Pular para o conteúdo principal

ATÉ QUANDO?


Os cotidianos deveriam ser as balizas do senso de pertencimento de nossas próprias vidas, mas infelizmente não são, porque estamos sempre muito preocupados com um vai e vem pessoal de sobrevivência, deixando nossos destinos ao encargo do sistema, sem que sejamos capazes da compreensão primária de que este, nada mais representa que a imagem e semelhança de nossa alienação existencial.
Por todo o tempo levantamos bandeiras de todas as naturezas, cor, gênero, política, defesa ecológica e etc., deixando nossas vidas ao encargo da sorte ou de Deus.
Enquanto isso, vez por outra, grandes mazelas cotidianas nos abalam, porque são eficientes em nos mostrarem que poderíamos ter sido atingidos, assim, conseguimos em instantes, nos colocar no lugar do outro, podendo sentir os espasmos emocionais de nossa vulnerabilidade.
Até quando, deixaremos a segurança das nossas vidas à cargo do acaso?
Até quando choraremos as dores do mundo, secaremos as lágrimas e seguiremos em frente, à espera da próxima tragédia, que até, pode demorar décadas, mas inevitavelmente, um dia chega, como chegou neste amanhecer de 24 de agosto de 2017, numa rápida, simples e corriqueira viagem de travessia marítima, onde o descaso chegou ao seu ápice.
Até quando, faremos apologias com as banalidades cotidianas, sem, no entanto, acreditarmos que elas também podem nos atingir?
Até quando, permaneceremos cegos, surdos e mudos numa cumplicidade inexplicável a luz da razão, aos descasos sociais, políticos, mas principalmente humanos?
Até quando, buscaremos culpados, se somos todos responsáveis, já que por esta ou aquela razão, acreditamos que o melhor é deixar que algum outro, decida o que é melhor para a condução sadia e segura para nossas vidas?
Até quando nossos valores serão voláteis, egocêntricos ou alienados, para que possamos aprender que “as tragédias” cotidianas podem ser evitadas, controladas ou simplesmente, eliminadas, se a elas estivermos atentos, observando os sinais que são absurdamente visíveis?
Penso então, que enquanto, olharmos o nosso cotidiano sem o devido senso de responsabilidade pessoal, trazendo para nós, os bônus e os ônus conscientes de que precisamos zelar pelas nossas vidas, as tragédias se seguirão, roubando vidas, destroçando almas.
As razões das tragédias em sua maioria são muito óbvias, mas estamos sempre muito ocupados ou comprometidos de alguma forma para evita-las.
Até quando?

E aí, resta-nos chorar pelos que se perderam ou agradecer a Deus por nos ter dado, naquele instante, o livramento.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O FALSO BOM SAMARITANO...

Há algumas horas atrás, assistia à uma uma aula de Filsosofia da Educação, onde em determinado momento falávamos em interação com o Professor Wilson sobre justamente a humanização de nós humanos.

Cheguei a argumentar que somos incapazes de atingir esta humanização ideal exatamente por que não somos educados ao entendimento da dimensão de nossa própria existência, nem no conceito individual quanto mais em relação a um todo que sequer conseguimos enxergar e muito menos sentir.

Estamos divididos em três facções vivenciais, ou seja: aqueles que crêem em Deus e são religiosos, aqueles que crêem, mas nao são religiosos, e aqueles que não crêem.

Todos, sem exceção, vagueiam em seus cotidianos sem ter qualquer entendimento real do quanto estão desperdiçando seus minutos presentes e, sem sem se dar conta, permanecem repetindo posturas que em sua maioria no máximo os robotizam, tirando lenta, mas sistematicamente, toda e qualquer potencialidade interior que é capaz de impulsioná-los a se verem com…

CONSIDERAÇÕES SOBRE A PRESTAÇÃO DE CONTAS DO PRIMEIRO QUADRIMESTRE DE 2018

Estive, como sempre, presente na Câmara Municipal de Itaparica por ocasião da prestação de contas que, diga-se de imediato, foi didaticamente explicada ao público presente, que se resumia em sua maioria a funcionários da própria prefeitura e assessores diretos da gestão. No entanto, todo o evento foi transmitido ao vivo pela sua Rádio Tupinambá FM. Acompanhei os itens apresentados com a mente aberta ao entendimento, mas reconhecendo as minhas limitações contábeis, deixando-me ao direito de apenas buscar dados que explicassem os gastos em relação à arrecadação que, na avaliação de pessoa comum do povo, pareceram-me elevados ao pensar na precariedade em que a cidade vem vivenciando o seu cotidiano. Em vista desta premissa, fui registrando algumas perguntas que as explicações da especialista em finanças, assim como a Controladora do município, não foram capazes de esclarecer, até porque, não cabia a nenhuma delas tecer considerações sobre as decisões da gestora em relação ao destino das ve…

OPRESSÃO CULTURAL

Acreditei estar me especializando na área da observação do comportamento humano e, por toda a minha vida, pensei estar aprendendo tudo quanto poderia, e, no entanto, absorvida com a diversidade infinita que me cercava e totalmente fascinada com o que majestosamente me apresentava a cada instante, me perdi totalmente, e, de repente, assim sem qualquer aviso prévio, vejo-me diante de minha não menos infinita ingenuidade avaliativa e percebo, então, o quanto nada sei em relação a capacidade humana em se adaptar às circunstâncias, ou a buscar posições favoráveis à suas conveniências pessoais de adaptabilidade social.Há alguns anos, venho tentando entender o porque de minha paixão por Itaparica, visto que conheci inúmeros outros locais, não menos bucólicos e acolhedores. E agora, como um raio de luz esclarecedor, posso compreender que em minhas buscas pessoais de aperfeiçoamento, encontrei aqui, neste local encantador, todos os subsídios necessários a um aprendizado mais concreto e expli…