Pular para o conteúdo principal

RETROSPECTIVA AMOROSA


Posso escrever toda a emoção possível de ser sentida nesta semana que antecede aos casamentos de meus dois filhos, Luiz Cláudio e Anna Paula, justo porque são sentimentos que venho construindo ao longo de minha vida, principalmente a partir de quando começaram a dar seus primeiros passinhos e através de cada um, dos sorrisos ou das primeiras  palavras, desenhei em minha mente, mil vezes como que ensaiando, os caminhos que como mãe coruja, delineava para cada um deles.
Não houve em cada olhar ou toque materno, um instante sequer, onde eu não desejasse ser capaz de cria-los com a devoção necessária para que se transformassem em pessoas que fossem capazes de doar e receber amor, viesse de onde viesse, porque sempre compreendi ser este o caminho mais suave de nos tornarmos criaturas humanas mais felizes.
Jamais os vi como pessoas ricas e poderosas nos meus desejos de mãe zelosa, via-os sempre, sim, como pessoas produtivas, buscando seus sonhos e transformando-os em projetos.
Jamais os via como padrões de beleza a ser copiada com o meu olhar de mãe apaixonada, optando em vê-los distintos e elegantes no trato de qualquer natureza, sabendo como poetas do cotidiano, declamar coragem a si mesmos.
Quis, apenas, vê-los crescer repletos de entusiasmo pela própria vida, aprendendo a valorizar cada pequena conquista como se fosse a maior de todas, transformando assim, seus minutos presentes numa palheta de cores e, de suas vontades voluntárias, seus pincéis, colorindo suas existências.
Vê-los crescer foi extremamente gratificante, pois pude ir percebendo o quanto foram capazes de tão somente absorverem o melhor que fomos capazes de repassar, através de ensinamentos práticos e de afetos explícitos, mas acima de tudo, através da verdade sobre nós mesmos, nossas inseguranças e medos que jamais deles foram  ocultados, porque compreendíamos que somente através da clareza e da verdade, chegaríamos aos seus corações.
Expusemos nossos erros e falhas, fazendo de cada um deles, moldes reais do que não deveriam fazer, criando assim, laços sólidos de uma profunda amizade, de um imenso respeito, numa troca de aprendizado limpo e transparente, abrindo assim, espaço para o bendito senso de interação participativa que ampliou e consolidou o senso de pertencimento mútuo em família, onde cada um de nós foi se tornando guardião amoroso do outro.
Acordei neste instante, absolutamente certa de que mais do que sermos exemplos do ideal de pais, fomos nos tornando casulos quentes e seguros, num jardim amplo e ensolarado de amor, assim como uma espécie de céu brilhante para que nossos filhos em seus imaginários pessoais, traçassem e seguissem seus próprios caminhos nesta vida tão bonita para ser vivenciada.
Fomos amigos e parceiros, mas, acima de tudo, não abrimos mão de sermos pais, exercendo autoridade, contrariando vontades, ajustando emoções.
Particularmente, apliquei muitas palmadas e castigos, falei alto e me irritei contrariando, por completo, todos os caminhos sugeridos pela psicologia que, eu tanto conhecia através de meus estudos, levando-me em certas ocasiões a, até mesmo, questionar meus métodos, crendo estar sendo retrógrada exigente e totalmente na contra mão de uma nova era. Confesso que temi muitas vezes por um provável fracasso, principalmente nos momentos em que as reações foram adversas.
Qual nada, não demorava muito, lá estavam eles reconhecendo seus limites, seus abusos, suas necessidades de, muitos ainda, aprendizados.
E agora, vendo-os com 40 e 26 anos, com total autonomia, construindo suas próprias famílias, confesso que é muito bom, é bom demais!!!!!
 No final das contas, tudo deu certo e só podemos agradecer  ao universo, afirmando sem qualquer dúvida, que a vida é bonita ,é bonita e é bonita.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

OPRESSÃO CULTURAL

Acreditei estar me especializando na área da observação do comportamento humano e, por toda a minha vida, pensei estar aprendendo tudo quanto poderia, e, no entanto, absorvida com a diversidade infinita que me cercava e totalmente fascinada com o que majestosamente me apresentava a cada instante, me perdi totalmente, e, de repente, assim sem qualquer aviso prévio, vejo-me diante de minha não menos infinita ingenuidade avaliativa e percebo, então, o quanto nada sei em relação a capacidade humana em se adaptar às circunstâncias, ou a buscar posições favoráveis à suas conveniências pessoais de adaptabilidade social.Há alguns anos, venho tentando entender o porque de minha paixão por Itaparica, visto que conheci inúmeros outros locais, não menos bucólicos e acolhedores. E agora, como um raio de luz esclarecedor, posso compreender que em minhas buscas pessoais de aperfeiçoamento, encontrei aqui, neste local encantador, todos os subsídios necessários a um aprendizado mais concreto e expli…

Os professores: Um “novo” objeto da investigação educacional?

Houve um tempo, afinal nem tão distante, em que a função da escola era prioritariamente ensinar disciplinas que contribuíam nos universos de cada criança, despertando-as em suas inclinações naturais, na construção de seu futuro perfil profissional e pessoal.
Também era no ambiente escolar que a criança exercitava a convivência, não só com o contrário, mas principalmente com o diferente, deixando aflorar os ensinamentos oriundos de seu núcleo familiar.
Era comum ouvir-se: “a educação vem do berço”.
E este berço, não necessariamente precisava ser abastado economicamente e muito menos letrado, pois havia os conceitos pré-estabelecidos, onde as posturas respeitavam os limites do alheio, criando-se assim normas socais de conduta, não só externa, mas antes de tudo em meio à própria família.
Nesta época a que me refiro, havia uma distinção entre as atribuições tanto da família como da escola, assim como sob nenhuma circunstância esperava-se do mestre qualquer atributo fosse materno ou paterno, a…

O FALSO BOM SAMARITANO...

Há algumas horas atrás, assistia à uma uma aula de Filsosofia da Educação, onde em determinado momento falávamos em interação com o Professor Wilson sobre justamente a humanização de nós humanos.

Cheguei a argumentar que somos incapazes de atingir esta humanização ideal exatamente por que não somos educados ao entendimento da dimensão de nossa própria existência, nem no conceito individual quanto mais em relação a um todo que sequer conseguimos enxergar e muito menos sentir.

Estamos divididos em três facções vivenciais, ou seja: aqueles que crêem em Deus e são religiosos, aqueles que crêem, mas nao são religiosos, e aqueles que não crêem.

Todos, sem exceção, vagueiam em seus cotidianos sem ter qualquer entendimento real do quanto estão desperdiçando seus minutos presentes e, sem sem se dar conta, permanecem repetindo posturas que em sua maioria no máximo os robotizam, tirando lenta, mas sistematicamente, toda e qualquer potencialidade interior que é capaz de impulsioná-los a se verem com…