Pular para o conteúdo principal

NÃO ME LEVEM A MAL


Tenho mais o que fazer, afinal, já se foi o tempo em que o tempo nada significava e que eu podia me dar ao luxo de, simplesmente, jogá-lo fora com papos inúteis, festas bobas, trabalhos infrutíferos ou na companhia de pessoas que apenas partilhavam comigo o desconhecimento da importância de se valorizar cada instante presente, oferecendo a eles subsídios de afinidades que pudessem significar real bem estar.
Não levem a mal minhas palavras, dando a elas qualquer outra conotação que não seja tão somente a da conscientização de um ponto de vista, absolutamente pessoal, e que em nada denigre ou menospreza qualquer situação social com as quais as pessoas sistemicamente estejam inseridas, até porque, creio que o despertar para o amadurecimento que ocorria em mim e a experiência lúcida de não tentar camuflar o envelhecimento, fez descortinar uma surpreendente forma de vivenciar os meus dias, libertando-me das sufocantes amarras do cotidiano, que sutil, mas também maleficamente, induziam-me a acreditar que para ser feliz eu precisaria ser desta ou daquela maneira, fazer isto ou aquilo ou me comportar assim ou  assado.
Meus dias sempre foram alegres, descontraídos e irreverentes em muitas ocasiões, mas talvez pela minha própria natureza, também sempre fui muito curiosa em querer enxergar o que não estava propriamente à mostra.
Fui desvendando e me chocando, todavia, o que fazer com tantas informações?
Esta falta de norteamento quanto ao destino que eu deveria dar às minhas descobertas fizeram com que eu as armazenassem sem qualquer critério e, certamente, não demorou para que as portas de meu armário pessoal já não mais fechassem, impondo-me um profundo desconforto que somente o “LEXOTAN”, em doses cavalares, foi capaz de aliviar.
Aliviar talvez, solucionar jamais.
E neste impasse existencial, em um dia qualquer em que eu me encontrava desprevenida e olhei sem retoques para o espelho revelador e pude, então, ver-me sem qualquer toque fantasioso, enxergando quase em choque a maior de todas as minhas descobertas, porque, afinal, o tempo safado lá ia passando, levando o frescor, a leveza e se eu bobeasse, a minha própria vida e, portanto, eu precisava fazer algo, não para contê-lo, mas para acompanha-lo sem qualquer disputa.
Já fazem vinte e cinco anos deste encontro inesperado com o tempo, e de lá para cá, fomos formando uma inestimável parceria de vida e liberdade, ele se mostrando rápido e devastador, assim como também, descortinando-se um agradável parceiro, pois abriu-me espaço para que, finalmente, eu pudesse ser o que sempre fui, apenas uma mulher apaixonada pela vida, sem qualquer outra obrigação maior que viver os meus instantes presentes de maneira leve, sem amarras e sem pressão, pois, afinal, lá na minha infância, entre o sistêmico luxo de Ipanema, com suas tradições e cobranças, havia uma Guapimirim poética, livre e acolhedora.
E foram estas contradições que me permitiram, finalmente em um certo dia, compreender o tempo, aonde junto a ele, conscientemente, passei a tecer as malhas do restante do meu destino.
Portanto, não me levem a mal, pois eu só quero ser feliz.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

OPRESSÃO CULTURAL

Acreditei estar me especializando na área da observação do comportamento humano e, por toda a minha vida, pensei estar aprendendo tudo quanto poderia, e, no entanto, absorvida com a diversidade infinita que me cercava e totalmente fascinada com o que majestosamente me apresentava a cada instante, me perdi totalmente, e, de repente, assim sem qualquer aviso prévio, vejo-me diante de minha não menos infinita ingenuidade avaliativa e percebo, então, o quanto nada sei em relação a capacidade humana em se adaptar às circunstâncias, ou a buscar posições favoráveis à suas conveniências pessoais de adaptabilidade social.Há alguns anos, venho tentando entender o porque de minha paixão por Itaparica, visto que conheci inúmeros outros locais, não menos bucólicos e acolhedores. E agora, como um raio de luz esclarecedor, posso compreender que em minhas buscas pessoais de aperfeiçoamento, encontrei aqui, neste local encantador, todos os subsídios necessários a um aprendizado mais concreto e expli…

Os professores: Um “novo” objeto da investigação educacional?

Houve um tempo, afinal nem tão distante, em que a função da escola era prioritariamente ensinar disciplinas que contribuíam nos universos de cada criança, despertando-as em suas inclinações naturais, na construção de seu futuro perfil profissional e pessoal.
Também era no ambiente escolar que a criança exercitava a convivência, não só com o contrário, mas principalmente com o diferente, deixando aflorar os ensinamentos oriundos de seu núcleo familiar.
Era comum ouvir-se: “a educação vem do berço”.
E este berço, não necessariamente precisava ser abastado economicamente e muito menos letrado, pois havia os conceitos pré-estabelecidos, onde as posturas respeitavam os limites do alheio, criando-se assim normas socais de conduta, não só externa, mas antes de tudo em meio à própria família.
Nesta época a que me refiro, havia uma distinção entre as atribuições tanto da família como da escola, assim como sob nenhuma circunstância esperava-se do mestre qualquer atributo fosse materno ou paterno, a…

O FALSO BOM SAMARITANO...

Há algumas horas atrás, assistia à uma uma aula de Filsosofia da Educação, onde em determinado momento falávamos em interação com o Professor Wilson sobre justamente a humanização de nós humanos.

Cheguei a argumentar que somos incapazes de atingir esta humanização ideal exatamente por que não somos educados ao entendimento da dimensão de nossa própria existência, nem no conceito individual quanto mais em relação a um todo que sequer conseguimos enxergar e muito menos sentir.

Estamos divididos em três facções vivenciais, ou seja: aqueles que crêem em Deus e são religiosos, aqueles que crêem, mas nao são religiosos, e aqueles que não crêem.

Todos, sem exceção, vagueiam em seus cotidianos sem ter qualquer entendimento real do quanto estão desperdiçando seus minutos presentes e, sem sem se dar conta, permanecem repetindo posturas que em sua maioria no máximo os robotizam, tirando lenta, mas sistematicamente, toda e qualquer potencialidade interior que é capaz de impulsioná-los a se verem com…