Pular para o conteúdo principal

RARAS VEZES, MAS ACONTECE.


 
Hoje, amanheci um pouco diferente do costumeiro. Não olhei para o céu, por incrível que pareça, sequer ouvi os meus pássaros, apesar de saber que estavam ali, bem próximos nas suas costumeiras algazarras matinais e, tão pouco, agradeci à vida, justo por me sentir viva.

Nem mesmo a Catarina, minha filhota de vira- lata, totalmente inquieta, está sendo capaz de distrair-me com suas molecagens ao pé da mesa, onde escrevo.

Como não gosto de me sentir assim, sem graça e sem vontade de sentir algo, enveredo em meu íntimo como uma pesquisadora acadêmica, inclusive, fazendo paralelos com outros momentos já vividos, como este, e até mesmo, tentando fazer conexão com as ocasiões onde como observadora das posturas alheiras, escrevi a respeito, ao mesmo tempo atrevendo-me a sugerir fontes regeneradoras.

Pois bem, casa de ferreiro o espeto é de pau e não é diferente em relação a mim, afinal, creio ser bem mais difícil encontrar um caminho pessoal que não esbarre nas minhas próprias camuflagens, sem ter um observador externo e, portanto, isento de qualquer envolvimento emocional.

Pensando neste empecilho, aparentemente intransponível, lembro-me como flashes instantâneos das milhares de outras situações, onde passei pelo mesmo dilema de proteger-me  desta doença corrosiva, chamada depressão, com a qual convivo desde sempre, sem, no entanto, permitir a ela maiores avanços e destruições à minha vida.

Pensando bem, olhando para trás, sem medos imaginários e até mesmo reais de enfrentamento pessoal, posso inclusive constatar que houve instantes da minha vida em que me senti por deveras sufocada, chegando a achar que não teria forças para suplantar a solidão do encontro comigo mesma, tal a força depressiva que me tirava a visão de minha realidade de ser humano racional capaz de buscar em si, suas próprias alternativas e defesas.

Enquanto escrevo, neste exato momento, como num passe de mágica, ouço os pássaros e ao buscar vê-los, dou de cara com o sol que já cobre as plantas, as flores e principalmente faz reluzir as mangas que, rosadas, enfeitam  como um quadro da natureza, diante da janela onde costumeiramente vejo a mangueira esplendorosa.

Bem, a receita está aí, simples como um singelo, Bom dia.

Basta, sem firulas ou desespero, admitir-se que naquele momento nada está legal, fazendo do passo seguinte, uma constatação do que não está sendo inserido na sua rotina e que era importante e busque resgatar o aparente desaparecido, e que afinal, está no mesmo lugar de sempre.

Admita que a cegueira e a surdez sejam apenas responsabilidade sua e que nada e tão pouco outro alguém tem capacidade de domínio de sua vontade voluntária.

Determine-se a não aceitar desculpas de si mesma, por considerar que como sua própria parceira, não há lugar para a deslealdade de qualquer camuflagem, e aí, provavelmente, você ouvirá os pássaros da sua vida dizendo-lhe:

BOM DIA!  Acorda pra vida, pois ela é bem mais que a sua própria incapacidade de reconhecer e estabelecer o bem estar como sua mais sagrada prioridade.

Neste domingo de sol pleno, desejo a você a erradicação de qualquer indício de depressão que mesmo que negue estar sentindo neste instante, você  sabe que possui, e que se descuidar, lá vem ela cheia de pesos e culpas, raivas e solidão, amolar  a sua vida, empanando os seus instantes presentes, abrindo vácuos que nada que compre ou faça é capaz de  preencher.

 Seja enérgico, fora nela, sem dó e sem piedade.

Um beijo enorme e todo o carinho desta senhora, que apesar de ainda não conseguir evita-la, já encontrou alguns meios de colocá-la para correr.

 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

OPRESSÃO CULTURAL

Acreditei estar me especializando na área da observação do comportamento humano e, por toda a minha vida, pensei estar aprendendo tudo quanto poderia, e, no entanto, absorvida com a diversidade infinita que me cercava e totalmente fascinada com o que majestosamente me apresentava a cada instante, me perdi totalmente, e, de repente, assim sem qualquer aviso prévio, vejo-me diante de minha não menos infinita ingenuidade avaliativa e percebo, então, o quanto nada sei em relação a capacidade humana em se adaptar às circunstâncias, ou a buscar posições favoráveis à suas conveniências pessoais de adaptabilidade social.Há alguns anos, venho tentando entender o porque de minha paixão por Itaparica, visto que conheci inúmeros outros locais, não menos bucólicos e acolhedores. E agora, como um raio de luz esclarecedor, posso compreender que em minhas buscas pessoais de aperfeiçoamento, encontrei aqui, neste local encantador, todos os subsídios necessários a um aprendizado mais concreto e expli…

Os professores: Um “novo” objeto da investigação educacional?

Houve um tempo, afinal nem tão distante, em que a função da escola era prioritariamente ensinar disciplinas que contribuíam nos universos de cada criança, despertando-as em suas inclinações naturais, na construção de seu futuro perfil profissional e pessoal.
Também era no ambiente escolar que a criança exercitava a convivência, não só com o contrário, mas principalmente com o diferente, deixando aflorar os ensinamentos oriundos de seu núcleo familiar.
Era comum ouvir-se: “a educação vem do berço”.
E este berço, não necessariamente precisava ser abastado economicamente e muito menos letrado, pois havia os conceitos pré-estabelecidos, onde as posturas respeitavam os limites do alheio, criando-se assim normas socais de conduta, não só externa, mas antes de tudo em meio à própria família.
Nesta época a que me refiro, havia uma distinção entre as atribuições tanto da família como da escola, assim como sob nenhuma circunstância esperava-se do mestre qualquer atributo fosse materno ou paterno, a…

O FALSO BOM SAMARITANO...

Há algumas horas atrás, assistia à uma uma aula de Filsosofia da Educação, onde em determinado momento falávamos em interação com o Professor Wilson sobre justamente a humanização de nós humanos.

Cheguei a argumentar que somos incapazes de atingir esta humanização ideal exatamente por que não somos educados ao entendimento da dimensão de nossa própria existência, nem no conceito individual quanto mais em relação a um todo que sequer conseguimos enxergar e muito menos sentir.

Estamos divididos em três facções vivenciais, ou seja: aqueles que crêem em Deus e são religiosos, aqueles que crêem, mas nao são religiosos, e aqueles que não crêem.

Todos, sem exceção, vagueiam em seus cotidianos sem ter qualquer entendimento real do quanto estão desperdiçando seus minutos presentes e, sem sem se dar conta, permanecem repetindo posturas que em sua maioria no máximo os robotizam, tirando lenta, mas sistematicamente, toda e qualquer potencialidade interior que é capaz de impulsioná-los a se verem com…