Pular para o conteúdo principal
A BEM DA VERDADE, são quinze ótimos anos de vivência em Itaparica. Lembro-me que ficamos encantados com a beleza geográfica e com o bucólico que oferecia a ela, aquele espírito de exclusivo, reservado há poucos privilegiados.
Ao nos banhar nas mágicas águas mornas de Ponta de Areia, a decisão foi unânime em assentarmos nossos corpos e nossas almas, neste paraíso terreno, como forma de brinde especial a uma vida de lutas constantes e de prazeres inenarráveis de amor à vida.
De lá para cá, dia após dia, nosso relacionamento amoroso, foi se transformando em senso de pertencimento e hoje, de tão consolidado, sequer lembramos que originalmente, não somos daqui.
Esse sentimento, mais que algo íntimo, se fez notar à maioria das pessoas que conosco dividiram emoções, fossem pessoais ou profissionais e esta interação silenciosamente resistente é que, fortaleceu o mútuo respeito e em muitos casos numa simpatia que de tão grande é quase amor.
Plagiando descaradamente o imortal Casimiro de Abreu.
Pessoalmente, minha sempre gratidão pelas honrarias recebidas como reconhecimento ao meu trabalho e minha conduta de pessoa humana.
Neste período à frente de órgãos de comunicação efetivos e consistentes, travamos um relacionamento coerente e respeitoso até mesmo com os contrários, criando de forma inédita a quebra de grilhões partidários, pois fosse quem fosse os líderes políticos, sempre encontramos portas abertas e reconhecimento pelo direcionamento saudável que oferecemos às nossas “propostas de trabalho” e não de acharcamento como é comum de se encontrar neste “Brasil varonil” de tantas distorções.
Mais um ano chega ao fim e só podemos agradecer a este povo simples e grandioso no seu acolhimento, o sucesso constante de nossas atividades frente a Rádio Tupinamba´FM 87.9, nos últimos cinco anos, assim como pelos 11 anos de Jornal Variedades, pedindo desculpas pelas ainda falhas existentes, pois a falta dos devidos recursos, tolhe inexoravelmente, ideias e ideais, todavia, dentro do possível disponível, buscamos levar diariamente a milhares de ouvintes, boa música, boa literatura, boa reflexão a respeito de nossa cidade e do nosso Brasil, mas acima de tudo, bons momentos de interação, cercados de sorrisos francos e de uma alegria genuína.
Pedimos a Deus saúde e paz para todos nós e que em 2018, sejamos capazes de expressarmos mais e mais o nosso respeito a todos, fazendo um profissionalismo sério, coerente e amoroso.




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

CONSIDERAÇÕES SOBRE A PRESTAÇÃO DE CONTAS DO PRIMEIRO QUADRIMESTRE DE 2018

Estive, como sempre, presente na Câmara Municipal de Itaparica por ocasião da prestação de contas que, diga-se de imediato, foi didaticamente explicada ao público presente, que se resumia em sua maioria a funcionários da própria prefeitura e assessores diretos da gestão. No entanto, todo o evento foi transmitido ao vivo pela sua Rádio Tupinambá FM. Acompanhei os itens apresentados com a mente aberta ao entendimento, mas reconhecendo as minhas limitações contábeis, deixando-me ao direito de apenas buscar dados que explicassem os gastos em relação à arrecadação que, na avaliação de pessoa comum do povo, pareceram-me elevados ao pensar na precariedade em que a cidade vem vivenciando o seu cotidiano. Em vista desta premissa, fui registrando algumas perguntas que as explicações da especialista em finanças, assim como a Controladora do município, não foram capazes de esclarecer, até porque, não cabia a nenhuma delas tecer considerações sobre as decisões da gestora em relação ao destino das ve…

O FALSO BOM SAMARITANO...

Há algumas horas atrás, assistia à uma uma aula de Filsosofia da Educação, onde em determinado momento falávamos em interação com o Professor Wilson sobre justamente a humanização de nós humanos.

Cheguei a argumentar que somos incapazes de atingir esta humanização ideal exatamente por que não somos educados ao entendimento da dimensão de nossa própria existência, nem no conceito individual quanto mais em relação a um todo que sequer conseguimos enxergar e muito menos sentir.

Estamos divididos em três facções vivenciais, ou seja: aqueles que crêem em Deus e são religiosos, aqueles que crêem, mas nao são religiosos, e aqueles que não crêem.

Todos, sem exceção, vagueiam em seus cotidianos sem ter qualquer entendimento real do quanto estão desperdiçando seus minutos presentes e, sem sem se dar conta, permanecem repetindo posturas que em sua maioria no máximo os robotizam, tirando lenta, mas sistematicamente, toda e qualquer potencialidade interior que é capaz de impulsioná-los a se verem com…

REALIDADE- A minha e a sua.

Precisamos dos símbolos para que nossas mentes possam processar imagens e através delas, somos, então, capazes de formar conceitos próprios ou, simplesmente, aderir aos conceitos já estabelecidos.

Penso na realidade de cada coisa e, em como ela é variante, já que cada um de nós é capaz de enxergá-la de forma exclusiva, se bem que de um modo geral, haja um consenso perceptivo e universal.
E aí, o que é real?
A realidade é a que eu conceituo em minha mente ou a que se apresenta na formatação de um senso comum?
Ao buscar na coisa a realidade, já levo na busca a contaminação dos conceitos comuns, desta forma descaracterizando-a de uma realidade pura e simples?
Será que somos absolutamente capazes de, em algum momento, verdadeiramente enxergar, sentir ou ouvir algo de uma coisa ou de alguém sem que haja a adição comprometedora deste senso universal no qual fomos inseridos na gestação embrionária de nossas vidas, através das emoções, alimentação e da genética?
Penso nisso em todas as ocasiões em …