Pular para o conteúdo principal

ATÉ QUANDO?

Sou avessa a qualquer trabalho jornalístico que busque escândalos e contínuo sensacionalismo, apesar de reconhecer que nos dias atuais é o que se vê em todas as mídias sem distinção, afinal, é o que a maioria do povo gosta e, portando, dá audiência e faturamento certo para os departamentos comerciais que sustentam todas elas, assim como fama de celebridades aos “agentes jornalísticos”, nem sempre profissionais de formação e experiência. Essa introdução é justamente para que não se confunda as minhas críticas ao Hospital Geral de Itaparica, até porque, não posso generalizar, desqualificando os esforços que são feitos por coordenadores, diretores médicos, enfermeiros e médicos, assim como os demais profissionais que em sua maioria são dedicados, além de qualificados para os cargos eu ocupam. Refiro-me a uma empresa gestora que há anos vem oferecendo aos cidadãos de Itaparica e Vera Cruz e outras comunidades adjacentes, um serviço medíocre em todos os sentidos. Durante algum tempo, fiquei me perguntando, por que estes profissionais aceitavam trabalhar em meio a precariedade, na relutância lúdica em reconhecer que infelizmente, a falta de apoio coletivo de coletas de função, inibe qualquer iniciativa, pois esqueci do famoso ditado popular que diz: “Andorinha sozinha não faz verão”, pois no mínimo se ferra. Creio infelizmente, que muitos ainda perderão suas vidas, quando apenas seria necessário um atendimento qualificado de profissionais que pudessem contar com exames imediatos que pudessem corroborar com os seus diagnósticos iniciais. Profissionais que não estivessem exaustos pela excessiva carga de atendimentos e quase total carência do tudo mais que pudessem lhes servir de apoio. Bem, não sou médica, jamais trabalhei na área de saúde, mas conheço um pouco a área humana, na qual dediquei toda a minha formação de profissional e ser humano, concluindo que é lamentável, ano após ano, a cena se repetir como um filme velho e corroído, sem que a população se rebele e os responsáveis pelas mazelas, devidamente punidos. Até quando, viveremos este abandono às nossas vidas? Até quando, morreremos para que outros se deem bem? Até quando, choraremos nossas dores na solidão da falta de conscientização de nossos direitos? O que eu sei é que poderia ser bem melhor...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

OPRESSÃO CULTURAL

Acreditei estar me especializando na área da observação do comportamento humano e, por toda a minha vida, pensei estar aprendendo tudo quanto poderia, e, no entanto, absorvida com a diversidade infinita que me cercava e totalmente fascinada com o que majestosamente me apresentava a cada instante, me perdi totalmente, e, de repente, assim sem qualquer aviso prévio, vejo-me diante de minha não menos infinita ingenuidade avaliativa e percebo, então, o quanto nada sei em relação a capacidade humana em se adaptar às circunstâncias, ou a buscar posições favoráveis à suas conveniências pessoais de adaptabilidade social.Há alguns anos, venho tentando entender o porque de minha paixão por Itaparica, visto que conheci inúmeros outros locais, não menos bucólicos e acolhedores. E agora, como um raio de luz esclarecedor, posso compreender que em minhas buscas pessoais de aperfeiçoamento, encontrei aqui, neste local encantador, todos os subsídios necessários a um aprendizado mais concreto e expli…

Os professores: Um “novo” objeto da investigação educacional?

Houve um tempo, afinal nem tão distante, em que a função da escola era prioritariamente ensinar disciplinas que contribuíam nos universos de cada criança, despertando-as em suas inclinações naturais, na construção de seu futuro perfil profissional e pessoal.
Também era no ambiente escolar que a criança exercitava a convivência, não só com o contrário, mas principalmente com o diferente, deixando aflorar os ensinamentos oriundos de seu núcleo familiar.
Era comum ouvir-se: “a educação vem do berço”.
E este berço, não necessariamente precisava ser abastado economicamente e muito menos letrado, pois havia os conceitos pré-estabelecidos, onde as posturas respeitavam os limites do alheio, criando-se assim normas socais de conduta, não só externa, mas antes de tudo em meio à própria família.
Nesta época a que me refiro, havia uma distinção entre as atribuições tanto da família como da escola, assim como sob nenhuma circunstância esperava-se do mestre qualquer atributo fosse materno ou paterno, a…
SURREAL, na falta de uma palavra mais adequada para definir o espetáculo das diferenças sistêmicas que se apresentou no Paço municipal de Itaparica, nesta manhã de 15 de janeiro de 2018, quando da posse da nova Secretária de saúde, senhora Estela de Souza. Minhas observações são resultadas de um espanto generalizado de uma representação pra lá de inimaginável em uma terra abandonada pelos poderes públicos e que, como resultado, fez nascer e se desenvolver um povo acanhado, sofrido e marginalizado, incapaz de ter voz ativa associado à sensatez da busca do que acredita ser os seus direitos. Enquanto, uma elite frajola, elegante, cheirosa e desconhecida à cidade e ignorante das reais necessidades da mesma, discursava no salão imperial, aplaudindo a si mesmo, meia dúzia de oposicionistas gritavam palavras de ordem em nome de um povo acovardado que se escondia atrás de muros e janelas, incapazes de ter voz ativa, além do anonimato das esquinas, bares e corredores, numa expressividade indubi…