Pular para o conteúdo principal

A FILOSOFIA E EU

Estudar filosofia sem o compromisso de decorar nomes, datas e períodos abriu um espaço mental para uma compreensão maior sobre a lógica de cada pensamento e seu desenvolvimento evolutivo, através das mentes de criaturas brilhantes, que confesso, não só me fascinaram, como foram dando lógica consciente ao meu já natural espírito crítico, assim como a minha também incapacidade de aceitação imediata sobre qualquer assunto sem uma busca mais ampla de conhecimento. Claro que esta capacidade de raciocínio ou simples observação foi de fundamental importância na minha visão avaliativa, todavia, acarretou ao longo do tempo uma espécie de enfado frente às mesmices sociais que vão se tornando tão translúcidas que chegam em algumas ocasiões a provocar incômodos físicos. Não se trata de ser mais inteligente, apenas creio, sou mais dedicada a entender as pessoas em suas infinitas facetas de personalidade e os efeitos dos mesmos sobre o todo no qual elas se encontram inseridas, assim como o poder de contágio que representam determinadas posturas que passam a se incorporar nas mentes e, portanto, hábitos como se fossem absolutamente adequados, abrindo espaço para que o desequilíbrio se instale e se adapte como finas luvas de pelica em mãos delicadas. E é assim que vejo a sociedade brasileira que, devido as dimensões territoriais, se diversificou em regiões e estas fracionaram-se em milhares de novas formações culturais, tendo como base formadora a quase total falta de letramento, limitante poderoso ao entendimento básico de cidadania. A rudeza da essência, que os livros de um modo geral chamam de bravura, a história é capaz de mostrar através de levantes, guerra interna, intentonas, revoluções e etc., assim como um servilismo na forma de contraponto, herdado dos índios e dos escravos no empréstimo ou doação que fizeram de seus DNAs. Impressionante e extraordinário são os fatos que se desenrolam mais precisamente nos últimos 10 anos, e que por si só, já deveriam ser suficientes para que determinados padrões se alterassem na avaliação de qualquer brasileiro, estivesse ele até mesmo nos mais longínquos rincões; mas não tem sido assim, a ponto de ainda serem aceitos os injustos como heróis ou vítimas dos escândalos, numa demonstração clara e objetiva que todas as mazelas existentes se resumem no atavismo de ideias e ideais até mesmo daqueles que, por sorte, nasceram em berço esplêndido ou receberam benécias deste poder que muda de nome e sigla, mas que até o momento, permanece tal qual, como entendeu e sabiamente Castro Alves com apenas 15 anos registrou em seu grandioso poema Navio Negreiro. “No entanto o capitão manda a manobra E após fitando o céu que se desdobra, Tão puro sobre o mar, Diz do fumo entre os densos nevoeiros: "Vibrai rijo o chicote, marinheiros! Fazei-os mais dançar!..." E dançamos lá e dançamos cá, pois os lobos se vestem de cordeiros e sorrateiros, cuidam de si e de seus mais infames interesses. A ILHA DO MEDO não é negociável.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

OPRESSÃO CULTURAL

Acreditei estar me especializando na área da observação do comportamento humano e, por toda a minha vida, pensei estar aprendendo tudo quanto poderia, e, no entanto, absorvida com a diversidade infinita que me cercava e totalmente fascinada com o que majestosamente me apresentava a cada instante, me perdi totalmente, e, de repente, assim sem qualquer aviso prévio, vejo-me diante de minha não menos infinita ingenuidade avaliativa e percebo, então, o quanto nada sei em relação a capacidade humana em se adaptar às circunstâncias, ou a buscar posições favoráveis à suas conveniências pessoais de adaptabilidade social.Há alguns anos, venho tentando entender o porque de minha paixão por Itaparica, visto que conheci inúmeros outros locais, não menos bucólicos e acolhedores. E agora, como um raio de luz esclarecedor, posso compreender que em minhas buscas pessoais de aperfeiçoamento, encontrei aqui, neste local encantador, todos os subsídios necessários a um aprendizado mais concreto e expli…

Os professores: Um “novo” objeto da investigação educacional?

Houve um tempo, afinal nem tão distante, em que a função da escola era prioritariamente ensinar disciplinas que contribuíam nos universos de cada criança, despertando-as em suas inclinações naturais, na construção de seu futuro perfil profissional e pessoal.
Também era no ambiente escolar que a criança exercitava a convivência, não só com o contrário, mas principalmente com o diferente, deixando aflorar os ensinamentos oriundos de seu núcleo familiar.
Era comum ouvir-se: “a educação vem do berço”.
E este berço, não necessariamente precisava ser abastado economicamente e muito menos letrado, pois havia os conceitos pré-estabelecidos, onde as posturas respeitavam os limites do alheio, criando-se assim normas socais de conduta, não só externa, mas antes de tudo em meio à própria família.
Nesta época a que me refiro, havia uma distinção entre as atribuições tanto da família como da escola, assim como sob nenhuma circunstância esperava-se do mestre qualquer atributo fosse materno ou paterno, a…

O FALSO BOM SAMARITANO...

Há algumas horas atrás, assistia à uma uma aula de Filsosofia da Educação, onde em determinado momento falávamos em interação com o Professor Wilson sobre justamente a humanização de nós humanos.

Cheguei a argumentar que somos incapazes de atingir esta humanização ideal exatamente por que não somos educados ao entendimento da dimensão de nossa própria existência, nem no conceito individual quanto mais em relação a um todo que sequer conseguimos enxergar e muito menos sentir.

Estamos divididos em três facções vivenciais, ou seja: aqueles que crêem em Deus e são religiosos, aqueles que crêem, mas nao são religiosos, e aqueles que não crêem.

Todos, sem exceção, vagueiam em seus cotidianos sem ter qualquer entendimento real do quanto estão desperdiçando seus minutos presentes e, sem sem se dar conta, permanecem repetindo posturas que em sua maioria no máximo os robotizam, tirando lenta, mas sistematicamente, toda e qualquer potencialidade interior que é capaz de impulsioná-los a se verem com…