quarta-feira, 14 de novembro de 2012

OUTONO

 

Dentre todas as coisas que tenho vivido nos últimos anos desta minha vida pouco monótona, certamente estar em constante contato com as pessoas tem sido muitíssimo gratificante, além de representar um inestimável aprendizado.

Durante muitos anos, deliberadamente isolei-me na busca de poder reciclar-me sem que houvesse qualquer tipo de interferência externa que pudesse desvirtuar meus direcionamentos inerentes a imersão emocional que eu havia determinado a mim mesma, afinal, durante vinte longos anos, escrevi sobre as emoções com as quais nós, criaturinhas humanas, vamos reconhecendo em nossos comportamentos cotidianos, mas até então, não havia me imposto conhecer mais amiúde as minhas próprias.

Sabotagem pessoal que tantas vezes abordei em meus estudos, onde reconhecia com clareza o quanto o ser humano foge em enxergar-se, buscando camuflagens diversificadas no intuito de, tão somente, esconder o que representa em termos reais, fazendo do véu da camuflagem um abrigo aparentemente seguro contra a dor do reconhecimento que certamente por instinto natural, percebe que não será fácil entender e polir de seu modo de ser e de agir.
Bendito outono que chegou em minha vida, trazendo com ele o vento fresco do entendimento.

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário