Pular para o conteúdo principal

Entre a Cruz e a Espada


 
Fico entre a cruz e a espada quando sou obrigada pela força de meu trabalho, da lógica social e do meu caráter, a fazer denúncias em relação a algumas ações que são executadas pelas gestões públicas de qualquer tempo.

Quanto às de Itaparica, tudo é mais doloroso, já que tenho pela maioria das pessoas envolvidas e pela cidade que me acolheu, apreço, acrescido de uma profunda lealdade que procuro honrar com as minhas posturas diárias, restando-me, portanto, somente a conduta de apresentar os fatos, tal qual eles se apresentam, sem que haja a presença do emocional que, de uma forma ou de outra, fatalmente destruiria a realidade dos mesmos, assim como a credibilidade que fui construindo ao longo dos anos.

Ah! Como é difícil ser imparcial e pensando nisso, posso entender, mas confesso não compreender, a dificuldade que assola os políticos que, afinal, entre nós povo, seus interesses pessoais, seus parentes, amigos e etc. e tal, mantém vivo em suas decisões o inferno de Dante, fazendo-os se esquecer do objetivo maior de terem sido eleitos, que é tão somente pensar e agir em prol do bem comum.

Ah! O bem comum, expressão bonita ao ser dita nos discursos de palanques, nos panfletos, nos congressos e seminários, mas que se perde no cotidiano da prática executiva, legislativa e, infelizmente, na maioria do judiciário e que, como um vírus danoso, contamina a todos, inclusive a nós, se não estivermos devidamente imunizados contra a arrogância, a indiferença e lamentavelmente a falta de educação comunitária, que, como epidemia, se alastra, sem comunicação prévia.

Que coisa, hein...!

Sozinha com os meus pensamentos, lamento estar vivendo este estado de direito, onde os valores estão sendo substituídos pela dolorosa BANALIDADE, que se esgueira como uma serpente, fazendo gente como eu e você, precisarem questionar-se por todo o tempo, como estar por todo o tempo se sentindo entre a cruz e a espada, fosse natural.

Natural seria que agíssemos como um rio que corre no sentido exato do desaguar no mar, que seria o fim, o destino limpo do encontro do meu com o seu, formando fartura e riquezas maiores, no alimento bendito do bem comum.

Ao invés disto, corremos solitários entre caminhos desviados e chegamos finalmente ao mar,  fracos e desiludidos, independentemente do volume e da extensão de fartas ou minguantes águas, que tenhamos conseguido acumular.

Somos como águas divididas, simbolizadas pela cruz e a espada.

Que pena, não é mesmo?

Constatação dos fatos às vezes machuca e faz doer, mas esclarece e serve de bendito alerta para possíveis mudanças de posturas a favor de uma também bendita consciência coletiva que, por distração, hábito ou banalidade, insiste em nos escapar.

 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

OPRESSÃO CULTURAL

Acreditei estar me especializando na área da observação do comportamento humano e, por toda a minha vida, pensei estar aprendendo tudo quanto poderia, e, no entanto, absorvida com a diversidade infinita que me cercava e totalmente fascinada com o que majestosamente me apresentava a cada instante, me perdi totalmente, e, de repente, assim sem qualquer aviso prévio, vejo-me diante de minha não menos infinita ingenuidade avaliativa e percebo, então, o quanto nada sei em relação a capacidade humana em se adaptar às circunstâncias, ou a buscar posições favoráveis à suas conveniências pessoais de adaptabilidade social.Há alguns anos, venho tentando entender o porque de minha paixão por Itaparica, visto que conheci inúmeros outros locais, não menos bucólicos e acolhedores. E agora, como um raio de luz esclarecedor, posso compreender que em minhas buscas pessoais de aperfeiçoamento, encontrei aqui, neste local encantador, todos os subsídios necessários a um aprendizado mais concreto e expli…

Os professores: Um “novo” objeto da investigação educacional?

Houve um tempo, afinal nem tão distante, em que a função da escola era prioritariamente ensinar disciplinas que contribuíam nos universos de cada criança, despertando-as em suas inclinações naturais, na construção de seu futuro perfil profissional e pessoal.
Também era no ambiente escolar que a criança exercitava a convivência, não só com o contrário, mas principalmente com o diferente, deixando aflorar os ensinamentos oriundos de seu núcleo familiar.
Era comum ouvir-se: “a educação vem do berço”.
E este berço, não necessariamente precisava ser abastado economicamente e muito menos letrado, pois havia os conceitos pré-estabelecidos, onde as posturas respeitavam os limites do alheio, criando-se assim normas socais de conduta, não só externa, mas antes de tudo em meio à própria família.
Nesta época a que me refiro, havia uma distinção entre as atribuições tanto da família como da escola, assim como sob nenhuma circunstância esperava-se do mestre qualquer atributo fosse materno ou paterno, a…

O FALSO BOM SAMARITANO...

Há algumas horas atrás, assistia à uma uma aula de Filsosofia da Educação, onde em determinado momento falávamos em interação com o Professor Wilson sobre justamente a humanização de nós humanos.

Cheguei a argumentar que somos incapazes de atingir esta humanização ideal exatamente por que não somos educados ao entendimento da dimensão de nossa própria existência, nem no conceito individual quanto mais em relação a um todo que sequer conseguimos enxergar e muito menos sentir.

Estamos divididos em três facções vivenciais, ou seja: aqueles que crêem em Deus e são religiosos, aqueles que crêem, mas nao são religiosos, e aqueles que não crêem.

Todos, sem exceção, vagueiam em seus cotidianos sem ter qualquer entendimento real do quanto estão desperdiçando seus minutos presentes e, sem sem se dar conta, permanecem repetindo posturas que em sua maioria no máximo os robotizam, tirando lenta, mas sistematicamente, toda e qualquer potencialidade interior que é capaz de impulsioná-los a se verem com…