Pular para o conteúdo principal

RÁDIO TUPINAMBÁ FM _MUITOS AGRADECIMENTOS


            A RÁDIO TUPINAMBÁ FM, nestes dois anos e nove meses de retorno das suas atividades comunitárias em Itaparica, veio conquistando milhares de ouvintes ao adentrar respeitosamente através das suas ondas sonoras nos afazeres e lazeres itaparicanos.
            Hoje, somos uma realidade que se esforça a cada dia no sentido de intensificar uma integração participativa, induzindo através da nossa programação uma convivência  mais respeitosa, um despertamento educacional de posturas e intenções que resultem em uma parceria saudável entre o público e o privado para que o interesse da busca e do aperfeiçoamento do bem comum deixe de ser apenas retórica e passe a fazer parte do cotidiano de cada criatura que aqui na cidade nasceu ou escolheu viver.
            Jamais o fundador, seus associados, diretores e funcionários tiveram como objetivo outro senão abraçar causas que beneficiassem a coletividade e, portanto, buscou-se a cada instante voluntários amigos e apaixonados por esta terra, justo para doarem à população o melhor de seus conhecimentos e sentimentos em relação à Itaparica e seu povo.
            Procuramos manter acesa a bendita liberdade de expressão, mesmo compreendendo o quanto é difícil à remoção do vício humano em não aceitar de pronto qualquer referência a argumentos que representem crítica a qualquer de suas formas de se apresentar.
            Nossos microfones, jamais nos pertenceram, e sim se tornaram propriedade de cada cidadão ou instituição que esteja inserida no contexto de fazer crescer a saudável liberdade em ser e em querer uma terra melhor para se viver.
            Apenas em alguns momentos os limitamos na justa experiência profissional em não querer deixar render assuntos e interesses que nada acrescentariam ao crescimento intelectual de quem quer que seja, pois reconhecemos que não estamos preparados para a  convivência com qualquer emoção que não esteja atrelada à harmonia que imprimimos aos nossos desempenhos enquanto pessoas e profissionais.
            Tem sido possível por todo o tempo constatarmos o imenso carinho que despertamos nas ruas, nas redes sociais e nas respostas às promoções, o que nos envaidece e nos faz ainda mais comprometidos com  o nível  absolutamente respeitoso com o qual devemos conduzir nossas posturas para com as pessoas desta cidade as quais a todo momento, apoiam nossas iniciativas sociais, fazendo acontecer de forma inédita o surgimento de um sentido maior de pertencimento que alicerça a cidadania que, mais que uma palavra, precisa ser um sentimento para desabrochar o desejo em cada criatura de ser ainda melhor em suas atitudes no amparo ao seu universo pessoal.
            E este tem sido o objetivo maior da Rádio Tupinambá FM, portanto, seguimos em frente amparados na certeza única de que estamos exercitando em um contínuo aprendizado o bem querer entre as criaturas, que são a alma e o sangue desta acolhedora e adorável cidade, que, afinal, merece crescer com a devida sustentabilidade que a mantenha resistente às causas naturais e atemporais que porventura ou pela própria ação da interação com outros municípios e criaturas venha a ocorrer.
            A parceria Rádio/povo, Rádio/instituições públicas, religiosas e privadas, locais e estaduais, vêm se transformando ao longo desse tempo de atividades radiofônicas em um instrumento de defesa, orientação, divertimento, mas acima de tudo de troca de conhecimentos, onde o querer oferecer e o ser capaz no receber consolide o sonho  de Cláudio da Silva Neves, que enxergou neste precioso meio de comunicação a porta de entrada para um crescimento integrado e participativo e atraiu outros apaixonados pela comunicação comunitária como Paulo Catharino Gordilho, Paulo Blanco, Adriano Tavares, Eugênio Barreto e Antonio Ricardo Albam.
            Particularmente, Roberto e eu, não poderíamos deixar de abraçar esta causa  que viria completar os nossos currículos dedicados ao amor à nossa profissão e nos sentimos honrados em dividir o espaço desta imensa responsabilidade com o público ouvinte e ao seleto e rico quadro de voluntários, criaturas que se doam a cada dia, em um belíssimo trabalho, cujos nomes seguimos expressando.
            Jorge Brasil, Neto da Misericórdia, Fernando Cruz, José Santana, Prof.  Aroldo Jorge, Francois Starita, Profa. Eny, Josuel, as queridas do Programa Biblioteca no Ar (Beth, Tina, Rita, Dalva Tavares, e outros), e a todos os demais que em épocas passadas emprestaram seus talentos e doaram sua parte de seu carinho por nossa Itaparica.
            Lutamos a cada dia para manter o necessário contraditório como mola propulsora de crescimento em respeito ao diferente, fazendo através da liberdade de ser e de querer um estímulo à criatividade em um passo a passo com respeito e segurança em um ir e vir mais saudável para todos.
            Portanto, após este  período de enorme sucesso, só podemos agradecer, esperando sempre a sua crítica construtiva para que possamos a cada instante ir aperfeiçoando a nossa capacidade em enxergar o não percebido, fazendo dele parceiro para o aperfeiçoamento de nossas atividades junto a cada ouvinte de Itaparica.
            Particularmente, agradecemos às pessoas do Presidente desta emissora, Cláudio Neves, a confiança e a liberdade que reafirma a cada dia, nos deixando livres pra decidirmos os rumos que norteiam nossa filosofia profissional e humana desta que se tornou, sem dúvidas, a voz do povo de Itaparica,
            Que Deus continue nos dando vida e saúde, serenidade e conhecimento, assim como grandes e poderosos parceiros, para que possamos com estes recursos, continuar a nossa trajetória de vida e liberdade honrando esta bendita terra e seus habitantes.
            Porque, enquanto houver um só ser humano que não compreenda o valor da interatividade e da grandeza enriquecedora do contraditório, haverá sempre a necessidade de se lembrar que educação é  amor, e este, a mola mestra da vida.
                                                           Obrigado.
Funcionários                                                              Regina e Roberto.
Eduardo Santana                                                                diretores

