Pular para o conteúdo principal

UM RESPIRAR CONSCIENTE

Como pensadora social, observadora constante das posturas, sejam físicas ou emocionais, ao longo de quase toda a totalidade de meus anos já vividos, acreditem, ainda me surpreendo com a surpreendente capacidade humana em diversificar-se na busca constante de adaptar-se a um sistema que, em sua maioria, se encontra absolutamente em dicotonia de suas reais e individuais necessidades pessoais, justificando a si mesma tamanha opressão ao fato notório da necessidade em conviver e sobreviver, sem se aperceber, de forma lúcida, que por quase todo o tempo não está vivendo, pelo menos no tocante a compreensão maior de a estar sorvendo mais conscientemente dentro de parâmetros mais harmoniosos e condizentes às suas aspirações de realização emocional, confundindo-se por todo o tempo, crendo que “coisas” conquistadas sejam por si só capazes de aliviar a profunda carência, que, aí sim, percebe existir em algum lugar de sí mesmo que o mantém, ora sismemático, ora frustrado, ora triste ou, no mínimo, com um sentimento constante de vazio existencial, onde nada é capaz de aplacar.

Fui desenvolvendo teses por todo o tempo, buscando no todo universal e basicamente nas vidas diferenciadas da natureza próxima de cada um de nós, como a força do sol, das chuvas, dos raios e das tempestades, dos aromas diferenciados das flores e frutos, da terra quando molhada, da diversidade das cores da grandeza das matas, dos sabores singulares produzidos por esta mesma natureza, isto sem esquecer toda uma bio-diversidade, impossível de ser catalogada em sua infinita potencialidade, toda uma correlação absolutamente interligada, na tentativa de encontrar um entendimento da interagibilidade que certamente existe, pois não seríamos nós, seres únicos desassociados deste contexto tão completo. E como somos, como buscar o equilíbrio emocional e físico neste manancial tão complexo de uma forma totalmente natural, baseando-me na simplicidade fundamentalista de cada potencialidade possível, por nós humanos, de sentir.

E aí, percebi o primarismo do óbvio, quando esbarrei no princípio básico do ato de viver, que é a capacidade respiratória.

É tão absurdamente simples que assusta e na maioria das vezes desconsideramos, como o fazemos a tudo que é repetitivamente mecânico, só despertando para a importância fundamental, quando por alguma razão, que foge ao nosso controle pessoal, nos falte por um segundo que seja. Percebemos, então, o quanto somos dependentes e responsáveis pela sua qualidade e bom uso em nós.

Descuidamos de forma sistêmica e absurdamente alienadora de tudo quanto nos é fundamental para a sustentabilidade de nossas próprias vidas, em atitudes corriqueiras de pouco caso ignorante.

Ouvimos, comemos, bebemos, nos drogamos, destruimos a cada segundo todos os nossos sentidos em atitudes irracionais ao bom equilíbrio fisico e mental e ainda cremos que somos os tais, os bam-bam- bans do pedaço, porque somos ou conquistamos isto ou aquilo, e aí, de repente, sem qualquer aviso prévio, a vida nos manda um sinal que em muitas ocasiões é tão somente um adeus.

Dizemos, então, que a vida é assim e que Deus sabe o que faz. Não posso crer que estou nesta vida para que um Deus decida por mim quando devo deixá-la, ou o quanto devo sofrer enquanto nela.

Creio, sim, que dela sou responsável e que é a mim que ela pedirá satisfações ou aplicará sanções, portanto, é preciso dar um basta nesta história da carochinha, muito boa apenas para tirar de nós as obrigações e responsabilidades quanto a qualidade que deveríamos oferecer a ela, vida, abrindo por todo tempo espaço para que a tratemos como coisa comum, e viver precisa ser encarado como um prêmio conquistado através da grandeza da interabilidade da vida com a própria vida em um ciclo fantástico de renovação, onde o ato de inspirar e expirar se transforma em um contínuo abastecimento, cabendo a nós, espertos seres humanos, o cuidado amoroso em selecionar os nutrientes capazes de nos fortalecer.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

OPRESSÃO CULTURAL

Acreditei estar me especializando na área da observação do comportamento humano e, por toda a minha vida, pensei estar aprendendo tudo quanto poderia, e, no entanto, absorvida com a diversidade infinita que me cercava e totalmente fascinada com o que majestosamente me apresentava a cada instante, me perdi totalmente, e, de repente, assim sem qualquer aviso prévio, vejo-me diante de minha não menos infinita ingenuidade avaliativa e percebo, então, o quanto nada sei em relação a capacidade humana em se adaptar às circunstâncias, ou a buscar posições favoráveis à suas conveniências pessoais de adaptabilidade social.Há alguns anos, venho tentando entender o porque de minha paixão por Itaparica, visto que conheci inúmeros outros locais, não menos bucólicos e acolhedores. E agora, como um raio de luz esclarecedor, posso compreender que em minhas buscas pessoais de aperfeiçoamento, encontrei aqui, neste local encantador, todos os subsídios necessários a um aprendizado mais concreto e expli…

Os professores: Um “novo” objeto da investigação educacional?

Houve um tempo, afinal nem tão distante, em que a função da escola era prioritariamente ensinar disciplinas que contribuíam nos universos de cada criança, despertando-as em suas inclinações naturais, na construção de seu futuro perfil profissional e pessoal.
Também era no ambiente escolar que a criança exercitava a convivência, não só com o contrário, mas principalmente com o diferente, deixando aflorar os ensinamentos oriundos de seu núcleo familiar.
Era comum ouvir-se: “a educação vem do berço”.
E este berço, não necessariamente precisava ser abastado economicamente e muito menos letrado, pois havia os conceitos pré-estabelecidos, onde as posturas respeitavam os limites do alheio, criando-se assim normas socais de conduta, não só externa, mas antes de tudo em meio à própria família.
Nesta época a que me refiro, havia uma distinção entre as atribuições tanto da família como da escola, assim como sob nenhuma circunstância esperava-se do mestre qualquer atributo fosse materno ou paterno, a…

O FALSO BOM SAMARITANO...

Há algumas horas atrás, assistia à uma uma aula de Filsosofia da Educação, onde em determinado momento falávamos em interação com o Professor Wilson sobre justamente a humanização de nós humanos.

Cheguei a argumentar que somos incapazes de atingir esta humanização ideal exatamente por que não somos educados ao entendimento da dimensão de nossa própria existência, nem no conceito individual quanto mais em relação a um todo que sequer conseguimos enxergar e muito menos sentir.

Estamos divididos em três facções vivenciais, ou seja: aqueles que crêem em Deus e são religiosos, aqueles que crêem, mas nao são religiosos, e aqueles que não crêem.

Todos, sem exceção, vagueiam em seus cotidianos sem ter qualquer entendimento real do quanto estão desperdiçando seus minutos presentes e, sem sem se dar conta, permanecem repetindo posturas que em sua maioria no máximo os robotizam, tirando lenta, mas sistematicamente, toda e qualquer potencialidade interior que é capaz de impulsioná-los a se verem com…