçoamento, encontrei aqui, neste local encantador, todos os subsídios necessários a um aprendizado mais concreto e expli…

Os professores: Um “novo” objeto da investigação educacional?

Houve um tempo, afinal nem tão distante, em que a função da escola era prioritariamente ensinar disciplinas que contribuíam nos universos de cada criança, despertando-as em suas inclinações naturais, na construção de seu futuro perfil profissional e pessoal.
Também era no ambiente escolar que a criança exercitava a convivência, não só com o contrário, mas principalmente com o diferente, deixando aflorar os ensinamentos oriundos de seu núcleo familiar.
Era comum ouvir-se: “a educação vem do berço”.
E este berço, não necessariamente precisava ser abastado economicamente e muito menos letrado, pois havia os conceitos pré-estabelecidos, onde as posturas respeitavam os limites do alheio, criando-se assim normas socais de conduta, não só externa, mas antes de tudo em meio à própria família.
Nesta época a que me refiro, havia uma distinção entre as atribuições tanto da família como da escola, assim como sob nenhuma circunstância esperava-se do mestre qualquer atributo fosse materno ou paterno, a…

O FALSO BOM SAMARITANO...

Há algumas horas atrás, assistia à uma uma aula de Filsosofia da Educação, onde em determinado momento falávamos em interação com o Professor Wilson sobre justamente a humanização de nós humanos.

Cheguei a argumentar que somos incapazes de atingir esta humanização ideal exatamente por que não somos educados ao entendimento da dimensão de nossa própria existência, nem no conceito individual quanto mais em relação a um todo que sequer conseguimos enxergar e muito menos sentir.

Estamos divididos em três facções vivenciais, ou seja: aqueles que crêem em Deus e são religiosos, aqueles que crêem, mas nao são religiosos, e aqueles que não crêem.

Todos, sem exceção, vagueiam em seus cotidianos sem ter qualquer entendimento real do quanto estão desperdiçando seus minutos presentes e, sem sem se dar conta, permanecem repetindo posturas que em sua maioria no máximo os robotizam, tirando lenta, mas sistematicamente, toda e qualquer potencialidade interior que é capaz de impulsioná-los a se verem com…