Pular para o conteúdo principal

LEMBRANÇAS


Neste instante, aparentemente sozinha, acabo de me lembrar com um sorriso de alegria dos anos que vivi em Brasília, dos poucos e preciosos amigos, do meu início profissional, despertando em mim uma paixão enorme pelo jornalismo, que alimento até os dias de hoje, das “loucuras” que dividi com Roberto e Consuelo Vellasco, na busca, muitas vezes irresponsável, de três jovens numa cidade de grandes espaços e quase nada para se fazer, naquela época, é claro, e do filho Luiz Cláudio, prêmio maior que ganhei nos cinco anos de minha vida vividos naquela cidade que, confesso, não choro de saudades, mas que sem dúvidas foi o precioso início de tudo.
As loucuras se expressavam na minha paixão por automóveis e velocidade que me levavam a arrastar a amiga, parceira e irmã de alma, pelas avenidas enormes e desertas, na busca, e sempre encontrando, de algum outro, talvez na mesma paixão ou solidão, para juntos fazermos “pegas memoráveis”.
Você se lembra Consuelo, das gargalhadas fáceis, da adrenalina empolgante e do medinho da polícia, sempre atenta?
E do policial de moto que me perseguiu e que beijei na porta do Diário de Brasília, tudo para não pagar a multa por excesso de velocidade?
O coitado achou que eu era maluca, enfiou o capacete e disparou em retirada sob os aplausos da turma de funcionários que, naquele momento, retornava do almoço.
E das nossas idas à fazenda que comprei em Santo Antônio do Descoberto, naquela época tranquila e pouco habitada por sítios e fazendas?
Lembro das Seriemas que corriam na frente do carro, do meu cãozinho pequenez Dino, que ao chegar, punha-se a tentar pegar sem jamais conseguir pegar um só frango e que, cansado, deixava-se descansar deitando-se sobre as águas frescas das inúmeras nascentes que por lá existiam. Na realidade, creio que o barato dele era, tão somente, a corrida.
Lembro saudosa de lindas criaturas como, por exemplo, Karim Nabut, meu primeiro grande cliente, Ivo Borges de Lima, Geraldo Vasconcelos, Dr. Ribamar, deputado Ricardo fiuza, Montenegro, Willian Anoni, Maria Regina (falecida ainda uma menina de 23 anos), Cláudio Pszolato, a linda secretária Joana e tantas e tantas outras pessoas com as quais convivemos e que a memória me falha quanto aos nomes, mantendo vivo seus semblantes e seus sorrisos, que naqueles inesquecíveis momentos, enriqueceram os nossos universos pessoais.
Fecho estas recordações lembrando do sabor das moelas ao molho de tomate que a turma do jornal comia pelas madrugadas após o fechamento das edições no” boteco do Marcos”, uma espelunca acolhedora, onde eu cantava por insistência do Ivo, acompanhada pelo som maravilhoso de um violão, tocado por um colega. Era uma festa a cada fim de trabalho.
Andávamos em bando pelas madrugadas estreladas numa irmandade nunca mais vivida.
Pescarias à beira dos rios, piqueniques na pequena cachoeira com os mosquitos nos devorando, enfim, tudo era simplesmente maravilhoso.
São tantos os instantes de lembranças que eu precisaria de muitas laudas, portanto, encerro agora com a bela tela de um dos muitos “pores de sol” que fascinada admirei e retive na memória.
E tudo isso em plena ditadura militar...


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

OPRESSÃO CULTURAL

Acreditei estar me especializando na área da observação do comportamento humano e, por toda a minha vida, pensei estar aprendendo tudo quanto poderia, e, no entanto, absorvida com a diversidade infinita que me cercava e totalmente fascinada com o que majestosamente me apresentava a cada instante, me perdi totalmente, e, de repente, assim sem qualquer aviso prévio, vejo-me diante de minha não menos infinita ingenuidade avaliativa e percebo, então, o quanto nada sei em relação a capacidade humana em se adaptar às circunstâncias, ou a buscar posições favoráveis à suas conveniências pessoais de adaptabilidade social.Há alguns anos, venho tentando entender o porque de minha paixão por Itaparica, visto que conheci inúmeros outros locais, não menos bucólicos e acolhedores. E agora, como um raio de luz esclarecedor, posso compreender que em minhas buscas pessoais de aperfeiçoamento, encontrei aqui, neste local encantador, todos os subsídios necessários a um aprendizado mais concreto e expli…

Os professores: Um “novo” objeto da investigação educacional?

Houve um tempo, afinal nem tão distante, em que a função da escola era prioritariamente ensinar disciplinas que contribuíam nos universos de cada criança, despertando-as em suas inclinações naturais, na construção de seu futuro perfil profissional e pessoal.
Também era no ambiente escolar que a criança exercitava a convivência, não só com o contrário, mas principalmente com o diferente, deixando aflorar os ensinamentos oriundos de seu núcleo familiar.
Era comum ouvir-se: “a educação vem do berço”.
E este berço, não necessariamente precisava ser abastado economicamente e muito menos letrado, pois havia os conceitos pré-estabelecidos, onde as posturas respeitavam os limites do alheio, criando-se assim normas socais de conduta, não só externa, mas antes de tudo em meio à própria família.
Nesta época a que me refiro, havia uma distinção entre as atribuições tanto da família como da escola, assim como sob nenhuma circunstância esperava-se do mestre qualquer atributo fosse materno ou paterno, a…

O FALSO BOM SAMARITANO...

Há algumas horas atrás, assistia à uma uma aula de Filsosofia da Educação, onde em determinado momento falávamos em interação com o Professor Wilson sobre justamente a humanização de nós humanos.

Cheguei a argumentar que somos incapazes de atingir esta humanização ideal exatamente por que não somos educados ao entendimento da dimensão de nossa própria existência, nem no conceito individual quanto mais em relação a um todo que sequer conseguimos enxergar e muito menos sentir.

Estamos divididos em três facções vivenciais, ou seja: aqueles que crêem em Deus e são religiosos, aqueles que crêem, mas nao são religiosos, e aqueles que não crêem.

Todos, sem exceção, vagueiam em seus cotidianos sem ter qualquer entendimento real do quanto estão desperdiçando seus minutos presentes e, sem sem se dar conta, permanecem repetindo posturas que em sua maioria no máximo os robotizam, tirando lenta, mas sistematicamente, toda e qualquer potencialidade interior que é capaz de impulsioná-los a se verem com…