Pular para o conteúdo principal

CANSAÇO

imagem: pensadora2.blogs.sapo.pt

Fazem alguns dias que não escrevo, creio que o cansaço afetou de alguma forma minha disposição criativa, afinal não tem sido fácil a minha maratona de trabalho neste início de janeiro, se bem que a responsabilidade por esta quase exaustão eu atribuo ao fato indiscutível de minha idade, que se faz sempre presente, totalmente indiferente ao meu desejo em suplantá-la.

Todavia, somos teimosas e permanecemos em constante queda de braço, uma desconsiderando a força da outra, e nesta permanente batalha, coexiste o cansaço, que necessitando de atenção, repousa exatamente em minha inspiração, e aí, bem torno-me inerte, com preguiça de até ligar o notbook. Pode uma coisa dessas?

Pois é… pensando nisto, faço um tremendo esforço e me coloco a buscar a bendita inspiração, lembrando de algumas pessoas maravilhosas com as quais convivo e que não podem ser esquecidas em suas constantes atitudes de respeito aos demais. Uma delas é o querido amigo François, com o qual lamento não poder estar com mais frequência. Ele é daquelas criaturas que conseguem enxergar a beleza em lugares e situações em que a maioria sequer se dá ao trabalho de perceber, quanto mais tentar fazer realçar. Ele é exatamente assim, um alguém disposto a participar, doando seu tempo, sua disposição e seu imenso carinho por esta cidade.

Agora, aqui, sozinha pensando, creio que, de verdade, mais que cansada estou desgostosa e, quando fico assim, dificilmente sinto disposição para escrever. E não é para menos que estou desolada, afinal minha experiência jornalística de tantas décadas não foi suficiente para me escudar quanto ao banalismo que tenho presenciado por aqui. Se em Deus acreditasse, diria:

- Que é isso meu DEUS!

E pensar que poder-se–ia tanto fazer em prol desta legião de crianças e jovens mal assistidos em todas as áreas nos quatro cantos desta ilha. Que pena que não sobrou um resquício sequer de consciência respeitosa aos bens públicos. Que horror para mim, ter que assistir a todos estes desmandos sem nada poder fazer. Que tristeza não enxergar a mão da justiça, punindo crimes tão ediondos.

A banalidade se confunde com o mal caratismo que se tornou síntese relevante nas posturas políticas em nosso país, na certeza absoluta daqueles que se transvestem destas vestes de que nada os afetará, já que crimes contra o patrimônio púlico, praticados por políticos de qualquer natureza, recebem de nossa justiça toda a tolerância de uma mãe protetora.

Em contra partida, nada, absolutamente nada, é oferecido como proteção ao povo, ficando o dinheiro, as saidas jurídicas e a pouca memória do povo, como escudos para a promiscuidade que hora predomina.

E aí, como ficar inspirada a escrever se cada vez menos existem criaturas para ler?

Presencio muitos horrores perante aos céus e fico me perguntando se nas igrejas, também não se deveria oferecer a cada seguidor doses de amor próprio e respeito por si mesmo, a fim de prepará-lo a não ter que aceitar passivamente esta convivência tão desastrosa para o tudo que o cerca. Afinal, hoje em dia, tem mais pessoas frequentando igrejas que salas de aula.Talvez assim, DEUS se apresentasse mais expressivamente em prol de um bem comum, unindo IRMÃOS em favor de IRMÃOS.

Bem, não é sem propósitos este meu comentário, afinal, Itaparica é uma minúscula cidade e em quase todas as esquinas é possível ver-se uma igreja, centro espírita ou terreiro, e meu Deus!, a cada dia, as pessoas estão mais arredias, pouco solidárias e desinteressadas nos bens comuns, em um apartaid muito perigoso, que tem tirado o que de melhor pode existir em um convívio de uma cidade do interior, que é justo a sensação de bem estar. Quanto mais se louva, mais a violência, a intolerância e a banalidade crescem, e isto é para se pensar, talvez se aliar às preces uma dose constante de humildade, buscando no Jesus amoroso a compreensão e a sabedoria do convívio harmonioso, provavelmente poder-se-á encontrar-se um dia mais respeito e irmandade.

