Pular para o conteúdo principal

ESQUISITA... TALVEZ.



Dentre todas as atribuições que as circunstâncias, ou a minha plena vontade, determinaram, certamente, o ficar sozinha, apenas com os meus pássaros, minhas plantas com suas preciosas energias e, é claro, meus benditos pensares, foram as minhas preferidas atividades.

Quando garota, e mesmo adolescente, fui alvo de gozações familiares e estranhamentos por parte de alguns vizinhos e mesmo coleguinhas que não compreendiam como eu, saudável, repleta de energias, em dado momento do dia, isolava-me, buscando no silêncio, minha preciosa distração e quando, finalmente, comecei a escrever e a colocar em palavras as delícias de meus momentos, bem... aí, verdadeiramente, arranquei enormes críticas, pois tias e primos e até mesmo minha mãe, viam em meu comportamento um enorme perigo eminente, pois, afinal, eu estava ficando, a cada dia, mais e mais parecida com tia Hilda, e parecer-se com ela, no início dos anos sessenta, era o mesmo que colocar-me no patamar das mulheres livres, que a sociedade, mesmo carioca, ainda não estava devidamente pronta para aceitar de forma natural.

E eu, mais tarde, percebi que fui perseguida de modo cruel pela ignorância de uma época e de um sistema hipócrita que fez de mim, por anos a fio, uma jovem perdida em si mesma, tentando e sistematicamente fracassando em disfarçar uma espontaneidade que me era absolutamente natural.

Por incrível que possa parecer, a minha constante busca de isolamento, fez com que eu desenvolvesse uma perfeita sintonia com o natural, e nesses momentos não havia censuras, frescuras ou qualquer outra situação que pudesse macular a harmonia daquele entrosamento entre a minha natureza energética e o todo no qual de forma simples, mas envolvente, eu me via e me sentia inserida.

No entanto, foi em Guapimirim (cidade serrana próxima ao Rio de Janeiro), justo em uma das casas de campo da família, e no caso, da própria tia Hilda, que pude com clareza definir em mim a escolha pela grandiosidade do simples, pela beleza das cores da natureza, pelos ruídos do silêncio que, ainda hoje, tantas décadas depois, preenchem meus instantes, fazendo de mim, não mais uma pessoa confusa, mas uma criatura que sabe exatamente o que lhe dá prazer.

E prazer para mim é estar permanentemente interagindo com este mundo de sons e imagens que fazem de meu imaginário um ininterrupto criador de situações surpreendentes, todas, geralmente, extraídas do aparente quase nada que me cerca, quando  na também aparente solidão, sou livre para tão somente sentir e, então, o comum do cotidiano recebe de mim o meu melhor que é a bendita compreensão em relação a certeza absoluta de que nada mudarei que não seja através de minha forma de ser e de me inserir neste contexto permanente de querer e buscar ter, que a mim, não quer dizer absolutamente nada.

 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

OPRESSÃO CULTURAL

Acreditei estar me especializando na área da observação do comportamento humano e, por toda a minha vida, pensei estar aprendendo tudo quanto poderia, e, no entanto, absorvida com a diversidade infinita que me cercava e totalmente fascinada com o que majestosamente me apresentava a cada instante, me perdi totalmente, e, de repente, assim sem qualquer aviso prévio, vejo-me diante de minha não menos infinita ingenuidade avaliativa e percebo, então, o quanto nada sei em relação a capacidade humana em se adaptar às circunstâncias, ou a buscar posições favoráveis à suas conveniências pessoais de adaptabilidade social.Há alguns anos, venho tentando entender o porque de minha paixão por Itaparica, visto que conheci inúmeros outros locais, não menos bucólicos e acolhedores. E agora, como um raio de luz esclarecedor, posso compreender que em minhas buscas pessoais de aperfeiçoamento, encontrei aqui, neste local encantador, todos os subsídios necessários a um aprendizado mais concreto e expli…

Os professores: Um “novo” objeto da investigação educacional?

Houve um tempo, afinal nem tão distante, em que a função da escola era prioritariamente ensinar disciplinas que contribuíam nos universos de cada criança, despertando-as em suas inclinações naturais, na construção de seu futuro perfil profissional e pessoal.
Também era no ambiente escolar que a criança exercitava a convivência, não só com o contrário, mas principalmente com o diferente, deixando aflorar os ensinamentos oriundos de seu núcleo familiar.
Era comum ouvir-se: “a educação vem do berço”.
E este berço, não necessariamente precisava ser abastado economicamente e muito menos letrado, pois havia os conceitos pré-estabelecidos, onde as posturas respeitavam os limites do alheio, criando-se assim normas socais de conduta, não só externa, mas antes de tudo em meio à própria família.
Nesta época a que me refiro, havia uma distinção entre as atribuições tanto da família como da escola, assim como sob nenhuma circunstância esperava-se do mestre qualquer atributo fosse materno ou paterno, a…

O FALSO BOM SAMARITANO...

Há algumas horas atrás, assistia à uma uma aula de Filsosofia da Educação, onde em determinado momento falávamos em interação com o Professor Wilson sobre justamente a humanização de nós humanos.

Cheguei a argumentar que somos incapazes de atingir esta humanização ideal exatamente por que não somos educados ao entendimento da dimensão de nossa própria existência, nem no conceito individual quanto mais em relação a um todo que sequer conseguimos enxergar e muito menos sentir.

Estamos divididos em três facções vivenciais, ou seja: aqueles que crêem em Deus e são religiosos, aqueles que crêem, mas nao são religiosos, e aqueles que não crêem.

Todos, sem exceção, vagueiam em seus cotidianos sem ter qualquer entendimento real do quanto estão desperdiçando seus minutos presentes e, sem sem se dar conta, permanecem repetindo posturas que em sua maioria no máximo os robotizam, tirando lenta, mas sistematicamente, toda e qualquer potencialidade interior que é capaz de impulsioná-los a se verem com…