sábado, 16 de maio de 2015

NENHUMA PROPOSTA


Quando nos arvoramos da soberania da verdade absoluta e ainda nos aliamos ao partidarismo político, exercendo uma oposição vazia, perdemos a capacidade de visualizar o todo e nos perdemos na superficialidade do apenas embate.
Enxergar o bem feito é tão valioso quanto o mal feito ou o jamais realizado e nós, brasileiros sorridentes e complacentes, nos enquadramos exatamente, na categoria dos papagaios de Pirata, sem verdadeiramente, sermos capazes de nos colocarmos numa postura de cidadãos que buscam direitos e, não o fazemos, justo porque fugimos sempre que nos é dada a oportunidade de cumprirmos com as nossas obrigações, crendo ingenuamente que somos espertos e que nos damos bem em tudo.
Quando optamos pelo embate e isto é corriqueiro entre nós, fechamos as portas para o diálogo e para a conquista de lideranças que sejam capazes de raciocinarem de forma universalizada, limitando mudanças e ofuscando a criatividade, tão necessária para que se proceda alterações que representem evolução, seja lá do que for.
Insistimos em trocar seis por meia dúzia, fechando os olhos e a mente para o desperdício de tempo e energias que poderiam ser canalizadas para um verdadeiro bem comum.
Citarei Itaparica, mas poderia ser qualquer outra cidade com as mesmas características turística e que possua a mesma limitação territorial.
Vergonha, tristeza, absurdo, afinal, por que de tanto abandono?
A cantilena é a mesma a cada eleição e o pior e que a cada uma, venho observando que começam cada vez mais cedo, não com propostas palpáveis e sustentáveis, mas com um amontoado de acusações chatas, porque percebo também a escassez de raciocínio lógico que não esteja atrelado ao interesse pessoal de se dar bem.
E aí, o ciclo se repete, numa simbiose que mostra seus efeitos através de uma miséria sempre crescente, de uma violência implacável a todos e, finalmente, a um atraso histórico.
Impensável estarmos vivendo em um local minúsculo e ao invés de estarmos apenas cercados de agua por todos os lados, ainda estamos cercados, presos e amordaçados a uma ignorância social e humanitária que além de assustar, também faz doer.
Casas de pau a pique, esgotos a céu aberto, lixo amontoado nas esquinas, animais pastando em vias públicas, lamas, buracos, cobras e ratos e um povo sofrido, em sua maioria sem sequer saber que podem vivenciar melhores e mais dignas realidades.
Detesto pensar que engrosso as fileiras dos responsáveis e que escrevo e falo sozinha por todo o tempo.
Suspiro ao pensar que precisaremos de pelo menos 20 anos para que esta realidade se altere, através desta juventude que está começando a ser tratada com respeito nas nossas escolas e ainda tenho que ouvir blá, blá blá... de quem sequer consegue mensurar o valor do aprendizado?
Num Município em que nada foi acrescentado em favor do povo, povinho, povão, há décadas, como desconsiderar um feito como o que vem ocorrendo na educação e na saúde, fazendo apologias tolas.
Buracos, matos e ratos, cabe a cada um de nós buscar soluções através de comissões comunitárias que com seriedade, recorra à administração, exigindo soluções viáveis às prioridades.
Política se faz nos palanques e esquinas, com frases de efeito e velhos jargões, para impressionar, mas as soluções só acontecem com empenho e determinação e principalmente, projetos que se enquadrem dentro da realidade existente.
Dezenas de reuniões se formam, mas nenhuma proposta consistente é apresentada. Que pena!!!!





Nenhum comentário:

Postar um comentário