Pular para o conteúdo principal

E SE O MUNDO NÃO SE ACABAR...


 
Assusta-me pensar que o final de mais um ano está ali, bem próximo, faltando apenas dezessete dias.

Assusta-me também pensar que, mais uma vez, exista a previsão, sei lá de quem, de que o mundo se acabará no próximo dia 21 de dezembro e que ainda existam pessoas que possam acreditar em profecias desta ou de qualquer outra natureza, baseadas em relatos interpretativos de escritos dedutivos dos óbvios, oriundos do comportamento seja psicológico, geológico, cósmico, metafísico ou do escambal.

Assusta-me sobremaneira pensar relembrando o quanto senti medo quando ainda tinha apenas 10 aninhos por crer, apavorada, depois que ouvi que o mundo se acabaria, fazendo de meu imaginário infantil, uma cascata incessante de devaneios aterrorizantes que me roubou inúmeras noites de sono tranquilo e completo, transformando muitos de meus instantes infantis em verdadeiros contos de terror, onde o mar de ondas altas engoliria a praia, as ruas e as casas, matando a todos, inclusive a mim.

Cinquenta anos depois, novamente estou a beira-mar, tão próxima que posso sentir o seu cheiro e sons, fazendo-me lembrar lamentosamente deste período de minha infância, que foi danificada pela estupidez da criatura humana que insistente, desconsidera o imaginário de si própria, fazendo dele arma devastadora que se não mata, fere grotescamente, tendo como único propósito, ser um tolo e nada mais.

Assusta-me pensar no Natal da ainda fome que assola a humanidade, do Natal da ainda violência que nos caracteriza e com a qual nos tornamos vítimas e algozes, do Natal da ainda inconsequência de não sabermos quem somos e por que existimos neste universo, aí sim, misterioso e gigantesco, capaz de nos inspirar a escrever poemas, músicas e mil histórias, até mesmo idiotas e sem propósitos racionais, como as insistentes histórias do fim de si mesmo, mas ainda incapaz de nos fazer humanos.

Humanos no reconhecimento da complexidade deste todo que nos abriga, na grandiosidade que se apresenta em todos os tipos de vida, na simplicidade que deveríamos ter na condução de nossas próprias vidas, na interação amorosa que não doamos no convívio com outras vidas e na sempre incerteza que impomos às nossas vidas, pela inércia de verdadeiramente, não termos coragem de nos dispor a viver nossas próprias vidas sem, a elas, adicionarmos tolices, alegorias desnecessárias que, se em dados momentos,  suscitam sorrisos, bem estar e ilusões, em momentos outros, assustam, flagelam e  fazem chorar, transformando em pesadelos, o tudo complexo, matematicamente calculável, cientificamente explicável, filosoficamente belo, que somos e representamos, como ínfima partícula deste universo poderoso.

Assusta-me pensar no quanto ainda somos ingênuos, abusados e inconsequentes. Todavia, se eu estiver errada em minhas avaliações e, se o mundo desta vez se acabar no próximo dia 21/12/2012, espero que pelo menos sobrevivam as nossas mais generosas vibrações energéticas, para que tenhamos a chance de renascermos  em uma nova vida e em um novo tempo, para imprimirmos nela, o Por do Sol para que possamos  buscar, constantes renovações.

 O amanhecer para um sempre novo despertar da capacidade amorosa que, afinal, reside em todos nós, elaborando assim uma nova era, onde nós, humanos, sejamos capazes de respeitar toda e qualquer expressabilidade de vida, para que ela não se acabe, nem mesmo em profecias ou devaneios, permitindo assim, que ela, naturalmente se transmute no presente do subjuntivo, em um ciclo magnífico de pura vida, cujo guia venha a ser sempre a autêntica naturalidade, acompanhada da bendita e absolutamente necessária, liberdade.

Para quem conseguir sobreviver ao próximo fim de mundo, imposto pela mídia, pelos tolos ou pelos desesperançados, o meu sincero FELIZ NATAL, onde cada amanhecer signifique tão somente, um puro, simples, divino e grandioso:

- BOM DIA!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

OPRESSÃO CULTURAL

Acreditei estar me especializando na área da observação do comportamento humano e, por toda a minha vida, pensei estar aprendendo tudo quanto poderia, e, no entanto, absorvida com a diversidade infinita que me cercava e totalmente fascinada com o que majestosamente me apresentava a cada instante, me perdi totalmente, e, de repente, assim sem qualquer aviso prévio, vejo-me diante de minha não menos infinita ingenuidade avaliativa e percebo, então, o quanto nada sei em relação a capacidade humana em se adaptar às circunstâncias, ou a buscar posições favoráveis à suas conveniências pessoais de adaptabilidade social.Há alguns anos, venho tentando entender o porque de minha paixão por Itaparica, visto que conheci inúmeros outros locais, não menos bucólicos e acolhedores. E agora, como um raio de luz esclarecedor, posso compreender que em minhas buscas pessoais de aperfeiçoamento, encontrei aqui, neste local encantador, todos os subsídios necessários a um aprendizado mais concreto e expli…

Os professores: Um “novo” objeto da investigação educacional?

Houve um tempo, afinal nem tão distante, em que a função da escola era prioritariamente ensinar disciplinas que contribuíam nos universos de cada criança, despertando-as em suas inclinações naturais, na construção de seu futuro perfil profissional e pessoal.
Também era no ambiente escolar que a criança exercitava a convivência, não só com o contrário, mas principalmente com o diferente, deixando aflorar os ensinamentos oriundos de seu núcleo familiar.
Era comum ouvir-se: “a educação vem do berço”.
E este berço, não necessariamente precisava ser abastado economicamente e muito menos letrado, pois havia os conceitos pré-estabelecidos, onde as posturas respeitavam os limites do alheio, criando-se assim normas socais de conduta, não só externa, mas antes de tudo em meio à própria família.
Nesta época a que me refiro, havia uma distinção entre as atribuições tanto da família como da escola, assim como sob nenhuma circunstância esperava-se do mestre qualquer atributo fosse materno ou paterno, a…

O FALSO BOM SAMARITANO...

Há algumas horas atrás, assistia à uma uma aula de Filsosofia da Educação, onde em determinado momento falávamos em interação com o Professor Wilson sobre justamente a humanização de nós humanos.

Cheguei a argumentar que somos incapazes de atingir esta humanização ideal exatamente por que não somos educados ao entendimento da dimensão de nossa própria existência, nem no conceito individual quanto mais em relação a um todo que sequer conseguimos enxergar e muito menos sentir.

Estamos divididos em três facções vivenciais, ou seja: aqueles que crêem em Deus e são religiosos, aqueles que crêem, mas nao são religiosos, e aqueles que não crêem.

Todos, sem exceção, vagueiam em seus cotidianos sem ter qualquer entendimento real do quanto estão desperdiçando seus minutos presentes e, sem sem se dar conta, permanecem repetindo posturas que em sua maioria no máximo os robotizam, tirando lenta, mas sistematicamente, toda e qualquer potencialidade interior que é capaz de impulsioná-los a se verem com…