Pular para o conteúdo principal

SACO CHEIO


Coxinha, mulher de barão, intelectual, madame. Na infância, branca azeda, filha de papai rico e tudo isto para me rotularem de pertencer a uma elite FDP e eu, é que sou preconceituosa?
Rótulos...
Com certeza se tivesse saco, ele já teria se rompido de tanto peso por ter que carregar os hipócritas, os reacionários e extremistas, socialistas/comunistas de merda que ficam no aconchego das sombras das fortunas elitizadas, mamando e discursando suas verborreias fantasiosas a respeito de um mundo e de uma convivência sistêmica que jamais existiu, bastando tão somente, buscar-se a história da humanidade, pois esta, desde o seu início, trouxe no seu DNA, os genes da arrogância, da vaidade e do mau caretíssimo, reforçando assim, com suas leviandades ou devaneios, as mágoas daqueles que por alguma razão, não conseguiram escapulir da pobreza ou da miséria, presentes em qualquer sociedade, pois como nas savanas, o animal mais forte ou o mais astuto, entra nas batalhas da sobrevivência, bem mais capaz.
Olhando e analisando os comportamentos sociais, tendo diante de nós o mapa do mundo, chegaremos a dolorosa conscientização que são raríssimos os países que a duras penas, após centenas de anos, atingiram uma leve civilização humanitária de convívio social de direitos e deveres, ficando todo o restante, no patamar dos medíocres, matando-se em guerras idiotas ou fingindo que são humanamente, socialmente e politicamente corretos, mas abastecendo com seus armamentos cada possível guerra que lhes proporcionem mais lucros.
Estou farta disto tudo desde o dia em que compreendi com a nitidez das aguas puras e cristalinas, o quanto, somos todos verdadeiros idiotas, travestidos desta ou daquela fantasia, representando  sem tréguas para descanso, além da morte, no caso bem-vinda, cenas repetitivas de um roteiro feio e nada inteligente, tendo como pano cenográfico, belezas e grandezas sem fim, em um mundo que afirmamos ter sido feito por um Deus com filhos incapazes de darem sentido as suas existências burras e solitárias.
Mas a tecnologia sempre esteve como criadora de meios mais rápidos de integração, através das cartas, telégrafos, telefones, rádios, cinemas, televisões, modelos renovadores da interação e, finalmente, a  instantaneidade da internet,  aparato que nos tem ajudado na ampliação espetacular do conhecimento em geral, mas que também tem sido um incentivador, quanto, a substituição do cérebro pela bunda, num molejo arrepiante que se não conserta, pelo menos diverte, criando polêmicas que nos fazem esquecer os incautos que verdadeiramente somos.
Fora Lula, Fora Temer, fora a estupidez que nos assola.
Que coisa hein!!!


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

CONSIDERAÇÕES SOBRE A PRESTAÇÃO DE CONTAS DO PRIMEIRO QUADRIMESTRE DE 2018

Estive, como sempre, presente na Câmara Municipal de Itaparica por ocasião da prestação de contas que, diga-se de imediato, foi didaticamente explicada ao público presente, que se resumia em sua maioria a funcionários da própria prefeitura e assessores diretos da gestão. No entanto, todo o evento foi transmitido ao vivo pela sua Rádio Tupinambá FM. Acompanhei os itens apresentados com a mente aberta ao entendimento, mas reconhecendo as minhas limitações contábeis, deixando-me ao direito de apenas buscar dados que explicassem os gastos em relação à arrecadação que, na avaliação de pessoa comum do povo, pareceram-me elevados ao pensar na precariedade em que a cidade vem vivenciando o seu cotidiano. Em vista desta premissa, fui registrando algumas perguntas que as explicações da especialista em finanças, assim como a Controladora do município, não foram capazes de esclarecer, até porque, não cabia a nenhuma delas tecer considerações sobre as decisões da gestora em relação ao destino das ve…

O FALSO BOM SAMARITANO...

Há algumas horas atrás, assistia à uma uma aula de Filsosofia da Educação, onde em determinado momento falávamos em interação com o Professor Wilson sobre justamente a humanização de nós humanos.

Cheguei a argumentar que somos incapazes de atingir esta humanização ideal exatamente por que não somos educados ao entendimento da dimensão de nossa própria existência, nem no conceito individual quanto mais em relação a um todo que sequer conseguimos enxergar e muito menos sentir.

Estamos divididos em três facções vivenciais, ou seja: aqueles que crêem em Deus e são religiosos, aqueles que crêem, mas nao são religiosos, e aqueles que não crêem.

Todos, sem exceção, vagueiam em seus cotidianos sem ter qualquer entendimento real do quanto estão desperdiçando seus minutos presentes e, sem sem se dar conta, permanecem repetindo posturas que em sua maioria no máximo os robotizam, tirando lenta, mas sistematicamente, toda e qualquer potencialidade interior que é capaz de impulsioná-los a se verem com…

REALIDADE- A minha e a sua.

Precisamos dos símbolos para que nossas mentes possam processar imagens e através delas, somos, então, capazes de formar conceitos próprios ou, simplesmente, aderir aos conceitos já estabelecidos.

Penso na realidade de cada coisa e, em como ela é variante, já que cada um de nós é capaz de enxergá-la de forma exclusiva, se bem que de um modo geral, haja um consenso perceptivo e universal.
E aí, o que é real?
A realidade é a que eu conceituo em minha mente ou a que se apresenta na formatação de um senso comum?
Ao buscar na coisa a realidade, já levo na busca a contaminação dos conceitos comuns, desta forma descaracterizando-a de uma realidade pura e simples?
Será que somos absolutamente capazes de, em algum momento, verdadeiramente enxergar, sentir ou ouvir algo de uma coisa ou de alguém sem que haja a adição comprometedora deste senso universal no qual fomos inseridos na gestação embrionária de nossas vidas, através das emoções, alimentação e da genética?
Penso nisso em todas as ocasiões em …