Pular para o conteúdo principal

MAMÃE DILMA


Agradecer à zelosa Presidente Dilma, por ter oferecido equipamentos para os municípios adquiridos com o dinheiro dos brasileiros que pagam uma das maiores taxas de impostos do mundo em explícita motivação eleitoreira, e desconsiderar os esforços das prefeituras no sentido de preencherem os requisitos para recebê-los é primeiro uma incoerência, já que estas mesmas pessoas que falam isto são as  mesmas que afirmam que o dinheiro é público e que os políticos não fazem mais que suas obrigações, pois foram eleitos e ganham para isso, e depois uma enorme maldade, pois imbuídas de suas ganâncias pessoais, deixam de prestar um enorme serviço de utilidade pública explicando aos mais simples os mecanismos burocráticos que são necessários para  ser contemplado com isto ou aquilo do Governo Federal ou Estadual.
A comemoração é justa e necessária. Justa, pois é resultado de um trabalho que culminou em sucesso, e necessária como forma de prestação de contas ao povo em geral para que saibam de forma clara que parte do dinheiro público é para pagar mão de obra competente, capaz de criar mecanismos sólidos, pelos quais o real desenvolvimento se faça presente.
Denegrir o bem feito, sem qualquer interesse maior que os de si mesmo, desconsiderando as benécies que estes equipamentos e ações     poderão vir a realizar de amparo a um melhor ir e vir do povo em geral, formando um coro desumano e cruel, jamais pode ser chamado de política e muito menos de amor a qualquer coisa.
Amar é cuidar, e cuidar é realizar, e realizar é antes de tudo buscar as possibilidades com bom senso e respeito.
Amar é amparar, e amparar é proteger, e proteger é também vigiar com atenção e com discernimento.
Quem não consegue enxergar o bem feito, jamais estará qualificado para sequer pensar em criticar o mal feito, pois faltar-lhe-á sempre a isenção emocional às críticas, quanto aos valores.
Fala-se muito em pecado, não seria o maior deles, induzir-se à cegueira quem só viveu na escuridão?
Amar uma cidade e sua gente é antes de tudo realizar, produzir e se envolver, independentemente de quem está no poder.
Amar é ir para rua, fazendo o seu papel primeiro de cidadão e depois de ser humano, estendendo os seus conhecimentos para amenizar a ignorância de quase tudo que permeia a pobreza e a miséria, criando e executando sem que haja necessariamente um poder atrelado a si.
Portanto, na qualidade de cidadã, reconheço os avanços que o país desenvolveu na última década, pois não sou cega e nem surda e aprendi a ler, faz muito tempo, assim como reconheço com tristeza infinita, minha decepção em relação aos valores éticos que se perderam, assim como a degradação de nossas instituições sociais, descredenciando-as em todos os níveis, justo pela ganância que foi se desenvolvendo e se transformando numa fera selvagem que acredita e faz acreditar aos ineptos ou espertos de que todos os meios são válidos para se chegar a um determinado fim.
Lamento, finalmente, que o grande amor que é dedicado a Itaparica e a seu povo, esteja atrelado às falsas verdades que induzem a cegueira ou no mínimo a uma informação errônea.
E para quem ainda não entendeu, vou desenhar:
Para  ser contemplado por qualquer projeto de qualquer área oferecido pelo governo Federal, o Município, seja ele qual for, precisa estar adimplente, ou seja ( com as contas pagas) e estas, precisam ser pagas com recursos próprios, daí concluir-se que parte da renda do município foi destinado a estes pagamentos.
Além disso, precisa-se de funcionários qualificados e naturalmente devidamente bem pagos, para justamente buscarem e prepararem toda a documentação necessária, o que não é tarefa pequena, levando em conta o estado deplorável em que a cidade se encontrava.
Obrigação? Sim... é verdade, mas isto não desmerece a qualidade dos feitos e muito menos os esforços empreendidos e tão pouco deva ser usado de forma maliciosa com um único intuito que é o de confundir.
Erros, mal feitos e outras coisitas mais, certamente deva estar acontecendo nesta como aconteceu nas demais gestões, porque afinal, em tudo está inserido o ser humano que, notoriamente, é o predador de si mesmo.
Agora, dizer que nada está acontecendo, que Itaparica está abandonada, que tudo vem caindo do Planalto Central, com o dinheiro do povo brasileiro, porque a Presidente Dilma é boazinha e o PT e seus aliados são os Salvadores, aí é brincadeira de mal gosto.
Dizer que tudo está desleixado e que o povo está sendo enganado é fechar os olhos novamente para um passado recente, onde aí sim, nada acontecia a não ser em benefício de alguns poucos e onde o silêncio se fez presente, pois eram tantos os desmandos que a oposição sequer se preocupou em denunciar, afinal, já davam como favas contadas a suas vitórias eleitorais.
E então, eu lhes pergunto:
Onde esteve e com quantas chaves esteve guardada toda a devoção ao povo e à cidade de Itaparica que não puderam, não quiseram ou não era conveniente aparecerem como amantes defensores, para aí sim, tentarem ajudar com no mínimo pronunciamentos de indução à busca de uma dignidade pessoal.`
Me poupem pelo amor de Deus, pois de conversa fiada, também o povo simples, mas não idiota, já está cheio.
Façam política sadia, mostrem alguma novidade, saiam do lugar comum, cresçam de forma bonita, fazendo um jogo de luta bonito, em nome de  Deus.
Guerreiro não mais é aquele que, tão somente, persegue seus objetivos, mas sim aquele que enquanto persegue, produz.
Por que estou escrevendo isto?
Simplesmente porque não aceito que me chamem de mentirosa, pois todos os dias, através de meu trabalho, levo aos ouvintes, não minhas verdades, mas apenas e, tão somente, fatos, e todas as vezes que me vejo diante de falas inconsequentes, sinto-me atingida e naturalmente reajo, pois enquanto eu dispor de voz, falarei, de uma caneta, escreverei, e de um microfone, falarei e defenderei o bendito direito à educação que, afinal, é possível de ser doado em qualquer situação.
Pois educação é a única verdade possível de ser reconhecida, pois através dela, seguem-se os fatos.
Um beijo no coração e desculpe o desabafo desta incorrigível senhora que sempre acreditará que somos todos capazes de sermos bem mais.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