Josy Lopes

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

OPRESSÃO CULTURAL

Acreditei estar me especializando na área da observação do comportamento humano e, por toda a minha vida, pensei estar aprendendo tudo quanto poderia, e, no entanto, absorvida com a diversidade infinita que me cercava e totalmente fascinada com o que majestosamente me apresentava a cada instante, me perdi totalmente, e, de repente, assim sem qualquer aviso prévio, vejo-me diante de minha não menos infinita ingenuidade avaliativa e percebo, então, o quanto nada sei em relação a capacidade humana em se adaptar às circunstâncias, ou a buscar posições favoráveis à suas conveniências pessoais de adaptabilidade social.Há alguns anos, venho tentando entender o porque de minha paixão por Itaparica, visto que conheci inúmeros outros locais, não menos bucólicos e acolhedores. E agora, como um raio de luz esclarecedor, posso compreender que em minhas buscas pessoais de aperfeiçoamento, encontrei aqui, neste local encantador, todos os subsídios necessários a um aprendizado mais concreto e expli…

Os professores: Um “novo” objeto da investigação educacional?

Houve um tempo, afinal nem tão distante, em que a função da escola era prioritariamente ensinar disciplinas que contribuíam nos universos de cada criança, despertando-as em suas inclinações naturais, na construção de seu futuro perfil profissional e pessoal.
Também era no ambiente escolar que a criança exercitava a convivência, não só com o contrário, mas principalmente com o diferente, deixando aflorar os ensinamentos oriundos de seu núcleo familiar.
Era comum ouvir-se: “a educação vem do berço”.
E este berço, não necessariamente precisava ser abastado economicamente e muito menos letrado, pois havia os conceitos pré-estabelecidos, onde as posturas respeitavam os limites do alheio, criando-se assim normas socais de conduta, não só externa, mas antes de tudo em meio à própria família.
Nesta época a que me refiro, havia uma distinção entre as atribuições tanto da família como da escola, assim como sob nenhuma circunstância esperava-se do mestre qualquer atributo fosse materno ou paterno, a…

O FALSO BOM SAMARITANO...

Há algumas horas atrás, assistia à uma uma aula de Filsosofia da Educação, onde em determinado momento falávamos em interação com o Professor Wilson sobre justamente a humanização de nós humanos.

Cheguei a argumentar que somos incapazes de atingir esta humanização ideal exatamente por que não somos educados ao entendimento da dimensão de nossa própria existência, nem no conceito individual quanto mais em relação a um todo que sequer conseguimos enxergar e muito menos sentir.

Estamos divididos em três facções vivenciais, ou seja: aqueles que crêem em Deus e são religiosos, aqueles que crêem, mas nao são religiosos, e aqueles que não crêem.

Todos, sem exceção, vagueiam em seus cotidianos sem ter qualquer entendimento real do quanto estão desperdiçando seus minutos presentes e, sem sem se dar conta, permanecem repetindo posturas que em sua maioria no máximo os robotizam, tirando lenta, mas sistematicamente, toda e qualquer potencialidade interior que é capaz de impulsioná-los a se verem com…