Pular para o conteúdo principal

Leviandade, nunca mais ...

Desculpe a minha franqueza e aqui não vai qualquer estímulo partidário, mas não posso ficar sem fazer uma pergunta: Tirar a Prefeita Marlylda para colocar quem? Existiu um processo democrático, o povo em sua maioria, não só escolheu como marginalizou a todo aquele que por esta ou outra razão, não a apoiava. Portanto, creio que o povo, está, reforço em sua maioria, absolutamente satisfeito. Vamos ser mais pragmáticos e deixar a coisa como está, pois, pode ficar bem pior. Em 2020 que não está assim tão longe, certamente o povo estará apto a fazer suas opções. Apesar de estar na moda, cargo executivo não deve ser tratado como se fosse um objeto descartável, afinal, precisamos respeitar a opção da maioria.
Depois, este processo não vai dar em nada e tudo estará reduzido a rivalidade política que desgasta e nada acrescenta ao povo que também na sua maioria, sequer tem ideia de poder comer uma fatia de Peru e quem sabe de um simples frango. Esta é a nossa realidade, dura e que fingimos não existir, fixando e reverberando, tão somente, em forma de falas sem qualquer conscientização mais prática. Entre a minha, a nossas boas casas e a próxima esquina, com certeza, existe pelo menos um carente que gostaria de encontrar em mim e em todos nós, privilegiados de alguma forma, garra, voz e atitudes para mudar o flagelo humano e social que os assola.
 O que precisa mudar na nossa cidade e no nosso país, são as intenções e as consequentes atitudes, para que tenhamos em breve espaço de tempo, crianças bem formadas físicas e mentalmente, para em médio e longo prazo, estes métodos de se fazer política partidária se expressem através de cidadãos mais bem estruturados que não venham a fazer de nenhum candidato a cargo público, celebridades intocáveis. Vamos unir nossas forças que não são poucas, para buscarmos esclarecimentos no que diz respeito as aplicações do erário público, corrigindo assim, as distorções que são evidentes e que só prejudicam a todos nós, partidários ou não desta ou de qualquer gestão, inclusive, legislativa. Agora, retirar uma gestora por brigas judiciais de interesses absolutamente particulares, onde certamente, quando a causa for ganha, todos ganharão, menos o povo que dele necessita, aí, é continuarmos a alimentar o ciclo vicioso que, infelizmente, somos capazes de vivenciar todos os dias. 
Façamos com o nosso empenho pessoal e de grupo que os nossos vereadores sejam mais capazes em relação as suas presenças no executivo, afim de exercerem suas responsabilidades que é o de verdadeiramente, fiscalizarem as contas públicas e não apenas, ficarem como meninos chorões, reclamando que a gestora não os atende nisto ou naquilo e o que é pior, dizerem que ela não os recebe e que secretários não lhes respondem as dúvidas. Isso sim é motivo de afastamento, pois existem leis na nossa Constituição que quando feridas ou renegadas, podem e devem ser acionadas.
Todo o restante, são firulas e falácias que impedem que o nosso vizinho tenha o direito a uma educação decente com merendas decentes, uma saúde decente, com remédios decentes, uma infraestrutura decente com saneamento decente, uma segurança decente, para cidadãos decentes.
Bom dia a todos e um final de ano diferente, onde todos nós possamos acreditar que não estamos numa luta inglória que se renova a cada quatro anos, onde sistematicamente, trocamos 6 por meia dúzia
. Isto, quando não reelegemos também sistematicamente, as pedras que há muito deveriam estar fora de nossos caminhos. Que o senhor Jesus, inspirador da grande maioria, abençoe nossos caminhos e escolhas. ·

Leviandade, nunca mais ...

Este deveria ser o slogan do povo brasileiro e itaparicano. 


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

CONSIDERAÇÕES SOBRE A PRESTAÇÃO DE CONTAS DO PRIMEIRO QUADRIMESTRE DE 2018

Estive, como sempre, presente na Câmara Municipal de Itaparica por ocasião da prestação de contas que, diga-se de imediato, foi didaticamente explicada ao público presente, que se resumia em sua maioria a funcionários da própria prefeitura e assessores diretos da gestão. No entanto, todo o evento foi transmitido ao vivo pela sua Rádio Tupinambá FM. Acompanhei os itens apresentados com a mente aberta ao entendimento, mas reconhecendo as minhas limitações contábeis, deixando-me ao direito de apenas buscar dados que explicassem os gastos em relação à arrecadação que, na avaliação de pessoa comum do povo, pareceram-me elevados ao pensar na precariedade em que a cidade vem vivenciando o seu cotidiano. Em vista desta premissa, fui registrando algumas perguntas que as explicações da especialista em finanças, assim como a Controladora do município, não foram capazes de esclarecer, até porque, não cabia a nenhuma delas tecer considerações sobre as decisões da gestora em relação ao destino das ve…

O FALSO BOM SAMARITANO...

Há algumas horas atrás, assistia à uma uma aula de Filsosofia da Educação, onde em determinado momento falávamos em interação com o Professor Wilson sobre justamente a humanização de nós humanos.

Cheguei a argumentar que somos incapazes de atingir esta humanização ideal exatamente por que não somos educados ao entendimento da dimensão de nossa própria existência, nem no conceito individual quanto mais em relação a um todo que sequer conseguimos enxergar e muito menos sentir.

Estamos divididos em três facções vivenciais, ou seja: aqueles que crêem em Deus e são religiosos, aqueles que crêem, mas nao são religiosos, e aqueles que não crêem.

Todos, sem exceção, vagueiam em seus cotidianos sem ter qualquer entendimento real do quanto estão desperdiçando seus minutos presentes e, sem sem se dar conta, permanecem repetindo posturas que em sua maioria no máximo os robotizam, tirando lenta, mas sistematicamente, toda e qualquer potencialidade interior que é capaz de impulsioná-los a se verem com…

REALIDADE- A minha e a sua.

Precisamos dos símbolos para que nossas mentes possam processar imagens e através delas, somos, então, capazes de formar conceitos próprios ou, simplesmente, aderir aos conceitos já estabelecidos.

Penso na realidade de cada coisa e, em como ela é variante, já que cada um de nós é capaz de enxergá-la de forma exclusiva, se bem que de um modo geral, haja um consenso perceptivo e universal.
E aí, o que é real?
A realidade é a que eu conceituo em minha mente ou a que se apresenta na formatação de um senso comum?
Ao buscar na coisa a realidade, já levo na busca a contaminação dos conceitos comuns, desta forma descaracterizando-a de uma realidade pura e simples?
Será que somos absolutamente capazes de, em algum momento, verdadeiramente enxergar, sentir ou ouvir algo de uma coisa ou de alguém sem que haja a adição comprometedora deste senso universal no qual fomos inseridos na gestação embrionária de nossas vidas, através das emoções, alimentação e da genética?
Penso nisso em todas as ocasiões em …