sábado, 12 de agosto de 2017

RECADINHO


Olá,
meu querido pai, você partiu pertinho do Natal de 2000 e de lá para cá, ainda não consegui chorar de tristeza como é inerente às emoções da criatura humana. Nesses quase 13 anos sem a sua presença, após inúmeras reflexões a respeito desta ausência de explicitude da saudade, chego à conclusão sorrindo que afinal, somente o riso, a alegria são capazes de permear as lembranças de todos os instantes que nortearam a nossa convivência, sem máculas por longos e agradáveis cinquenta e um anos.
Também durante todos esses anos de profunda amizade, insistias em não me deixar esquecer que amar e se dedicar, só tem sentido se o outro estiver vivo para receber e, que para os que já se foram apenas deveríamos não deixar morrer suas lembranças.
Pois bem... De você meu querido pai, abasteço-me das lembranças gratificantes de um homem presente, amoroso, responsável e que jamais, deixou de apreciar cada instante de sua preciosa vida, deixando esta sua filha abastecida de sua poderosa, alegria de viver.
E se não bastasse todo este amparo estrutural de vida que você me ofereceu, principalmente mostrando-me o quanto é fundamental não abrir mão dos prazeres, do amor e da capacidade produtiva, ainda o vejo nos traços, no sorriso largo e na irreverência em todas às vezes, que me fito nos espelhos da minha própria existência..
Meu amor e minha gratidão permanecem, induzindo-me a substituir as lágrimas em razão de tua ausência, pelo sorriso amoroso das tuas lembranças.
Ao sempre elegante, cheiroso e irreverente, sr. Hilton de Carvalho, os meus mais emocionados agradecimentos, por ter-me oferecido grandes momentos, a começar pela vida e depois, pelo constante e sábio ensinamento de que em qualquer situação:
A vida é bonita é bonita e é bonita!


Nenhum comentário:

Postar um comentário