Pular para o conteúdo principal

ONTEM E HOJE



Ontem após o jantar, como de hábito, sentamos no sofá da sala para assistirmos TV e também prolongarmos mais um pouco nossas infindáveis conversas e o assunto juventude fluiu naturalmente em forma de um saudosismo gostoso, mas ao mesmo tempo trazendo consigo um comparativo do ontem e do hoje, nos hábitos e conceitos humanos que como sempre evoluíram, porque, afinal, esta é a lei natural da vida, mantendo-se permanentemente em movimento, o que necessariamente, não significa que foi para melhor.
Fomos relembrando as transições conceituais que se intensificaram nos anos sessenta, justo quando ainda adolescentes, não estávamos devidamente preparados para abraça-las e muito menos nossos pais e professores, o que nos obrigou na marra a ir assimilando as novidades e entre mil tropeços ir encontrando nossos próprios caminhos.
Uma loucura, se analisada a situação após estes alucinantes cinquenta anos, onde em alguns momentos fomos simplesmente sendo levados e como náufragos, nos agarrávamos às boias eventuais, sempre existentes ao longo do percurso.
Sorrimos juntos em inúmeros momentos em que nos lembramos do romantismo que nos envolvia e na quase total ingenuidade de nossos propósitos. Lembramos da liberdade contida pelo senso natural de um resguardo pessoal que nos foi impresso por nossos pais e que mesmo nos parecendo arcaico, já naquela época, nos serviu de parâmetro resistente a qualquer possível tentação mais ousada e que representasse maiores violações ao código familiar, sólido e profundamente resistente que, afinal, nos manteve íntegros até o presente momento.
Nosso medo residia tão somente em sermos flagrados pelos meus pais em nossos momentos de amor ou a um possível raio que nos escolhesse atingir, afinal, quem pensaria em roubos, sequestros ou bala perdida?
Qual o jovem que pensava em traficantes, assassinos e corruptos?
Mas com certeza, eu já apreciava e me arriscava na minissaia, aderi de imediato à expurgação do sutiã e, adorei fazer sexo as escondidas com o amor de minha vida, na mais pura entrega dos meus dezessete anos.
Neste exato momento, intensificamos nossos olhares e sorrisos, porque instantaneamente, fomos atingidos pela doçura de tempos passados que na realidade nunca se foram, pois ficaram impressos em nossas posturas cotidianas, reforçando sentimentos, alicerçando bases.
Certamente eu poderia ficar eternamente relembrando cada instante, cada valor adquirido, assim como considerar que os tempos passados eram melhores que os atuais, mas isto pouco iria adiantar argumentar, porque afinal, os tempos são os de agora e as expectativas também.
Penso então, que felizes somos nós que sobrevivemos por todo este tempo que voou e que, infelizmente, também passou, mas que foi capaz de deixar em nós, infinitas lembranças que nos fazem sorrir a cada momento que nos permitimos reviver.
Bons tempos dos passeios de mãos dadas, dos beijos roubados, do sexo com amor.
Bons tempos dos cheiros, dos toques e dos sabores.
Bons tempos do respeito, dos sentimentos e das emoções.


OBS:

Ao amigo Zé da saúde a minha mais sincera compreensão quanto a  sua solidão em constatar que os conceitos que nos estruturaram, hoje são dolorosamente, desconhecidos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

OPRESSÃO CULTURAL

Acreditei estar me especializando na área da observação do comportamento humano e, por toda a minha vida, pensei estar aprendendo tudo quanto poderia, e, no entanto, absorvida com a diversidade infinita que me cercava e totalmente fascinada com o que majestosamente me apresentava a cada instante, me perdi totalmente, e, de repente, assim sem qualquer aviso prévio, vejo-me diante de minha não menos infinita ingenuidade avaliativa e percebo, então, o quanto nada sei em relação a capacidade humana em se adaptar às circunstâncias, ou a buscar posições favoráveis à suas conveniências pessoais de adaptabilidade social.Há alguns anos, venho tentando entender o porque de minha paixão por Itaparica, visto que conheci inúmeros outros locais, não menos bucólicos e acolhedores. E agora, como um raio de luz esclarecedor, posso compreender que em minhas buscas pessoais de aperfeiçoamento, encontrei aqui, neste local encantador, todos os subsídios necessários a um aprendizado mais concreto e expli…

Os professores: Um “novo” objeto da investigação educacional?

Houve um tempo, afinal nem tão distante, em que a função da escola era prioritariamente ensinar disciplinas que contribuíam nos universos de cada criança, despertando-as em suas inclinações naturais, na construção de seu futuro perfil profissional e pessoal.
Também era no ambiente escolar que a criança exercitava a convivência, não só com o contrário, mas principalmente com o diferente, deixando aflorar os ensinamentos oriundos de seu núcleo familiar.
Era comum ouvir-se: “a educação vem do berço”.
E este berço, não necessariamente precisava ser abastado economicamente e muito menos letrado, pois havia os conceitos pré-estabelecidos, onde as posturas respeitavam os limites do alheio, criando-se assim normas socais de conduta, não só externa, mas antes de tudo em meio à própria família.
Nesta época a que me refiro, havia uma distinção entre as atribuições tanto da família como da escola, assim como sob nenhuma circunstância esperava-se do mestre qualquer atributo fosse materno ou paterno, a…

O FALSO BOM SAMARITANO...

Há algumas horas atrás, assistia à uma uma aula de Filsosofia da Educação, onde em determinado momento falávamos em interação com o Professor Wilson sobre justamente a humanização de nós humanos.

Cheguei a argumentar que somos incapazes de atingir esta humanização ideal exatamente por que não somos educados ao entendimento da dimensão de nossa própria existência, nem no conceito individual quanto mais em relação a um todo que sequer conseguimos enxergar e muito menos sentir.

Estamos divididos em três facções vivenciais, ou seja: aqueles que crêem em Deus e são religiosos, aqueles que crêem, mas nao são religiosos, e aqueles que não crêem.

Todos, sem exceção, vagueiam em seus cotidianos sem ter qualquer entendimento real do quanto estão desperdiçando seus minutos presentes e, sem sem se dar conta, permanecem repetindo posturas que em sua maioria no máximo os robotizam, tirando lenta, mas sistematicamente, toda e qualquer potencialidade interior que é capaz de impulsioná-los a se verem com…