Nossa!!!!… para quem não tinha o que escrever, palpitei demais. Que bom, pois isto vem provar que mesmo cansada e sem inspiração, ainda possuo interesse suficiente para observar tudo quanto me rodeia.

Comentários

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. É ñ pode parar eu estáva esperando uma postagem a dias, já ia ligar cobrando !
    hj é normal o abandono de valores
    as pessoas se prendem a crenças e se esquecem da atitude, q é o maior diferencial.
    e buscam em religiões algo deveriam buscar dentro de sí .......
    bjão Regina

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

OPRESSÃO CULTURAL

Acreditei estar me especializando na área da observação do comportamento humano e, por toda a minha vida, pensei estar aprendendo tudo quanto poderia, e, no entanto, absorvida com a diversidade infinita que me cercava e totalmente fascinada com o que majestosamente me apresentava a cada instante, me perdi totalmente, e, de repente, assim sem qualquer aviso prévio, vejo-me diante de minha não menos infinita ingenuidade avaliativa e percebo, então, o quanto nada sei em relação a capacidade humana em se adaptar às circunstâncias, ou a buscar posições favoráveis à suas conveniências pessoais de adaptabilidade social.Há alguns anos, venho tentando entender o porque de minha paixão por Itaparica, visto que conheci inúmeros outros locais, não menos bucólicos e acolhedores. E agora, como um raio de luz esclarecedor, posso compreender que em minhas buscas pessoais de aperfeiçoamento, encontrei aqui, neste local encantador, todos os subsídios necessários a um aprendizado mais concreto e expli…

Os professores: Um “novo” objeto da investigação educacional?

Houve um tempo, afinal nem tão distante, em que a função da escola era prioritariamente ensinar disciplinas que contribuíam nos universos de cada criança, despertando-as em suas inclinações naturais, na construção de seu futuro perfil profissional e pessoal.
Também era no ambiente escolar que a criança exercitava a convivência, não só com o contrário, mas principalmente com o diferente, deixando aflorar os ensinamentos oriundos de seu núcleo familiar.
Era comum ouvir-se: “a educação vem do berço”.
E este berço, não necessariamente precisava ser abastado economicamente e muito menos letrado, pois havia os conceitos pré-estabelecidos, onde as posturas respeitavam os limites do alheio, criando-se assim normas socais de conduta, não só externa, mas antes de tudo em meio à própria família.
Nesta época a que me refiro, havia uma distinção entre as atribuições tanto da família como da escola, assim como sob nenhuma circunstância esperava-se do mestre qualquer atributo fosse materno ou paterno, a…

O FALSO BOM SAMARITANO...

Há algumas horas atrás, assistia à uma uma aula de Filsosofia da Educação, onde em determinado momento falávamos em interação com o Professor Wilson sobre justamente a humanização de nós humanos.

Cheguei a argumentar que somos incapazes de atingir esta humanização ideal exatamente por que não somos educados ao entendimento da dimensão de nossa própria existência, nem no conceito individual quanto mais em relação a um todo que sequer conseguimos enxergar e muito menos sentir.

Estamos divididos em três facções vivenciais, ou seja: aqueles que crêem em Deus e são religiosos, aqueles que crêem, mas nao são religiosos, e aqueles que não crêem.

Todos, sem exceção, vagueiam em seus cotidianos sem ter qualquer entendimento real do quanto estão desperdiçando seus minutos presentes e, sem sem se dar conta, permanecem repetindo posturas que em sua maioria no máximo os robotizam, tirando lenta, mas sistematicamente, toda e qualquer potencialidade interior que é capaz de impulsioná-los a se verem com…