Pular para o conteúdo principal

APENAS MICHELLE MARQUES



Desde o nosso primeiro encontro em 2012, na secretaria de saúde no Alto do Santo Antonio, quando você gentilmente me concedeu uma entrevista, pude perceber que estava diante de uma criatura simples, mas extremamente desejosa de acertar na responsabilidade ao assumir uma secretaria tão complexa.
Suas respostas foram firmes e absolutamente despidas de qualquer tipo de camuflagem, tão fácil de ser identificado por profissionais experientes da imprensa, acostumados que estamos com as figuras estereotipadas que se repetem e que nos frustram.
Com o passar do tempo, acompanhando bem de perto suas atividades, já que as demandas oriundas de meus ouvintes da Rádio Tupinambá, sempre estavam presentes, compreendi rapidamente o quanto o seu despojamento de vaidade e estrelismo era responsável pela harmonia possível de ser encontrada em todos os departamentos daquela secretaria, através dos seus funcionários, que logo absorveram o espírito cristão e social de suas intenções profissionais, transformando a secretaria de saúde num celeiro de acolhimento e respeito ao povo de Itaparica.
Se não bastasse, ela e sua coesa equipe, foram além, buscando trazer para a cidade o tão esperado amparo aos idosos, oferecendo de forma inédita um serviço social de acolhimento diário ( CASI)com médicos, enfermeiros, cuidadoras e inúmeros voluntários que passaram a oferecer os seus talentos em prol de resgatarem a autoestima dessas criaturas maravilhosas que se encontravam no ostracismo de seus outonos de vida.
Mas esta equipe não parou e logo abrigava como jamais aconteceu os nossos pacientes do CAPS, que encontraram nesta gestão o respeito e a dignidade que merecem através do apoio de médico e psicólogo e de terapias ocupacionais ao longo dos dias.
Mas não parou por aí, a jovem secretária Michelle Marques com o apoio do Prefeito Raimundo da Hora, decidiram inserir estas criaturas no cotidiano da cidade, preparando-as para se apresentarem como reais personalidades em eventos especiais e assim, surgiu o Natal do Meu Tempo que reuniu 2000 pessoas na Fonte da Bica, no dia 21 e 22 de Dezembro de 2014 e depois em 2015, dando a oportunidade única aos nossos jovens de dividirem seus brilhos artísticos com os nossos idosos e especiais, oferecendo ao público presente um belo exemplo de integração e amor.
O tempo foi passando e com muita justiça, neste momento de transição política, você foi escolhida para ser a Vice, numa candidatura política e eu, tive a honra de ouvir de você, menina que poderia ser minha filha, que estava com medo, por que não se sentia política e que jamais havia pensado em tal possibilidade.
E eu lhe respondi que a cidade no momento precisava mais de gente produtiva, capacitada e honrada que propriamente de políticos.
Acho que sou suspeita, porque aprendi nestes anos a lhe amar, apenas pelo ser humano bonito e bonito que você tem sido sem qualquer escorregão, seja lá diante do que for.
Todavia, sinto orgulho apenas em pensar que haverá a possibilidade de vê-la numa nova gestão, oferecendo o seu brilho, seu talento e seu amor por Itaparica, que a maldade, a inveja e todas as mazelas emocionais humanas, será incapaz de apagar.
Que Deus em sua misericórdia a abençoe hoje e sempre.
E que neste dia lindo de seu aniversário, que tudo de bom lhe aconteça ao lado daqueles que lhe amam.
Beijos Gatinha.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

OPRESSÃO CULTURAL

Acreditei estar me especializando na área da observação do comportamento humano e, por toda a minha vida, pensei estar aprendendo tudo quanto poderia, e, no entanto, absorvida com a diversidade infinita que me cercava e totalmente fascinada com o que majestosamente me apresentava a cada instante, me perdi totalmente, e, de repente, assim sem qualquer aviso prévio, vejo-me diante de minha não menos infinita ingenuidade avaliativa e percebo, então, o quanto nada sei em relação a capacidade humana em se adaptar às circunstâncias, ou a buscar posições favoráveis à suas conveniências pessoais de adaptabilidade social.Há alguns anos, venho tentando entender o porque de minha paixão por Itaparica, visto que conheci inúmeros outros locais, não menos bucólicos e acolhedores. E agora, como um raio de luz esclarecedor, posso compreender que em minhas buscas pessoais de aperfeiçoamento, encontrei aqui, neste local encantador, todos os subsídios necessários a um aprendizado mais concreto e expli…

Os professores: Um “novo” objeto da investigação educacional?

Houve um tempo, afinal nem tão distante, em que a função da escola era prioritariamente ensinar disciplinas que contribuíam nos universos de cada criança, despertando-as em suas inclinações naturais, na construção de seu futuro perfil profissional e pessoal.
Também era no ambiente escolar que a criança exercitava a convivência, não só com o contrário, mas principalmente com o diferente, deixando aflorar os ensinamentos oriundos de seu núcleo familiar.
Era comum ouvir-se: “a educação vem do berço”.
E este berço, não necessariamente precisava ser abastado economicamente e muito menos letrado, pois havia os conceitos pré-estabelecidos, onde as posturas respeitavam os limites do alheio, criando-se assim normas socais de conduta, não só externa, mas antes de tudo em meio à própria família.
Nesta época a que me refiro, havia uma distinção entre as atribuições tanto da família como da escola, assim como sob nenhuma circunstância esperava-se do mestre qualquer atributo fosse materno ou paterno, a…

O FALSO BOM SAMARITANO...

Há algumas horas atrás, assistia à uma uma aula de Filsosofia da Educação, onde em determinado momento falávamos em interação com o Professor Wilson sobre justamente a humanização de nós humanos.

Cheguei a argumentar que somos incapazes de atingir esta humanização ideal exatamente por que não somos educados ao entendimento da dimensão de nossa própria existência, nem no conceito individual quanto mais em relação a um todo que sequer conseguimos enxergar e muito menos sentir.

Estamos divididos em três facções vivenciais, ou seja: aqueles que crêem em Deus e são religiosos, aqueles que crêem, mas nao são religiosos, e aqueles que não crêem.

Todos, sem exceção, vagueiam em seus cotidianos sem ter qualquer entendimento real do quanto estão desperdiçando seus minutos presentes e, sem sem se dar conta, permanecem repetindo posturas que em sua maioria no máximo os robotizam, tirando lenta, mas sistematicamente, toda e qualquer potencialidade interior que é capaz de impulsioná-los a se verem com…