sábado, 5 de janeiro de 2013

POEMAS DA NATUREZA


 
O cipó-imbé gigantesco serpenteia o galho grosso da mangueira, abraçando-a como uma amante apaixonada, deslizando lentamente, percorrendo seu corpo, buscando a copa, como se esta fosse a boca carnuda, para um gozo maior.

Lindo, fantástico, espetáculo sem igual.

São poemas escritos no silêncio desta natureza bendita, versos que falam, através de movimentos que nos ensinam e que nos inspiram como mestres reais desta infinita escultura viva, que se atento estivermos, conseguimos lê-los, tornando-nos seres mais plenos, mais lúcidos e, com certeza, mais felizes.

De onde estou, observo-te querida, vejo-te integrar-se a este encanto e posso sentir-te como mais um belo verso, deste contexto sublime que é a vida.

Escrito em parceria com o amigo energético, Mário Silva Jardim.05/01/2013.

Nenhum comentário:

Postar um comentário