OPRESSÃO CULTURAL

Acreditei estar me especializando na área da observação do comportamento humano e, por toda a minha vida, pensei estar aprendendo tudo quanto poderia, e, no entanto, absorvida com a diversidade infinita que me cercava e totalmente fascinada com o que majestosamente me apresentava a cada instante, me perdi totalmente, e, de repente, assim sem qualquer aviso prévio, vejo-me diante de minha não menos infinita ingenuidade avaliativa e percebo, então, o quanto nada sei em relação a capacidade humana em se adaptar às circunstâncias, ou a buscar posições favoráveis à suas conveniências pessoais de adaptabilidade social.Há alguns anos, venho tentando entender o porque de minha paixão por Itaparica, visto que conheci inúmeros outros locais, não menos bucólicos e acolhedores. E agora, como um raio de luz esclarecedor, posso compreender que em minhas buscas pessoais de aperfeiçoamento, encontrei aqui, neste local encantador, todos os subsídios necessários a um aprendizado mais concreto e expli…

Os professores: Um “novo” objeto da investigação educacional?

Houve um tempo, afinal nem tão distante, em que a função da escola era prioritariamente ensinar disciplinas que contribuíam nos universos de cada criança, despertando-as em suas inclinações naturais, na construção de seu futuro perfil profissional e pessoal.
Também era no ambiente escolar que a criança exercitava a convivência, não só com o contrário, mas principalmente com o diferente, deixando aflorar os ensinamentos oriundos de seu núcleo familiar.
Era comum ouvir-se: “a educação vem do berço”.
E este berço, não necessariamente precisava ser abastado economicamente e muito menos letrado, pois havia os conceitos pré-estabelecidos, onde as posturas respeitavam os limites do alheio, criando-se assim normas socais de conduta, não só externa, mas antes de tudo em meio à própria família.
Nesta época a que me refiro, havia uma distinção entre as atribuições tanto da família como da escola, assim como sob nenhuma circunstância esperava-se do mestre qualquer atributo fosse materno ou paterno, a…

O FALSO BOM SAMARITANO...

Há algumas horas atrás, assistia à uma uma aula de Filsosofia da Educação, onde em determinado momento falávamos em interação com o Professor Wilson sobre justamente a humanização de nós humanos.

Cheguei a argumentar que somos incapazes de atingir esta humanização ideal exatamente por que não somos educados ao entendimento da dimensão de nossa própria existência, nem no conceito individual quanto mais em relação a um todo que sequer conseguimos enxergar e muito menos sentir.

Estamos divididos em três facções vivenciais, ou seja: aqueles que crêem em Deus e são religiosos, aqueles que crêem, mas nao são religiosos, e aqueles que não crêem.

Todos, sem exceção, vagueiam em seus cotidianos sem ter qualquer entendimento real do quanto estão desperdiçando seus minutos presentes e, sem sem se dar conta, permanecem repetindo posturas que em sua maioria no máximo os robotizam, tirando lenta, mas sistematicamente, toda e qualquer potencialidade interior que é capaz de impulsioná-los a se verem com…