Pular para o conteúdo principal

O mês dos incríveis !!!!

imagem: 4.bp.blogspot.com

Volto ao passado e relembro o ano em que completei 38 anos e estava no varandão da casa da Pampulha, tendo nos braços a minha linda filha Anna Paula, que naquela época tinha somente poucos meses de vida. Lá também estava a minha querida sogra Zizita e o meu Sebastião Roberto.

A tarde estava caindo e nós estávamos planejando a festa de nossos aniversários, afinal, tanto eu como Zizita, nascemos no mesmo mês de novembro, com diferença apenas de poucos dias e muitos anos. Ela era festeira, bem ao contrário de mim, mas fazer o quê, se eu a adorava e jamais medi esforços para apoia-la em suas iniciativas festeiras. Pois é, entre uma idéia e outra, visto que éramos extremamente exageradas, alguém falou em relação ao ano 2000 e eu me recordo com nitidez do quanto me pareceu longínquo, inacessível, fora do real naquele momento em que o tempo não representava um aspecto tão importante, afinal, com esta idade, quem pensa que seu tempo está passando ou que poderá não chegar em um momento determinado, pois parece que nos sentimos eternos em nossas juventudes.

É…, 2000 chegou, já se foi e estou encostando em 2010 e de repente, pensando e escrevendo sobre isso, surpreendo-me ainda mais feliz por que cheguei até aqui, saudável, alegre, repleta de vida e aí, sem querer ser estraga prazeres, estou fortemente inclinada a pensar que os próximos 30 anos, representarão um longo caminho, onde realisticamente minhas pespectivas de vida se reduzem a patamares alarmantes, se eu fosse uma pessoa preocupada e cismada, mas como não passo de uma abestalhada sonhadora, vou vivendo, sorvendo tudo que posso de bom, arrancando de minha alma todos os sorrisos e intenções amorosas, jamais rejeitando novas experiências, fazendo de verdade a cada instante uma certeza de não ter medo de de ser feliz, e aí, o que me importa se vou chegar a viver os próximos 30 anos se neste momento presente comemoro já ter vivido os meus sagrados 60 anos?

Só posso agradecer à vida, ao universo, à natureza e as milhares de criaturas humanas, ou não, que me doaram parte de suas energias, lamentando apenas as quedas irrecuperáveis de pele, de bunda e de frescor, que em bons tempos lá no passado, me ajudaram a embelezar ainda mais este planeta fantástico.

Fazer o que?

Já há muito, aperfeiçoo o meu sorriso, burilo a minha capacidade amorosa, na esperança tão somente de emprestar todo o meu potencial amoroso aos que se dispuserem a receber.

Olho, por um instante através da janela, enquanto digito meus pensamentos e me surpreendo com o meu pé de amoras que, carregadinho, parece me convidar a desfrutar da delícia de seu sabor, apenas para me lembrar que estou viva e que somente isto é que importa a cada instante.

Isto não é incrível!!

Penso, então, que a tão buscada felicidade geralmente se encontra diante de nossos olhos, olfato, paladar, ouvidos e, no entanto, sequer percebemos, porque estamos buscando-a fora de nós mesmos, e aí, bem… aí, tudo se complica, porque ficamos sem a capacidade de sentí-la. Neste momento, reafirmo a minha felicidade em estar viva, e isto é felicidade que levarei ao máximo do êxtase, pois irei saborear minhas amoras enquanto aguardo os meus amores chegarem para o almoço de comemoração neste sábado radioso, em que comemoro mais um bendito aniversário. Portanto, parabéns para mim e para cada um de vocês que participam deste blog, me apoiando a cada dia.

Um beijo bem gostoso!!!!!!!!

Comentários

  1. é regina vc tem toda razão gostoso é viver ,
    e viver sem medo da felicidade ou da tristeza,
    e poder gozar de momentos q para muitos são corriqueiros e banáis,se esuqecendo q são as pequenas coisas q valem mais,q de pequenos detalhes q vem a diferença de viver para existir...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O FALSO BOM SAMARITANO...

Há algumas horas atrás, assistia à uma uma aula de Filsosofia da Educação, onde em determinado momento falávamos em interação com o Professor Wilson sobre justamente a humanização de nós humanos.

Cheguei a argumentar que somos incapazes de atingir esta humanização ideal exatamente por que não somos educados ao entendimento da dimensão de nossa própria existência, nem no conceito individual quanto mais em relação a um todo que sequer conseguimos enxergar e muito menos sentir.

Estamos divididos em três facções vivenciais, ou seja: aqueles que crêem em Deus e são religiosos, aqueles que crêem, mas nao são religiosos, e aqueles que não crêem.

Todos, sem exceção, vagueiam em seus cotidianos sem ter qualquer entendimento real do quanto estão desperdiçando seus minutos presentes e, sem sem se dar conta, permanecem repetindo posturas que em sua maioria no máximo os robotizam, tirando lenta, mas sistematicamente, toda e qualquer potencialidade interior que é capaz de impulsioná-los a se verem com…

CONSIDERAÇÕES SOBRE A PRESTAÇÃO DE CONTAS DO PRIMEIRO QUADRIMESTRE DE 2018

Estive, como sempre, presente na Câmara Municipal de Itaparica por ocasião da prestação de contas que, diga-se de imediato, foi didaticamente explicada ao público presente, que se resumia em sua maioria a funcionários da própria prefeitura e assessores diretos da gestão. No entanto, todo o evento foi transmitido ao vivo pela sua Rádio Tupinambá FM. Acompanhei os itens apresentados com a mente aberta ao entendimento, mas reconhecendo as minhas limitações contábeis, deixando-me ao direito de apenas buscar dados que explicassem os gastos em relação à arrecadação que, na avaliação de pessoa comum do povo, pareceram-me elevados ao pensar na precariedade em que a cidade vem vivenciando o seu cotidiano. Em vista desta premissa, fui registrando algumas perguntas que as explicações da especialista em finanças, assim como a Controladora do município, não foram capazes de esclarecer, até porque, não cabia a nenhuma delas tecer considerações sobre as decisões da gestora em relação ao destino das ve…

REALIDADE- A minha e a sua.

Precisamos dos símbolos para que nossas mentes possam processar imagens e através delas, somos, então, capazes de formar conceitos próprios ou, simplesmente, aderir aos conceitos já estabelecidos.

Penso na realidade de cada coisa e, em como ela é variante, já que cada um de nós é capaz de enxergá-la de forma exclusiva, se bem que de um modo geral, haja um consenso perceptivo e universal.
E aí, o que é real?
A realidade é a que eu conceituo em minha mente ou a que se apresenta na formatação de um senso comum?
Ao buscar na coisa a realidade, já levo na busca a contaminação dos conceitos comuns, desta forma descaracterizando-a de uma realidade pura e simples?
Será que somos absolutamente capazes de, em algum momento, verdadeiramente enxergar, sentir ou ouvir algo de uma coisa ou de alguém sem que haja a adição comprometedora deste senso universal no qual fomos inseridos na gestação embrionária de nossas vidas, através das emoções, alimentação e da genética?
Penso nisso em todas as ocasiões em …